•  
     

Quanto mais você experimenta e diversifica, mais conhece sob

...divertir-se com suas taças de vinhos? Veja como é provar um vinho branco na taça dedicada ao tinto. Ou o vinho tinto na taça do branco. Ou o branco e tinto na tulipa de espumante. Se amamos os vinhos, somos levadas por suas cores, aromas e sabor. Nem sempre, porém, consideramos as taças um instrumento importante para transmitir o que os vinhos têm para nos contar sobre suas cores, aromas e sabores. Sabe-se que o formato delas influencia em muito seus aromas e sabores. Afirma-se que um mesmo vinho oferecido em taças diferentes vai apresentar-se com características diversas. Teste os seus sentidos e veja se faz realmente diferença ter uma taça apropriada para cada estilo de vinho.

Aproveito para falar sobre a ordem de taças de vinho e de água num jantar formal, motivo de várias perguntas.

Vamos começar com as taças ou copos de água: devem ficar à sua direita, logo acima da faca (o prato como centro, os garfos estão à esquerda e as facas à direita). As taças de vinho devem ser colocadas na ordem em que serão utilizadas, da esquerda para a direita. Então teremos: copo d'água, taça de vinho branco, taça de vinho tinto.

Mas muita gente faz justamente o contrário: começam pela extrema direita, com o copo d'água e, na direção da faca, as taças de vinho branco e do tinto. Só precisamos prestar atenção para que os copos dos vizinhos de mesa não se confundam.

... experimentar uma varietal desconhecida? Que tal conhecer vinhos feitos com uvas completamente desconhecidas para você, que a essa altura deve estar farta da Cabernet Sauvignon, da Merlot, da Chardonnay etc? Por exemplo, prove o Casa Perini Ancellotta, uma uva tinta muito utilizada na região da Emilia-Romagna, Itália. Aparece como segunda uva do Lambrusco, um vinho popular na mesma região (feito tento a uva Lambrusco como a principal). Em boa hora a Perini trouxe e aclimatou a uva no sul e produziu um ótimo vinho. Pode também conhecer a Tempranillo feita pela Miolo (Fortaleza do Seival Tempranillo). A grande uva tinta espanhola sendo experimentada, como sucesso por uma respeitada vinícola nacional.

Quem sabe, um Alicante Bouschet, tal como produzido pela Pizzato Vinhas & Vinhos? É uma casta originária da França, embora mais cultivada em Portugal. Resulta de uma cruza da Grenache com a Petit Bouschet. Saiba mais sobre o Pizzato-Alicante Bouschet Reserva 2004 no site da vinícola.

A Pizzato também oferece outro vinho feito com uma casta "exótica", a Egiodola, originária do Languedoc e do sudeste francês e muito utilizada em blends. Aqui, conseguiu-se um tinto bem estruturado, de cor escura e com muita fruta. Egiodola em basco significa "sangue puro".

E a Humagne blanche, a Petite Arvine, a Heidar? Nunca ouviu falar? Pois dê uma olhada no "Da Agenda", ao final desta coluna, e aproveite.

... "desarmonizar" o seu jantar? Ou seja, em vez de harmonizar vinho branco com peixe, experimenta fazê-lo com um vinho tinto. Veja o que acontece e tome nota. Não fique presa a regras, a maioria delas ultrapassada em se tratando de harmonizar vinhos e comida.

... tentar um vinho que você não gosta? Digamos que no passado você tenha experimentado um vinho alemão e não gostou. O mesmo com outro da África do Sul. Além disso, acha que a Hungria não está com nada. Que tal tomar coragem e experimentá-los. Veja algumas ofertas de vinhos alemães, sul-africanos e húngaros. Quanto mais você experimenta, varia e diversifica, mais você fica sabendo sobre os vinhos e mais prazeres poderá tirar deles.

.. escolher o vinho mais barato do restaurante? Será que você é daquelas que escolhe pelo preço? Os restaurantes sabem que a maioria dos fregueses não vai pedir o vinho mais barato para não parecer muito miserável ou ignorante. Daí que o segundo vinho mais caro costuma ser lastimável. Tente o mais barato: muitas vezes será surpreendida pela bela escolha que fez.

Há pouco tempo, cientistas da Califórnia fizeram um estudo onde se comprovou a relação entre os vinhos e seus preços. Os pesquisadores selecionaram um grupo de 20 pessoas para experimentar cinco diferentes vinhos (Cabernet Sauvignon).

Colocaram as pessoas em máquinas de ressonância magnética e fizeram com que cada uma experimentasse os vinhos enquanto ainda na máquina. Para cada pesquisado foi informado o preço dos vinhos que estavam experimentando. Solicitavam a cada um deles que se concentrassem apenas no sabor e se pronunciassem a respeito.

Porém, os pesquisadores fizeram um truque: na verdade, apenas três vinhos estavam sendo oferecidos, com dois deles aparecendo com preços diferentes. Havia o vinho de 5 dólares (o vinho 1, com o seu preço verdadeiro); o vinho de 10 dólares (o vinho 2, cujo preço real era de 90 dólares); o vinho de 35 dólares (vinho 3); o vinho de 45 dólares (vinho 1, com seu preço falsificado) e o vinho de 90 dólares (vinho 2, com seu preço verdadeiro).

Não houve surpresa que os participantes preferiram os vinhos 1 e 2, assim que eram informado dos seus preços reais, como comprovou o equipamento de ressonância magnética, com uma agitação extra nas partes do cérebro onde se registra a experiência do prazer.

O preço, portanto, pode alterar a natureza de sua percepção, leitora. Ao pedir a marca mais barata, você está colocando a lista do restaurante de cabeça para baixo e ensinando a você mesma que preço não é tudo, que você quer se relacionar com o vinho de maneira diferente.

O mesmo podemos afirmar sobre a influência da origem ("os vinhos importados são os melhores"), dos rótulos (é um Château, tem um "Dom" ou um "Reserva" no texto). Tente abstrair-se desses conceitos (que facilmente se tornam preconceitos): com os vinhos, o melhor aprendizado é experimentá-los todos.

Fonte: http://msn.bolsademulher.com/estilo/mat ... ao/82967/2