•  
     

Reacções aos resultados das europeias

Faltam por esta hora contabilizar apenas 2% dos votos, mas são uns 2% decisivos, pois é neles que vai estar a resposta para quem vai ocupar o 22º assento português no parlamento europeu. Está esse deputado em disputa por dois partidos: PSD, o vencedor, e BE, o que mais subiu a seguir ao PSD.
A distribuição é a seguinte: PS - 8 deputados; PSD - 7 deputados; BE - 2 deputados; CDU - 2 deputados; CDS/PP - 2 deputados.
Os partidos já reagiram todos aos resultados:
O PS, por parte de Vitalino Canas e depois de José Sócrates admitiu a derrota mas frisou que as eleições europeias não têm propriamente a ver com a política nacional, procurando um pouco animar os seus apoiantes, tentando dar-lhes confiança de que o Sócrates será reeleito em Outubro.
Vital Moreira lamentou a enorme abstenção (onde nos Açores se registou a maior taxa), e disse que é uma pena que os eleitores tenham votado tanto nos partidos "anti-europeístas". Que eu saiba o MPT e o PNR não tiveram assim tantos votos. É que os partidos da "extrema-esquerda" como o PS e Vital Moreia particularmente lhe chama, não são anti-europeístas, defendem sim uma visão diferente da Europa. Embora o PCP não seja tão europeísta quanto os outros, o BE é europeísta confesso.
O PSD disse que a vitória era de Ferreira Leite (quando na verdade a vitória do PSD foi meramente a derrota de Sócrates) e disse que a direita estava a ganhar no resto dos países da UE, nestas eleições (nomeadamente Alemanha, França, Itália), o que é algo interesante de verificar.
Contudo, o PSD está tão "anárquico" que acabo por ter pena do vencedor, que teve de discursar com várias interrupções causadas por uma claque de jovens "sociais-democratas" que lançavam volta e meia canticos com a extrutura dos do SLB mas adaptados ao PSD.
O PCP (CDU) não admitiu mau resultado, e de facto não foi, mas procurou dar a ideia de que era o PCP que detinha o voto da maioria dos jovens, algo que não me parece que ainda seja assim, como era no passado.
O BE anunciou obviamente a sua enorme subida e pela parte de Louça, disse que o resultado do PSD não era muito diferente daquele com que ficou esse partido nas últimas legislativas.
Não posso no entanto deixar de me preocupar com aquilo que os analistas políticos dizem na TV, que com este resultado do PSD e do CDS/PP, o cenário de bloco central pode vir a não acontecer, e aliás, pode até a acontecer uma união do PSD com o CDS e aí, repetindo-se os resultado desta eleição, Manuela Ferreira Leite seria primeira-ministra.
Acho que isso nunca vai acontecer, e que a ideia de um eventual o bloco central não foi posta no caixote do lixo. Mas admito que a partir de agora ela passa a ser menos provável de vir a ser posta em prática.
Não nos esqueçamos, contudo, que mesmo não existindo nunca um governo de coligação PS/PSD, o bloco central já existe no parlamento. Afinal de contas, quem mais aprova as propostas do PS é o PSD, e quem mais aprova as propostas do PSD é o PS (e também o CDS/PP).

Update: O 22º deputado vai para o BE. Fico contente, porque á cerca de 1 mês vi um debate dos candidatos do BE ás europeias e gostei particularmente de o ouvir.