•  
     

Ruim com Speedy, pior sem ele



A segunda-feira foi de festa para órgãos como Procon e ProTeste, que há tempos denunciavam os tropeços do Speedy.

Os usuários do serviço sentiram-se um pouquinho vingados. Afinal, quem lhes deu tanta dor de cabeça nos últimos meses precisará levar a sério temas como qualidade de atendimento e velocidade de conexão.

Proibir novas vendas é uma pena duríssima contra o Speedy. Sinal de que a Anatel está no limite com a Telefônica. Evandro Zuliani, diretor do Procon-SP, comentou que pior do que isso, só se a concessão da companhia para explorar banda larga fosse cassada.

Tomara que isso não aconteça. Se é verdade que o Speedy não vai bem das pernas, também é fato que outras opções de banda larga não são lá muito animadoras. Com poucas opções à disposição no mercado, a queda de um player como a Telefônica não é exatamente uma boa notícia.

Vale lembrar que todo esse quiproquó acontece em São Paulo, estado mais populoso do país e onde o consumidor encontra algumas (poucas) opções de banda larga. Em outras regiões do Brasil, conseguir 1 Mbps para curtir o YouTube é ainda mais ingrato.

A Anatel recebeu muitos elogios por punir a Telefônica. Poderia ser ainda mais elogiada se determinasse normas para fomentar a concorrência, definisse com agilidade as regras para um leilão WiMAX e desse um impulso na banda larga por rede elétrica.

Com mais gente disputando nossos roteadores, os preços e as velocidades de conexão seriam bem diferentes. Com uma boa banda larga daria até para mudar o nome desse blog para Alta Definição.

Fonte: http://info.abril.uol.com.br/blog/baixa ... tml?175995
 
pqp, aqui em casa é pior do que isso tem que ver meu pai :shock: