•  
     

Saiba como se proteger de golpes em games on-line

Criminosos usam pragas para roubar 'ouro' de usuários.
Deixe sua pergunta sobre segurança na seção de comentários.


Popularidade de jogos on-line como 'Grand chase' leva golpistas a roubarem jogadores..jpg
Popularidade de jogos on-line como 'Grand chase' leva golpistas a roubarem jogadores.


Jogos on-line são muito populares entre os internautas. "World of warcraft", um representante dos jogos multiplayer on-line massivos (“MMOs”), tem mais de 11 milhões de usuários em todo o mundo. No Brasil, Ragnarök e Grand Chase estão entre os mais populares, com mais de 150 mil jogadores ativos por mês.

E, é claro, criminosos resolveram tirar proveito da popularidade desses games para infernizar a vida dos usuários. A coluna Segurança para o PC de hoje fala dos ataques que envolvem jogos on-line e dá dicas para se proteger.

Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados, etc), vá até o fim da reportagem e utilize a seção de comentários. A coluna responde perguntas deixadas por leitores todas as quartas-feiras.

A indústria do ouro virtual

Sites vendem mercadorias virtuais dos jogos por dinheiro real.jpg
Sites vendem mercadorias virtuais dos jogos por dinheiro real


Games on-line são um negócio não apenas para as suas produtoras. Existe um mercado parasita (e não oficial) que vende itens e “ouro virtual”, ou seja, a moeda usada para adquirir acessórios que facilitam a vida do jogador.

Algumas empresas são criadas com o objetivo de contratar pessoas para “jogar” diversos games em busca de itens raros e ouro. Essa mercadora é depois vendida – por dinheiro real – a qualquer interessado. A prática, conhecida como "gold farming", é normalmente repudiada pela empresa desenvolvedora do game. Coibir essa prática, porém, é tarefa difícil.

De certo modo, a atividade não prejudica ninguém: as “empresas” oferecem um produto, embora virtual, para o qual há demanda. Afinal, obter esses itens e ouro no game pode ser complicado e levar tempo. Comprá-los é uma maneira de tornar o game mais divertido rapidamente. Gamers mais assíduos podem ficar irritados ao verem que outros “evoluíram” dessa forma, sem precisar superar os mesmos desafios, no entanto.

Level Up!, produtora do RPG 'Ragnarök', alerta para que jogador não compartilhe sua conta com terceiros e proteja sua senha..jpg
Level Up!, produtora do RPG 'Ragnarök', alerta para que jogador não compartilhe sua conta com terceiros e proteja sua senha.


Mas o problema maior ainda é outro: o roubo de itens e ouro virtual. Existem muitos códigos maliciosos criados especificamente para roubar contas de jogos. As contas roubadas, quando não usadas para extorquir a vítima, são “zeradas”: todos os itens e ouro do gamer são transferidos para o ladrão, que irá vender tudo por dinheiro de verdade. Normalmente o gamer roubado faz login na sua conta e vê seu personagem “pelado”.

As dicas de segurança são as mesmas dadas pela coluna contra qualquer tipo de pragas digitais: tomar cuidado com os softwares que você executa, ter um antivírus, manter o sistema operacional e navegador web atualizados (para não ser vítima de ataques automatizados), etc.

Ladrões de senhas de games são vírus. Os principais softwares de segurança detectam algumas ameaças, como o PWS-Mmorpg.gen (McAfee), OnlineGames (Avira) e Infostealer.Gampass (Symantec). Em alguns casos, no entanto, os alertas dos antivírus são ignorados pelas razões explicadas mais abaixo: o programa malicioso é disfarçado de algo muito útil que o gamer quer, o que o convence a executar o software e ser infectado.

Cracks, cheats e trainers: arquivos falsos ou infectado

Há quem diga que os jogos trazem vírus ao PC simplesmente por eles serem jogos. Não é verdade. Eles são como outros programas: eventualmente uma _______ de segurança é descoberta, mas na maioria do tempo seu uso é seguro. O problema, no entanto, é o comportamento de alguns gamers perante arquivos relacionados ao seu divertimento.

'World of warcraft' permite a instalação de complementos desenvolvidos por terceiros para alterar os menus HUD de informação dentro do jogo..jpg
'World of warcraft' permite a instalação de complementos desenvolvidos por terceiros para alterar os menus ("HUD") de informação dentro do jogo.


É o caso, por exemplo, dos cracks – programas feitos para burlar as proteções anticópia dos jogos. Embora a “cena” de pirataria seja séria – dentro do possível, nesse caso –, sites maliciosos tiram proveito da obscuridade e ilegalidade desse conteúdo, colocando cavalos-de-troia junto aos cracks. Nesse caso são legítimos “presentes de grego”, afinal, o internauta pensa estar baixando algo que só vai beneficiá-lo, mas na verdade o torna vulnerável.

O mesmo acontece com cheats – "trapaças" que podem envolver aplicativos – e outros plug-ins e modificações que o jogo possa ter.

Em muitos casos, o vírus é acoplado a um programa legítimo. Em outros, o programa prometido pelo criminoso nem sequer existe, sendo a própria promessa uma isca para que as vítimas baixem o software. Afinal, um programa que não existe não poderá ser encontrado em lugar nenhum senão no site malicioso.

Para se proteger, fique longe de cracks, cheats e outros plug-ins não-oficiais. Certifique-se de que a modificação de que você gostaria de ter existe. Procure relatos de pessoas que já a utilizaram e evite jogar em servidores piratas.

Falhas em jogos on-line

A revista científica IEEE Security & Privacy publicou em sua edição de maio e junho quatro artigos sobre games on-line. Com os games ficando cada vez mais relevantes, é bem provável que novas pesquisas vão aparecer. Infelizmente, dos quatro artigos na revista do IEEE, apenas um está disponível gratuitamente.

Uma falha de segurança é algo que permite um ataque normalmente impossível. Poderia um internauta ser infectado simplesmente ao abrir o jogo? Ao conectar num servidor? Ao receber uma mensagem no chat do servidor? A resposta para essas perguntas é normalmente a mesma: “não”. Na verdade, não deveria ser possível infectar o jogador de nenhuma forma durante a operação do jogo. Porém, caso exista uma vulnerabilidade no game, nada é garantido, e tudo pode ser possível.

Existe também o lado do servidor. Ele precisa garantir que todos os jogadores estão devidamente autenticados na rede e que não estão tentando usar nenhum tipo de trapaça. Isso pode ser difícil, e é talvez o maior desafio dos games on-line. Alguns trapaceadores insistentes chegam a recorrer às técnicas usadas por criminosos para esconder vírus no sistema para esconder o programa de trapaça.

No caso de jogos que permitem que você abra um servidor próprio, brechas que atingem o componente de servidor podem ser bem graves e é preciso atenção à existência de correções.

Para se proteger: Mantenha seu jogo atualizado. Muitos gamers já fazem isso não por segurança, mas porque os jogos on-line exigem e sempre há novos recursos ou correções de problemas significativos. É uma situação diferente do que acontece no Windows e outros programas, em que muitos não percebem os benefícios de atualizar o software. Ainda assim, vale reforçar a importância da atualização.

Essas foram as dicas da coluna Segurança para o PC de hoje, que volta na quarta-feira (1º) com o pacotão de respostas de dúvidas de leitores. Não esqueça de escrever sua dúvida ou sugestão de pauta no espaço de comentários, logo abaixo. Até a próxima!

* Altieres Rohr é especialista em segurança de computadores e, nesta coluna, vai responder dúvidas, explicar conceitos e dar dicas e esclarecimentos sobre antivírus, firewalls, crimes virtuais, proteção de dados e outros. Ele criou e edita o Linha Defensiva, site e fórum de segurança que oferece um serviço gratuito de remoção de pragas digitais, entre outras atividades. Na coluna “Segurança para o PC”, o especialista também vai tirar dúvidas deixadas pelos leitores na seção de comentários.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia ... NLINE.html