•  
     

Stephen Hawking diz que conceito sobre buracos negros pode estar errado

Físico apresenta nova teoria para solucionar paradoxo relacionado a essas regiões do espaço

Imagem

Os buracos negros, de acordo com o conceito moderno desenvolvido pela Física, são regiões do espaço com densidade inimaginável nas quais a gravidade é tão absurdamente forte que nada, nem mesmo a luz, pode escapar de ser engolida por eles. Um dos físicos que ajudou a desenvolver esse conceito foi Stephen Hawking e, de acordo com o próprio britânico, essa noção pode estar ligeiramente equivocada.

Para Hawking, os buracos negros — como os concebemos atualmente — não existem. Segundo o físico, o problema com o conceito atual é a noção estabelecida pelas teorias clássicas do chamado “horizonte de eventos”, ou seja, uma fronteira bem definida que determina até onde qualquer coisa pode se aproximar de um buraco negro sem ser irremediavelmente engolida por ele para nunca mais escapa.

Relatividade x Física quântica

[b][i][color=#FF0040]No entanto, os princípios da Física quântica contradizem essa ideia, sugerindo que a matéria e a energia tragadas pelos buracos negros não ficam aprisionadas em seu interior indefinidamente. Assim, para explicar esse paradoxo, Hawking propõe um “horizonte aparente” — com fronteiras bem menos definidas — no lugar de um horizonte de eventos, que flutuaria conforme os efeitos quânticos.

Além disso, segundo a nova teoria, os buracos negros não deveriam ser compreendidos como buracos da morte. Hawking sugere que os buracos negros sejam entendidos como locais nos quais a matéria e a energia são engolidas e transformadas, sendo então devolvidas ao universo de maneira diferente.


Segundo a nova teoria — caso fosse possível comprová-la —, se um astronauta caísse acidentalmente em um buraco negro, por exemplo, em vez de seu corpo queimar imediatamente em uma barreira de intensa radiação, conforme sugere a Física quântica ou, ainda, ser esmagado completamente no interior do buraco, nenhum dos dois cenários aconteceria. A falta de um horizonte de eventos soluciona o paradoxo, eliminando a barreira de radiação.

Como esperado, a proposta de Hawking — que nem foi publicada ainda — já está dando o que falar. Para muitos físicos, a ideia de que não existam pontos dos quais não é mais possível escapar de um buraco negro é, de certa forma, ainda mais problemática e desafiadora do que explicar a natureza dessas regiões do espaço conforme os conceitos atuais que se têm deles. Portanto, podemos esperar por mais debates assim que o estudo de Hawking for publicado.

Fonte - Smithsonian.com The Verge engadget