•  
     

Governo diz que desmatamento da Amazônia caiu 31%



desmatamento.jpg
desmatamento
A área desmatada na Amazônia Legal foi de 18.900 quilômetros quadrados entre 1.º de agosto de 2004 e 31 de julho de 2005, divulgou a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, em Brasília. O número representa uma queda de 31% em relação ao período entre 2003 e 2004, que foi de 27.200 km2.
A redução no ritmo de desmatamento na Amazônia foi comemorada pelo governo, já que o número divulgado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) do ano anterior não foi nada favorável: era 11% acima do que foi derrubado entre 2002 e 2003, o que indicava as fraquezas do plano federal contra o desmatamento na Amazônia.

Os dados mostrados são apurados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) com base no sistema Prodes, a fonte mais precisa de avaliação por satélite que o governo tem hoje para calcular a área desmatada anualmente.


Números diferentes
Em agosto, o ministério chegou a divulgar números bastante diferentes dos apresentados nesta segunda-feira - que indicavam uma redução de 50% - com base em outro sistema do Inpe, o Deter.

Formatado como uma ferramenta para ações de fiscalização, ele é mais ágil do que o Prodes e fornece imagens a cada 15 dias, mas de forma bem mais imprecisa. Na época, apesar de uma certa euforia por parte de representantes do governo, inclusive de Marina, o Inpe lembrava que os dados do Deter indicavam apenas uma tendência à queda.

"Pode haver uma variação no índice porque há uma margem de erro de 5% para mais ou para menos", diz o diretor do Inpe, Gilberto Câmara. Isso explica o porquê do aumento nas áreas no período entre 2003 e 2004: a taxa preliminar indicava um crescimento de 6% em relação a 2002-2003 e ficou, na análise final das imagens, em 11%.

De 2002 a 2003, o aumento no índice de desflorestamento ficou em 6% em comparação com o período de 2001 a 2002.


Pará e Amazonas
Segundo Câmara, o desmatamento de 2004-2005 ocorreu mais em algumas áreas, como o sudeste do Pará e sul do Amazonas. Cresceu menos em áreas onde o governo teve forte atuação, como na região da BR-163, que liga Cuiabá (MT) a Santarém (PA) e pode ser asfaltada.

A lista de cidades e Estados que mais perderam árvores, tradicionalmente divulgado pelo Inpe, será divulgado apenas com o número consolidado.

"A queda no índice de desmatamento é reflexo do trabalho desenvolvido por 13 ministérios que compõem o grupo permanente de trabalho interministerial sobre desmatamento na Amazônia", afirma o o secretário de Biodiversidade e Florestas do MMA, João Paulo Capobianco.

Desde 2003, houve apreensão de 582 mil metros cúbicos de madeira, 26 tratores, 54 caminhões e 459 motosserras. Foram emitidos R$ 1,8 bilhão em multas e 241 pessoas foram presas.


Continua alto
Para os ambientalistas, a relação entre causa e efeito não é tão simples quanto pinta o governo. Ações previstas no plano não foram colocadas em prática, enquanto outras são isoladas e não refletem um projeto de contenção permanente.

"O resultado não é para ser comemorado, uma vez que é um número alto de desmatamento. Mas é um passo na direção correta", diz Paulo Adário, coordenador da campanha da Amazônia do Greenpeace.

Segundo ele, ainda é cedo para dizer que a redução é uma tendência.


Preço da soja
Adário lembra que o índice é reflexo de outros fatores, entre eles a queda do preço internacional da soja (que estimula a derrubada da floresta principalmente no sul da região), a ação policial que se seguiu à morte da missionária americana Dorothy Stang, em fevereiro, e a Operação Curupira, que deflagrou um esquema de corrupção envolvendo madeireiros e fiscais em Mato Grosso.

Também a ONG WWF coloca o pé no freio ao analisar os números divulgados por Marina. "Se houver novamente a valorização de produtos agrícolas, a multa aplicada pelo Ibama pode valer a pena financeiramente para os que destroem a floresta", diz Mauro Armelin, coordenador de políticas públicas da organização.

"A pergunta-chave é: aonde o governo quer chegar, qual é a meta de redução de desmatamento anual? Sem ela, é difícil medir resultados e planejamento a longo prazo."

Fonte: http://www.apolo11.com/meio_ambiente.ph ... 063605.inc
Página inicial