•  
     

Pressa: inimiga da formação

Desde o ingresso na formação superior, o estudante aguarda o momento de vivenciar na prática os conhecimentos adquiridos na universidade. A busca por essa experiência em geral começa cedo e é acompanhada de uma grande parcela de ansiedade, cada vez mais presente entre os jovens.

Ao começar a lidar com o mercado de trabalho, é comum aos jovens buscarem acelerar e atingir, o mais rápido possível, altos níveis de preparação e capacitação. Essa urgência tende a fazer com que o profissional em formação perca a noção da importância que cada etapa tem em sua aprendizagem.

Para controlar a ansiedade, é fundamental conhecer a importância de cada uma das etapas na formação pessoal e profissional. Dessa forma, fica mais fácil compreender que pular algumas delas pode prejudicar seu desenvolvimento. Muitas vezes, é necessário reduzir o ritmo para aprender mais e, principalmente, consolidar o aprendizado. Afinal, para que correr tanto?

A ansiedade típica do início da carreira tem lá seus motivos. Não é de hoje que cresce a pressão do mercado por profissionais cada vez mais preparados. Essa capacitação, por sua vez, já não representa um diferencial, mas uma condição de sobrevivência num mercado extremamente competitivo. Além disso, há diversos outros fatores que impulsionam o jovem a seguir um ritmo mais acelerado no processo de formação. Para os que vivenciam a primeira experiência profissional, a busca por responder a curiosidade é determinante. Para outros, sobretudo aqueles mais ambiciosos, a remuneração pode falar mais alto. Isso sem contar com a necessidade de adquirir responsabilidades e obter reconhecimento, em geral, mais intensa nessa etapa da vida.

O perigo é que esse caminho, aparentemente mais curto, pode representar perdas significativas no futuro. A pressa, muitas vezes, impede que o profissional reflita mais sobre o objetivo do trabalho realizado. Resultado: o ansioso tende a executar suas atividades no famoso “piloto-automático” e, com isso, não desenvolver a visão crítica, indispensável à maturidade profissional.

Portanto, antes de iniciar qualquer atividade profissional, lembre-se sempre da importância da reflexão e da visão crítica. Procure analisar o nível de contribuição que aquela atividade trará à sua carreira e, por mais tentador que seja focar a remuneração, priorize as oportunidades de aprendizagem e crescimento. Afinal, quem nunca ouviu falar que a pressa é inimiga da perfeição?

Fonte: http://pe360graus.globo.com/educacao/_b ... ,1069.aspx