•  
     

Teste físico é decisivo para candidatos a gari em Goiânia

A Prefeitura de Goiânia abriu mão das tradicionais provas escritas e resolveu testar os candidatos de um concurso público naquilo que eles serão mais exigidos: a resistência física.
É preciso fazer no mínimo 17 abdominais e 11 flexões, além do teste de agilidade. E ainda tem mais um desafio: a pista de atletismo.

São 2,4 mil metros, seis voltas debaixo de um sol escaldante. O fôlego tem que ser quase de maratonista.

“Eu tive que mudar minha alimentação e fui à academia” diz Valdirene Alves de Freitas.

“Treinei pouco, trabalhando demais, de servente, o dia inteiro, não precisa nem treinar”, diz Valdir dos Santos.

O percurso tem que ser feito em no máximo 15 minutos. A regra vale para homens e mulheres. Alguns trouxeram até torcida, para dar um empurrãozinho. Mas nem todos conseguem.

O que poderia ser uma competição, na verdade é um concurso público. São quase 17 mil candidatos, que concorrem a 400 vagas para trabalhar no serviço de limpeza urbana.

As provas foram elaboradas por professores de educação física com base na função que os aprovados vão desempenhar. As tarefas serão varrer ruas e coletar o lixo. Cada coletor recolhe em média quatro toneladas de lixo por dia e percorre até 10 quilômetros correndo atrás do caminhão.

“Se o trabalhador estiver preparado fisicamente para aquele trabalho nós teremos muito menos problema de acidente de trabalho, teremos menos problemas de lesões”, diz Wagner Siqueira Jr. presidente da Companhia de Urbanização de Goiânia.

Os candidatos correm atrás da garantia de estabilidade de um emprego público e de um salário que pode ultrapassar R$ 1 mil por causa das gratificações.

Entre os candidatos estão desempregados, pessoas querendo mudar de profissão e até donas de casa.



Uma delas deu um show na pista, sem tênis e roupa adequada, concluiu a prova bem antes do tempo. “Achei que eu não ia dar conrta, mas dei conta de correr. Para quem quer ter alguma coisa na vida, tem de batalhar né?! E foi fácil”, diz Valdelice Alves Ribeiro.

Os candidatos à vaga de catador ainda têm uma outra etapa, a última, marcada para setembro, quando vão simular um trabalho de coleta com um caminhão de lixo de verdade.

fonte: g1.com