Home Forum Agora Ativos Top Dia Top Semana Top Mês Top 0 Posts
 

Santos Corpos - Milagres da Conservação

Facebook - Twitter - Google+
Matéria especial que mostra vários casos de corpos que não se decompõem. Muitas fotos. Veja como exemplo o caso de Santa Catarina de Laboure, Papa João XXIII, Santa Bernardete, São Vicente de Paula e muitos outros.


stcatherinelaboure.jpg
Santa Catarina de Laboure, que durante a vida teve visões da Virgem Maria. Seu corpo, ainda incorrupto, está exposto em uma capela na Rue do Bac, Paris.



Santa Catarina de Laboure, que durante a vida teve visões da Virgem Maria. Seu corpo, ainda incorrupto, está exposto em uma capela na Rue do Bac, Paris.

Quando o corpo do Papa João XXIII foi exumado, em março de 2001, estava em boas condições, apesar de morto há 37 anos. Na época, o Papa João Paulo II decidira que João XXIII precisava de um novo local para abrigar seus restos mortais de modo atender mais convenientemente ao grande número de visitantes que se dirigiam à sua tumba, que ficava na Cripta de Basílica de São Pedro, em Roma. Hoje, em 2005, João Paulo II, filho de camponeses e conhecido como "Papa do Povo", está a caminho da santificação e um dos primeiros passos deste processo é a exumação do cadáver a fim de se possa proceder à identificação, um procedimento de praxe.

Embora os corpos dos Papas não sejam inteiramente embalsamados, são "preservados" com formol a fim de prolongar o período possível de exposição pública. Sobre o caso do Papa João XXIII, Joseph Watts, que coordena funerais e exumações do Vaticano, comentou no New York Daily News: "Ele foi embalsamado como de costume. Isso é feito por médicos e o lugar em que o corpo foi colocado, as Catacumbas, é perfeito. Watts, que visitou a tumba na ocasião da exumação, disse que o estado de preservação do Papa, provavelmente, foi resultado de uma combinação de fatores: o fluído balsâmico era um composto com base em um formolaldeído e outras substâncias químicas; o caixão possui três camadas e foi colocado em uma cripta de mármore. Não havia infiltração de água ou qualquer coisa que favorecesse a desintegração do corpo.

Vicenzzo Pascalli, da Universidade de Roma, também considera normal o estado de preservação do corpo do Papa João XXIII: "Isso é muito mais comum do que geralmente se pensa. O corpo do Santo Padre estava bem protegido e o oxigênio era escasso no interior do caixão que, em sua estrutura de três camadas, contém materiais como chumbo e zinco que capturam o oxigênio, o que ajuda a retardar o processo de decomposição."

Como sua habitual reserva, a Igreja Católica rejeita qualquer especulação sobre milagre em relação ao corpo do Papa. O Serviço de Informação do Vaticano jamais usou palavras como "milagre" ou "incorrupto" no caso de João XXIII. Depois da exumação, as declarações oficiais foram discretas e diziam somente que "O Corpo do Abençoado João XXIII estava bem preservado". É uma postura coerente com a política do Vaticano de não incentiar a divulgação de fatos sugestivos do sobrenatural sem investigações minuciosas que descartem qualquer hipótese de explicação por causas naturais.

Diante dos numerosos casos de incorruptibilidade, muitos "santos presumidos" foram exumados e reenterrados. Com o tempo, tornou-se costume exumar todos os canditatos à beatificação e santificação. Na Idade Média, as igrejas disputavam a posse de "corpos incorruptos", que atraíam os peregrinos e, com eles, ofertas, doações. Na Britânia medieval, apesar do clima úmido, havia um grande número destes "corpos santos", entre eles, duas irmãs da realeza, Etheldreda e Withburga; um rei, Edward, o Confessor; um bispo, Hugh, de Lincon e um arcebispo de Canterbury. Com a Reforma, os santuários foram destruídos e os corpos também. Algumas partes foram salvas dos ataques religiosos, como a mão de Santa Etheldreda, resgatada por uma família devota. Passados 400 anos, a mão continua preservada em uma pequena igreja católica - Igreja de Santa Etheldreda, em Ely, Cambridgeshire.


stfranciscoxavier.jpg


O fenômeno dos corpos de santos que não sofrem deterioração apesar de enterrados durante anos continua sendo um tema atual e curioso. Muitos desses casos, cerca de 102 histórias, são relatados no livro The Incorruptibles (1977), de Joan Carrol Cruz. A obra está repleta de detalhes espantosos e macabros sobre restos mortais preservados: corações, pernas e braços, corpos que sentaram e piscaram e fragrâncias agradáveis emanando dos mortos, como Santa Teresa d'Ávila, São Francisco Xavier (ilustração acima) e São João da Cruz.

Nos casos do Abençoado Peter of Gubbio - Pedro de Gubbio, monge século XIV (anos 1300) e da Venerável Maria Vela, freira do século XVII (anos 1600), suas vozes eram ouvidas pelos irmãos e irmãs religiosos, durante cânticos, muito tempo depois de sua morte. Santa Clara de Monte Falco, feira do século XIII (anos 1200), teria declarado às suas companheiras: "Se buscam a cruz de Cristo, tomem meu coração; nele encontrarão o sofrimento do Senhor". Depois da morte da irmã Clara, não somente o corpo permaneceu incorrupto como suas indicações mostraram-se precisas: as freiras removeram-lhe o coração e encontraram, claramente impressa no tecido cardíaco, a figura de um pequeno crucifixo com os cinco estigmas do martírio de Cristo.


Margareth de Metola

Outro registro extraordinário refere-se à Abençoada Magareth de Metola: anã, cega, corcunda e coxa, viveu, entretanto umavida heróica dedicada a servir aos pobres. Morreu em 1330 mas, em 1558, seus restos mortais tiveram de ser transferidos porque seu caixão estava muito estragado. Durante a exumação, testemunhas espantaram-se: assim como caixão, roupas e tecidos também haviam-se deteriorado porém, o corpo de Margareth continuava intacto.

Joan Cruz escreve: "O corpo da Abençoada Margareth, que não foi embalsamado, estava vestido com um hábito dominicano, depositado sob o altar-mor da igreja de São Domenico na Cidade de Castelo (Citta-di-Castello) - Itália. Seus braços estão flexíveis, não houve perda dos cílios e as unhas continuavam firmes nas mãos e nos pés. O corpo apresentava uma coloração escura, a pele estava seca mas, no geral, o estado de preservação pode ser considerado extraordinário considerando seis séculos de sepultamento".

Estas histórias medievais poderiam ser consideradas mistificações ou exageros religiosos de época porém, nos séculos subseqüentes, o fenômeno repetiu-se muitas vezes, foi suficientemente documentado e continua sendo cosiderado por muitos como manifestação de milagre divino.

Santa Bernardete

stbernardete06.jpg
stbernardete06.jpg [ 11.21 KiB | Exibido 86411 vezes ]


Dois casos historicamente mais recentes de preservação incomum de cadáveres de santos são os casos de Santa Bernadette e São Charbel Makhlouf. Santa Bernardette foi uma pastora que teve uma visão da Virgem Maria na cidade de Lourdes - Portugal. Morreu no convento de Santo Gildard, em Nevers - França, em 1879 sendo enterrada na cripta da capela. Em 1909, uma comissão encarreagada de investigar a santidade da religiosa, procedeu à exumação de seu corpo tendo como testemunhas um bispo e dois médicos. Os trabalhos no túmulo foram feitos por dois pedreiros e dois carpinteiros. Eles encontraram o corpo da Santa em perfeito estado. Uma freira, que assistira ao enterro, 30 anos atrás, notou uma única diferença: o hábito de Bernadette estava úmido.

Sepultada, foi novamente exumada em 1919 sob as vistas de testemunhas leigas e religiosas. Os médicos que examinaram o corpo escreveram: "Quando o caixão foi aberto o corpo parecia estar absolutamente intacto e sem nenhum odor post mortem. Não havia cheiro de putrefação e nenhum dos presentes experimentou qualquer desconforto". Uma terceira exumação foi feita em 1923 e o cadáver encontrava-se nas mesmas condições. Desta vez, o corpo foi aberto (necropiciado) e os orgãos internos estavam flexíveis. Um médico escreveu: "O fígado estava leve e sua consistencia era praticamente normal".

stbernardete04.jpg
stbernardete04.jpg [ 17.96 KiB | Exibido 86407 vezes ]


stbernardete05.jpg
stbernardete05.jpg [ 12.17 KiB | Exibido 86406 vezes ]


São Charbel Makhlouf, que morreu em 1898, foi um monge maronita do Líbano. Sua vida, desprovida de grandes feitos foi marcada, todavia, por uma devoção completa e intensa. Depois de sua morte, durante 45 noites, estranhas luzes pairavam sobre sua sepultura. Ocorre que 45 dias era o tempo tradicionalmente considerado como período suficiente para a decomposição de um corpo. Com as aparições das luzes, as autoridades monásticas decidiram proceder à exumação. O corpo foi encontrado em perfeito frescor, embora o local tivesse sido castigado or chuvas recentes que praticamente reduziram o cemitério a um lamaçal de tal modo que o cadáver estava, de fato, imerso em uma camada de água terrosa.

Charbel teve suas roupas trocadas e foi transferido para um outro caixão de madeira mas, antes do sepultamento, um estranho sangue oleoso começou a exudar do corpo. O fluido era tão abundante que as roupas tiveram de ser trocadas duas vezes em duas semanas. Em 1927 - 29 anos depois de sua morte - ele continuava incorrupto e, submetido a um eame, mostrava-se flexível. Mesmo assim, foi sepultado em uma antiga igreja, em Abbey. Em 1950, peregrinos em visita ao santuário notaram um líquido vazando da tumba e o caixão foi aberto mais uma vez. O corpo continuava conservado porém exudando o estranho óleo. Muitas curas miraculosas foram atribuídas a essa substância desconhecida.

Charbel permaneceu intacto por 67 anos; finalmente, em 1965, começou a apresentar os primeiros sinais de decadência. Outros exemplos notáveis de santos católicos cujos corpos não se corromperam são: Madre Inês de Jesus, morta em 1634; São Vicente de Paula, morto em 1660; a beata Maria Ana de Jesus; o mártir jesuíta Adré Bobola, o "apóstolo de Pinsk". Santa Brígida, da Suécia, falecida em 1373, ao ser exumada, revelou o coração preservado enquanto todo o resto do corpo fora reduzido a pó.


São Vicente de Paula

stvicent.jpg
stvicent.jpg [ 15.17 KiB | Exibido 86403 vezes ]



São João Vianney - na Basílica de Ars, França


stjohnvianney.jpg



Santo Ambrósio


stambrosio.jpg




Santa Rita de Cássia (1381-1457) - Basílica de Cássia - Itália


stritacassia.jpg



São Miguel de Carigoits


stmiguel.jpg



Santos Pagãos

O fenômeno da incorruptibilidade dos cadáveres não é exclusivo do "mundo católico-cristão"; entre hindus, chineses e tibetanos, por exemplo, as ocorrências também são numerosas. Em 1952, o famoso iogue Paramahansa Yaogananda, que morreu na Califórnia, foi desenterrado; seu corpo não sofrera decomposição e exalava uma agradável fragrância. Existem casos semelhantes entre protestantes, judeus, muçulmanos e budistas.


Khambo Lama Dasha-Dorjo Itigelov

lamabody01.jpg
lamabody01.jpg [ 13.03 KiB | Exibido 86401 vezes ]



Corpo preservado do Sexto Patriarca do Monastério de Nan Hua, Sul da China - Hui Neng

huineng00.jpg
huineng00.jpg [ 9.58 KiB | Exibido 86401 vezes ]


Em 25 de março de 2005, o Pravda English Online publicava: "Os Corpos incorruptos de Santos e Pecadores". A notícia fala do estado de conservação do corpo do Khambo Lama, mestre dos Budistas Siberianos do Leste, Dasha-Dorjo Itigelov que, nascido em 1852 e morto em 1927, ainda conserva os tecidos preservados como um homem vivente, conforme constatou a perícia feita por equipe de médicos especialistas.

Dasha Dorjo faleceu em uma localidade próxima à cidade russa de Ulan-Ude, lugar conhecido como "Ivolginsk Datsan", um centro espiritual de budistas russos (como os Ashram hindus), construído em 1947. Ao morrer, deixou instruções: seu sarcófago deveria ser aberto algum tempo depois do óbito para que se verificassem as condições físicas de seus retos mortais. O lama morreu sentado em posição de lotus, a mais característica postura iogue.

Desde estão, o mestre foi desenterrado três vezes: em 1955, 1973 e 2002. Depois da última exumação, os monges do Ivolginsk Datsan decidiram não mais sepultar o corpo; colocaram-no em sarcófago especial feito de vidro devidamente acomodada em uma sala escpecialmente preparada para tal função, de modo que os fiéis visitantes do retiro possam ver Dasha-Dorjo. São proibidas fotos e filmagens; os monges alegam que isso contraria suas tradições entretanto, em 11 de setembro de 2002 o sarcófago foi aberto na presença de membros da tradicional Sangha Budista da Rússia e de médicos especialistas.

Na ocasião, o doutor em Ciências Médicas do Instituto Russo de Perícia Médica Forense, Viktor Zvyagin, comprovou a identidade do corpo juntamente com outras testemunhas oculares, que estiveram presentes nas exumações. Pesquisadores, curiosos com o fenômeno, solicitaram aos monges permossão para recolher amostras de cabelos e unhas do mestre para análise. Zvyagin diz, que sob muitos aspectos, o corpo do lama apresenta conservação muito próxima ao estado de um homem vivo: a pele está flexível, as articulações podem ser movidas. Exames com infravermelho confirmaram o estado de conservação dos tecidos.

O fenômeno da imperecibilidade de alguns organismos mortos é bem conhecido. Existem numerosos fatores que podem preservar um cadáver por milhares de anos. A mumificação natural ou artificial é uma das formas mais comuns. Arqueólogos descobriram múmias bem conservadas em diferentes lugares do planeta. A preservação desses corpos é o resultado de circunstâncias singulares a cada sepultamento. Em geral, os corpos que são poupados de fatores como umidade e oxigênio se mantém intactos por mais tempo. Um processo já desvendado é a Adipocere (veja link sobre o assunto neste site), que pode ser induzida ou natural.

No caso do Lama Dasha Dorjo, nenhum método foi usado e as condições do sepultamento não eram ideais. Os budistas dizem que somente os mais avançados iogues podem atingir tal condição em virtude de suas escolhas, feitas antes da morte. Além de Dasha Dorjo, informam os monges que existem apenas outros três cadáveres conservados de santos budistas: um na China, outro na Índia e o terceiro, no Vietnam. Outros existiram em um monastério tibetano que foi completamente destruído em 1959. Apesar dos casos mais ruidosos serem relacionados a figuras de "homens-santos", Viktor Zvyagin lembra que a incorruptibilidade dos mortos não é exclusiva de religiosos. Há 15 anos atrás (1995), durante uma escavação arqueológica, o corpo de uma menina foi encontrado em perfeito estado de conservação.

Fonte: http://www.sobrenatural.org/materia/det ... nservacao/


 

 
LINKS RELACIONADOS

Adipocere

Corpo é encontrado perfeito 65 anos após sua morte


 

 
Alguém tem alguma explicação para esse mistério?


 

 
CORPOS INCORRUPTOS



 

 
O que vocês acham dessa matéria?


 

 
Bem Interessante


 

 
Vc é doido por coisa sobrenatural parece
AUHushAUS


 

 
Leandro escreveu:
Vc é doido por coisa sobrenatural parece
AUHushAUS


Estou querendo entender os mistérios do nosso universo


 

 
Anderson escreveu:
Leandro escreveu:
Vc é doido por coisa sobrenatural parece
AUHushAUS


Estou querendo entender os mistérios do nosso universo

uHAUSHSuhsUSHaus


 

 
Sobre esses mistérios dos milagres da conservação, o que você acha?


 
 

Ir para página 1, 2, 3, 4  Próximo


Home Forum Agora Ativos Top Dia Top Semana Top Mês Top 0 Posts

 
Provocações com o professor universitário Hélio Santos  
Faustão fazendo stand-up com Silvio Santos  
Silvio Santos mostra o nível da Educação Brasileira.  
Até logo, Neymar! Reveja os momentos marcantes do craque no Santos  
Carrie A Estranha | Pegadinha INÉDITA | Programa Silvio Santos  
Silvio Santos falando sério com Roberto Marinho da Globo - 1988 - HD  
 

Sites

GuruBR Acemprol Mega Topico ForumCPU NerdBB TopicoBR Novo Topico
Qi300 Forum Madruga Game Madruga GuruQA