•  
     

Uma campanha para ajudar Marinho Chagas

marinho-botafogo.gif
marinho-botafogo.gif (32.09 KiB) Visto 142 vezes


A empresa que fornece material esportivo ao ABC, de Natal, começa a vender neste sábado, 13, uma camisa especial, destinada a arrecadar fundos para auxiliar o ex-jogador Marinho Chagas, de 57 anos.

Um dos maiores jogadores da história do Rio Grande do Norte, Marinho iniciou a sua carreira no pequeno Riachuelo, depois atuou pelo ABC – hoje na Série B do Brasileiro –, transferiu-se em 1970 para o Náutico (PE) e, dois anos depois, chegou ao Botafogo, onde se consagrou. Lateral esquerdo arrojado, dono de um chute muito forte, foi titular da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1974, disputada Alemanha. Também atuou no Fluminense, no Cosmos (EUA) e no São Paulo.

Uma reportagem muito triste, exibida no programa “Esporte Espetacular”, no domingo (7), mostrou Marinho no hospital, de avental verde, falando de alcoolismo. Internado já há três semanas com problemas respiratórios e complicações relacionadas à hepatite C, ele agora é alvo desta campanha beneficente, promovida pela ERK.

A camisa custa R$ 20 e a arrecadação destina-se a ajudar nos custos do tratamento de saúde a que o ex-jogador está se submetendo. A camisa mostra na frente uma imagem de Marinho com a camisa da seleção brasileira e o seguinte texto: “O verdadeiro craque não desiste nunca. Luta sempre. Um gol pela vida”. Atrás, o número 6, usado por ele nos times que passou, e a mensagem: “Eu torço por você!”.

Marinho ficou muito marcado, sobretudo em São Paulo, pela briga que teve com o goleiro Leão, nos vestiários, após a derrota do Brasil para a Polônia, no jogo que decidiu o terceiro lugar na Copa de 74. O goleiro responsabilizou um dos avanços do lateral na partida pelo gol sofrido pela seleção.

Lembrar de Marinho por causa deste episódio diminui muito o seu tamanho real. Foi um jogador tão importante que, com frequência, ao montar listas com o melhor time da história do Botafogo, muita gente opta por colocar Nilton Santos como zagueiro (onde atuou no final da carreira) para acomodar também Marinho.

Fonte: http://colunistas.ig.com.br/mauriciosty ... ho-chagas/