•  
     

Tartaruga gigante

SÃO PAULO - Após quatro dias recebendo tratamento no Aquário de Santos, uma tartaruga-de -couro, também conhecida como "tartaruga gigante", voltou ao mar nesta quarta-feira. O animal foi encontrado com uma das nadadeiras feridas na última sexta-feira na praia de Solemar, na Praia Grande. A tartaruga tem 1,70 metro e pesa cerca de 330 quilos.

22_MHB_sp_tartaruga.jpg
22_MHB_sp_tartaruga.jpg (8.66 KiB) Visto 1147 vezes



Paulo de Tarso, biólogo do Aquário de Santos, conta que a tartaruga está na fase adulta, mas ainda deve crescer mais. A Tartaruga de Couro é a maior tartaruga do mundo. Tem bico com dentes serrilhados, couraça lisa, preta e sem placas (sem sete pregas ao longo do dorso) e chega a pesar 700 quilos na fase adulta. O maior animal da espécie foi achado na Costa Ocidental de Gales, em 1988, e pesava 916 kg.
Segundo Paulo de Tarso, esta é a quarta tartaruga da espécie que chega à região e a segunda a ser solta. A primeira foi achada na praia e devolvida o mar há dois anos. As outras duas morreram.

O maior problema, segundo ele, é o tipo de alimentação. A tartaruga-de-couro de alimenta de águas-vivas e, por conta disso, freqüentemente confunde sacos plásticos ou celofane com águas-vivas e correm o risco de morrer.

- Achamos sacos plásticos no estômago das duas tartarugas que morreram. No caso desta, ela defecou quando estava aqui no aquário, o que pode indicar que ela não ingeriu plástico - diz ele.

O biólogo afirmou que a tartaruga não se alimentou enquanto esteve no Aquário.

- Esta espécie é uma das mais desconhecidas. Vive em alto mar e só chega à praia para desovar. No Brasil, o único local de desova é a praia de Comboios, no Espírito Santo - explica.

Não mais que cinco a doze fêmeas desovam na praia do Espírito Santo. As fêmeas normalmente desovam de 4 a 6 vezes por temporada, com 61 a 126 ovos por ninho. Normalmente mais da metade do ninho é formada por ovos pequenos e não férteis.

Ameaçadas de extinção no Oceano Pacífico, a tartaruga-de-couro tem sua maior chance de preservação no Oceano Atlântico, onde ainda há populações consideráveis que desovam em países como Costa Rica, Suriname e Congo, na África.