•  
     

Por que os judeus não acreditam em Jesus?

Avatar do Utilizador
Anderson
Guru Acemprol
Guru Acemprol
Mensagens: 5663
Registado: 11 jun 2008 01:42
Por Rabino Shraga Simmons*


Por séculos os judeus foram perseguidos por sua fé e prática religiosa. Muitos tentaram impor suas idéias e aniquilar o judaísmo. Nem as cruzadas, nem a inquisição implacável, nem os pogroms conseguiram manipular nossas almas cumprindo seu intento.

O judaísmo mantém sua chama sempre viva.

A história comprova: os judeus continuam rejeitando o Cristianismo. Por quê?

Porque somos simplesmente judeus, nascemos e vivemos o judaísmo e temos nossas próprias convicções.

Mas quando judeus são seguidamente questionados sobre esta questão e não-judeus frequentemente perguntam: “Por que os judeus não acreditam em Jesus?” Preparamos alguns argumentos com o objetivo, não de depreciar outras religiões, pois respeitamos a todos e por esta razão não fazemos proselitismo, mas sim apenas para esclarecer a posição judaica.



1. Jesus não preencheu as profecias messiânicas

O que o Messias deveria atingir? A Torá diz que ele:

a - Construirá o terceiro Templo Sagrado (Yechezkel 37:26-28)

b - Levará todos os judeus de volta à Terra de Israel (Yeshayáhu 43:5-6).

c - Introduzirá uma era de paz mundial, e terminará com o ódio, opressão, sofrimento e doenças. Como está escrito: “Nação não erguerá a espada contra nação, nem o homem aprenderá a guerra.” (Yeshayáhu 2:4).

d - Divulgará o conhecimento universal sobre o D’us de Israel - unificando toda a raça humana como uma só. Como está escrito: “D’us reinará sobre todo o mundo - naquele dia, D’us será Um e seu nome será Um” (Zecharyá 14:9).

O fato histórico é que Jesus não preencheu nenhuma destas profecias messiânicas.



2. O cristianismo contradiz a teologia judaíca

a - D’us em três?

A idéia cristã da trindade quebra D’us em três seres separados: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Mateus 28:19).

Compare isto com o Shemá, a base da crença judaica: “Ouve, ó Israel, o Eterno nosso D’us, o Senhor é UM” (Devarim 6:4). Os judeus declaram a unicidade de D’us todos os dias, escrevendo-a sobre os batentes das portas (Mezuzá), e atando-a à mão e cabeça (Tefilin). Esta declaração da unicidade de D’us são as primeiras palavras que uma criança judia aprende a falar, e as últimas palavras pronunciadas antes de morrer.

Na Lei Judaica, adorar um deus em três partes é considerado idolatria - um dos três pecados cardeais, que o judeu prefere desistir da vida a transgredir. Isto explica porque durante as Inquisições e através da História, os judeus desistiram da vida para não se converterem.


b - Um homem como deus?

Os cristãos acreditam que D’us veio à terra em forma humana, como disse Jesus: “Eu e o Pai somos um” (João 10:30).

Maimônides devota a maior parte do “Guia para os perplexos” a idéia fundamental que D’us é incorpóreo, significando que Ele não assume forma física. D’us é eterno, acima do tempo. É infinito, além do espaço. Não pode nascer, e não pode morrer. Dizer que D’us assume forma humana torna D’us pequeno, diminuindo tanto Sua Unidade como Sua Divindade. Como diz a Torá: “D’us não é um mortal” (Bamidbar 23:19).

O Judaísmo diz que Messias nascerá de pais humanos, com atributos físicos normais, como qualquer outra pessoa. Não será um semi-deus, e não possuirá qualidades sobrenaturais. De fato, em cada geração vive um induvíduo com a capacidade de tornar-se o Messias. (veja Maimônides - Leis dos Reis 11:3).


c - Um intermediário para a oração?

É uma idéia básica na crença cristã que a prece deve ser dirigida através de um intermediário - i.e., confessando-se os pecados a um padre. O próprio Jesus é um intermediário, pois disse: “Nenhum homem chega ao Pai a não ser através de mim.”

No Judaísmo, a prece é assunto totalmente particular, entre cada pessoa e D’us. A Torá diz: “D’us está perto de todos que clamam por Ele” (Tehilim 145:18). Além disso, os Dez Mandamentos declaram: “Não terá outros deuses DIANTE DE MIM,” significando que é proibido colocar um mediador entre D’us e o homem. (veja Maimônides - Leis da Idolatria cap. 1).


d - Envolvimento no mundo físico

O Cristianismo freqüentemente trata o mundo físico como um mal a ser evitado. Maria, a mais sagrada mulher cristã, é retratada como uma virgem. Padres e freiras são celibatários. E os mosteiros estão em locais remotos e segregados.

Em contraste, o Judaísmo acredita que D’us criou o mundo físico não para nos frustrar, mas para nosso prazer. A espiritualidade judaica vem através do envolvimento no mundo físico de maneira tal que ascenda e eleve. O sexo no contexto apropriado é um dos atos mais sagrados que podemos realizar.

O Talmud diz que se uma pessoa tem a oportunidade de saborear uma nova fruta e recusa-se a fazê-lo, terá de prestar contas por isso no Mundo Vindouro. As escolas rabínicas ensinam como viver entre o alvoroço da atividade comercial. Os judeus não se afastam da vida, elevam-na.



3. Jesus não personifica as qualificações pessoais do Messias.

a - Messias como profeta

Jesus não foi um profeta. A profecia apenas pode existir em Israel quando a terra for habitada por uma maioridade de judeus. Durante o tempo de Ezra (cerca de 300 AEC), a maioria dos judeus recusou-se a mudar da Babilônia para Israel, e assim a profecia terminou com a morte dos três últimos profetas - Chagai, Zecharyá e Malachi.

Jesus apareceu em cena aproximadamente 350 anos após a profecia ter terminado.


b - Descendente de David

O Messias deve ser descendente do Rei David pelo lado paterno (veja Bereshit 49:10 e Yeshayáhu 11:1). Segundo a reivindicação cristã que Jesus era filho de uma virgem, não tinha pai - e dessa maneira não poderia ter cumprido o requerimento messiânico de ser descendente do Rei David pelo lado paterno!


c - Observância da Torá

O Messias levará o povo judeu à completa observância da Torá. A Torá declara que todas as mitsvot permanecem para sempre, e quem quer que altere a Torá é imediatamente identificado como um falso profeta. (Devarim 13:1-4).

No decorrer de todo o Novo Testamento, Jesus contradiz a Torá e declara que seus mandamentos não se aplicam mais. (veja João 1:45 e 9:16, Atos 3:22 e 7:37).



4. Versículos bíblicos “referindo-se” a Jesus são tradições incorretas

Os versículos bíblicos apenas podem ser entendidos estudando-se o texto original em hebraico - que revela muitas discrepâncias na tradução cristã.


a - Nascimento virgem

A idéia cristã de um nascimento virgem é extraído de um versículo em Yeshayáhu descrevendo uma “alma” que dá à luz. A palavra “alma” sempre significou uma mulher jovem, mas os teólogos cristãos séculos mais tarde traduziram-na como “virgem”. Isto relaciona o nascimento de Jesus com a idéia pagã do primeiro século, de mortais sendo impregnados por deuses.


b - Crucifixão

O versículo em Tehilim 22:17 afirma: “Como um leão, eles estão em minhas mãos e pés.” A palavra hebraica ka’ari (como um leão) é gramaticalmente semelhante à palavra “ferir muito”. Dessa maneira o Cristianismo lê o versículo como uma referência à crucifixão: “Eles furaram minhas mãos e pés.”


c - Servo sofredor

Os cristãos afirmam que Yeshayáhu (Isaías) 53 refere-se a Jesus. Na verdade, Yeshayáhu 53 segue diretamente o tema do capítulo 52, descrevendo o exílio e a redenção do povo judeu. As profecias são escritas na forma singular porque os judeus (Israel) são considerados como sendo uma unidade. A Torá está repleta de exemplos de referências à nação judaica com um pronome singular.

Ironicamente, as profecias de perseguição de Yeshayáhu referem-se em parte ao século 11, quando os judeus foram torturados e mortos pelas Cruzadas, que agiram em nome de Jesus.

De onde provêm estas traduções erradas? S. Gregório, Bispo de Nanianzus no século IV, escreveu: “Um certo jargão é necessário para se impor ao povo. Quantos menos compreenderem, mais admirarão.”



5. A crença judaica é baseada na revelação nacional

Das 15.000 religiões na História Humana, apenas o Judaísmo baseia sua crença na revelação nacional - i.e., D’us falando a toda a nação. Se D’us está para iniciar uma religião, faz sentido que Ele falará a todos, não apenas a uma pessoa.

O Judaísmo, é a única entre todas as grandes religiões do mundo que não confia em “reivindicações de milagres” como base para estabelecer uma religião. De fato, a Torá afirma que D’us às vezes concede o poder de “milagres” a charlatães, para testar a lealdade judaica à Torá (Devarim 13:4).

Maimônides declara (Fundações da Torá, cap. 8):

“Os Judeus não creram em Moshê (Moisés), nosso mestre, por causa dos milagres que realizou. Sempre que a crença de alguém baseia-se na contemplação de milagres, tem dúvidas remanescentes, porque é possível que os milagres tenham sido realizados através de mágica ou feitiçaria. Todos os milagres realizados por Moshê no deserto aconteceram porque eram necessários, e não como prova de sua profecia.

“Qual era então a base da crença judaica? A revelação no Monte Sinai, que vimos com nossos próprios olhos e ouvimos com nossos ouvidos, não dependendo do testemunho de outros… como está escrito: ‘Face a face, D’us falou com vocês…’ A Torá também declara: ‘D’us não fez esta aliança com nossos pais, mas conosco - que hoje estamos todos aqui, vivos.’ (Devarim 5:3).”

O Judaísmo não são os milagres. É o testemunho da experiência pessoal de todo homem, mulher e criança.




*Rabino Shraga Simmons passou sua infância em Buffalo, Nova York. Trabalhou nos campos do jornalismo e relações públicas, e recebeu sua ordenação rabínica do Rabino Chefe de Jerusalém. Ele é o editor do site Aish.com, e vive com sua esposa e filhos na região de Modi’in, em Israel . É especialista em judaísmo ortodoxo.




Fonte: http://frankherles.wordpress.com/2007/1 ... -em-jesus/
 
saulo-moises
Membro 3
Membro 3
Mensagens: 343
Registado: 01 dez 2008 16:43
os judeus não queria aceita JESUS CRISTO, porquer eles esperava um rei pra lutar comtra os romano tomaram suas terra e ficaram sujeito a eles com seus inpostos, deveria oberdeser á cesar.mas JESUS CRISTO.PREGAVA o amor com seu prosimo foi tam tal quer pilato não queria ficar com a culpa do sanguer de JESUS CRISTO. COLOR PARA O POVO escolher, pelo custume de pascoa sempre solta um malfeitor.
 
Avatar do Utilizador
Assinoê
Newbie
Newbie
Mensagens: 18
Registado: 09 dez 2008 08:37
Localização: Brasília-DF
Grande parte dos judeus não acreditam no Messias por estarem ainda esperando o enviado do PAI, porém, confiram esse texto abaixo mui interessante:



Rabino Revela Nome do Messias
(Israel Today, 30 de abril de 2007)
Tradução: Aderexi Schmidt

Logo antes de morrer, um dos mais proeminentes rabinos de Israel escreveu o nome do Messias em uma pequena nota que ele pediu permanecesse lacrada até agora. Quando a nota foi aberta, revelou o que muitos conheceram por séculos: Yehoshua, ou Yeshua (o Jesus), é o Messias.

Com o nome bíblico de Jesus, o Rabino e kabalista descreveu o Messias usando seis palavras e indicando que as letras iniciais formam o nome do Messias. A nota secreta diz:

Em relação à abreviação das letras do nome do Messias, Ele aliviará as pessoas e provará que sua palavra e lei são válidas.
Isto é o que registrei no mês da clemência,
Yitzhak Kaduri

A oração hebraica (traduzida acima em negrito) ocultando o nome do Messias lê-se assim: Yarim Ha'Am Veyokhiakh Shedvaro Vetorato Omdim.

As rubricas soletram o nome hebreu de Jesus, Yehoshua. Yehoshua e Yeshua são efetivamente o mesmo nome, derivam da mesma raiz hebraica da palavra “salvação”, como documentado em Zacarias 6:11 e Ezra 3:2. (...)

Com um dos mais proeminentes rabinos de Israel indicando que o nome do Messias é Yeshua, é compreensível por que seu último desejo foi que se esperasse um ano após sua morte antes de revelar o que escreveu.

Quando o nome de Yehoshua apareceu na mensagem de Kaduri, os judeus extremista-ortodoxos do Nahalat Yitzhak Yeshiva (seminário do rabino) em Jerusalém argumentaram que o mestre deles não deixou a solução exata para decodificar o nome do Messias.

A revelação recebeu pouca cobertura na mídia israelita. Só os websites hebraicos News First Class (Nfc) e Kaduri.net mencionaram a nota do Messias, insistindo em sua autenticidade. O diário hebraico Ma'ariv fez uma menção à nota, todavia descreveu-a como falsificação.

Leitores judeus responderam em foros de websites com diversificados sentimentos e impressões: “Então significa que o Rabino Kaduri era um cristão?” e “Os cristãos estão dançando e celebrando”... estavam entre os comentários.

O Israel Today falou com dois dos seguidores de Kaduri em Jerusalém que admitiram a nota é autêntica, porém confusa para seus seguidores. “Nós não temos nenhuma idéia de como o Rabino chegou a este nome do Messias”, um deles disse.

Outros ainda negam completamente qualquer possibilidade de que a nota é autêntica. O filho de Kaduri, Rabino David Kaduri, disse que na ocasião em que a nota foi escrita (setembro de 2005), a condição física de seu pai impossibilitava-o escrever.


O RETRATO DO MESSIAS DE ACORDO COM KADURI

Alguns meses antes de Kaduri morrer à idade de 108, ele pegou de surpresa seus seguidores quando lhes falou que conheceu o Messias. Kaduri deu uma mensagem na sua sinagoga no Yom Kippur, ensinando como reconhecer o Messias. Ele também mencionou que o Messias apareceria para Israel depois da morte de Ariel Sharon (o ex-primeiro-ministro ainda continua em coma depois de sofrer um violento derrame há mais de ano). Outros rabinos predizem o mesmo, inclusive Rabino Haim Cohen, o kabalista Nir Ben Artzi e a esposa do Rabino Haim Kneiveskzy.

O neto de Kaduri, Rabino Yosef Kaduri, disse que seu avô falou muitas vezes durante os últimos dias de sua vida sobre a vinda do Messias e redenção pelo Messias.

Seus retratos espirituais do Messias – remanescentes de relatos do Novo Testamento – foram publicados nos websites Kaduri.net e Nfc:

“É difícil para muitas pessoas boas na sociedade entender a pessoa do Messias. A liderança e ordem de um Messias de carne e sangue é difícil de aceitar para muitos na nação. Como líder, o Messias não seguirá nenhuma profissão, nenhum ofício, mas estará entre as pessoas e usará a mídia para se comunicar. O seu reinado será puro e sem ambição pessoal ou política. Durante seu domínio, reinarão somente retidão e verdade”.

“Irão todos acreditar imediatamente no Messias? Não, no princípio alguns de nós acreditaremos nele e alguns não. Será mais fácil para as pessoas não-religiosas seguirem o Messias do que para as pessoas Ortodoxas”.

“A revelação do Messias será cumprida em duas fases: primeiro, ele confirmará ativamente sua posição como Messias sem ele próprio saber que é o Messias. Então ele se revelará para alguns judeus, não necessariamente para os sábios estudiosos da Torah. Pode ser até mesmo as pessoas simples. Só então ele se revelará à nação inteira. As pessoas se questionarão e dirão: ‘O que, este é o Messias? ' Muitos souberam o seu nome, mas não acreditaram que ele é o Messias.”

ADEUS PARA UM ' TSADIK'

Rabino Yitzhak Kaduri era conhecido por sua memória fotográfica e a memorização da Bíblia, o Talmud, Rashi e outras escritas judaicas. Ele conheceu celebridades judias do último século e rabinos que moraram na Terra Santa e mantiveram a fé viva antes da criação do Estado de Israel.

Kaduri não só foi estimado altamente por causa da sua idade, 108 anos. Ele era um rabino carismático e sábio, e os rabbis chefes o olhavam como um Tsadik, um homem íntegro ou santo. Ele daria conselho e bênçãos a todos que lhe pediam. Milhares o visitavam para pedir conselhos ou curas. Seus seguidores falam de muitos milagres e seus alunos dizem que ele previu muitos desastres. Quando ele morreu, mais de 200.000 pessoas seguiram a procissão do funeral nas ruas de Jerusalém para prestar-lhe seu respeito por ele haver sido levado ao lugar de seu descanso final.

“Quando ele vier, o Messias salvará Jerusalém das religiões estrangeiras que querem reger a cidade”, Kaduri disse certa vez. “Eles não terão sucesso porque lutarão um contra o outro”.


OS SEGUIDORES DO RABINO REAGEM

Em uma entrevista com o Israel Today, o Rabino David Kaduri, filho de 80 anos do falecido Rabino Yitzhak Kaduri, negou que seu pai tenha deixado uma nota com o nome Yeshua logo antes de morrer.

“Não é a escrita dele”, disse quando lhe mostramos uma cópia da nota.

Durante um encontro noturno no Nahalat Yitzhak Yeshiva em Jerusalém, livros com a letra de Kaduri de 80 anos atrás foram apresentados a nós em uma tentativa de provar que a nota do Messias não era autêntica. Quando dissemos ao Rabino Kaduri que o website do seu pai (http://www.kaduri.net) havia mencionado a nota do Messias, ele ficou chocado. “Oh não! Isso é blasfêmia. As pessoas poderiam entender que meu pai apontou a ele [o Messias dos cristãos]”.

David Kaduri confirmou, todavia, que em seu último ano de vida, o pai dele havia falado e sonhado quase exclusivamente com o Messias e a vinda dele. “Meu pai conheceu o Messias em uma visão”, ele disse, “e nos falou que ele viria logo”.

Israel Today teve acesso a muitos dos manuscritos do rabino, escritos a seu próprio punho para uso exclusivo dos seus alunos. Os mais notáveis eram os que continham símbolos da cruz pintados por Kaduri por toda parte das páginas. Na tradição judaica, não se deve usar cruzes. Na realidade, até mesmo o uso de um sinal de mais (+) é desencorajado porque poderia ser confundido com uma cruz.

Mas lá estavam elas, rabiscadas à própria mão pelo rabino. Quando perguntamos o que os símbolos significavam, o Rabino David Kaduri disse que eram “sinais do anjo”. Pressionado posteriormente sobre o significado dos “sinais do anjo”, ele disse que não tinha nenhuma idéia do que eram. O Rabino David Kaduri explicou que só seu pai teve uma relação espiritual com Deus e conheceu o Messias em seus sonhos.

Os judeus ortodoxos do Nahalat Yitzhak Yeshiva contaram posteriormente ao Israel Today que a história sobre a nota secreta de Rabino Kaduri nunca deveria ter sido revelada, e que isto prejudicava o nome do venerável rabino.
 
Avatar do Utilizador
Assinoê
Newbie
Newbie
Mensagens: 18
Registado: 09 dez 2008 08:37
Localização: Brasília-DF
VOZES PROFÉTICAS SOBRE A VINDA DO MESSIAS


“Ao longo do Torá e de outros livros da Bíblia há profecias e promessas mencionando um tempo em que todas as promessas de DEUS ao povo judeu seriam cumpridas, segundo as quais haveria uma mudança drástica da vida futura na Terra para melhor. Mais que isto, essa vida mudaria o curso da natureza. “Eles baterão suas espadas em arados e suas lanças em ganchos de poda” (Is. 2:4); “E um lobo viverá com um cordeiro, e um leopardo se deitará com uma criança... uma vaca e um urso pastarão juntos... e uma criança brincará em cima do buraco de uma cobra” (Is. 11:6-8). Enquanto alguns interpretam estas profecias metaforicamente, outros as consideram no sentido literal da palavra. Segundo as profecias judaicas, aproxima-se a era de paz mundial e fraternidade, em que toda a raça humana conhecerá o verdadeiro CRIADOR e cooperará manifestando a glória da espiritualidade universal; essa é a “Era do Messias”.

A definição do que significa esta Era, e quando irá começar, tornou-se um assunto de muita discussão em círculos judeus e não judeus. Especulações messiânicas e profecias não são coisas do passado. Pelo contrário, quanto mais nos aproximamos do amanhecer da nova era, mais profecias antigas estão sendo cumpridas. O tempo se aproxima em que a humanidade conhecerá seu destino coletivo.

Desde os dias de Charles Darwin existem debates aquecidos sobre a existência ou não do que se chama de evolução. A evolução física não acontece a esmo, é guiada pela mão de DEUS Todo-Poderoso. Evolução física não é nada mais que a roupa mais externa de uma evolução psíquico-espiritual interna. A humanidade está assim seguindo seu caminho espiritual de evolução, teologicamente guiada pela mão do CRIADOR.

Toda a história humana foi orquestrada para ensinar a todos os seus muitos membros as verdades necessárias da espiritualidade e da realidade de Deus. Esta fase da história humana culminará na vinda de um homem e seu governo que terá o poder e o sucesso para ensinar as lições necessárias que permitirão à raça humana mover-se rumo à próxima fase de evolução espiritual. Desnecessário dizer, este que está por vir será oposto por aqueles que não podem compartilhar sua emancipada visão de humanidade. Nenhuma sociedade pode despertar para a liberdade de emancipação sem o despertar prévio de seus membros individuais. O período deste despertar foi há muito tempo profetizado e é chamado de “Despertar do Messias”.

O próprio Messias nasce um homem e não é um deus que vem de fora da humanidade. Ele nascerá e crescerá como qualquer outra criança humana. Ao longo da sua vida, ele será guiado por forças invisíveis que orientarão seu destino de acordo com as questões da humanidade coletiva. Este homem aprenderá ao longo da vida que sua essência é mais do que simplesmente ser uma pessoa ordinária e conduzir uma vida ordinária. Ele não só terá consciência de que é um ser e uma alma elevada, como também se tornará mestre de si mesmo. Pelo poder de seu ser interno e elevado conseguirá dominar as forças de seu ser físico, e assim dominará as forças da sua própria carne. O Messias será mestre da vida e da morte do espírito. Ele será lorde sobre toda a terra e toda a existência física, através da evolução de sua alma que é guiada pela mão de Deus.

Este homem não dominará estas coisas somente para si, ele terá autoridade para ensinar às pessoas, homens e mulheres, judeu e pagão, conduzindo-nos todos a este nível elevado de consciência. Assim é ele chamado o Messias, o redentor, o emancipador. Ele emancipa a raça humana de nossa prisão ao reino da ignorância. O Messias não só irá estabelecer um governo de sabedoria que dominará o planeta, como também ensinará toda a humanidade a experimentar a realidade de DEUS. Com ou sem a cooperação do povo do mundo, o Messias ensinará ao mundo de dentro para fora. Ele começará influenciando a humanidade coletiva no nível inconsciente, preparando assim cada indivíduo para se dar conta de coisas que ainda se manifestarão.

No tempo certo, o Messias se anunciará ao mundo. Ele será conhecido por aqueles que resistirão ao que ele acredita, mas será conhecido também por aqueles que esperaram a si e à sua mensagem por muito tempo. Por mais de dois mil anos profetas judeus predisseram os eventos que cercariam a vinda do prometido. A estes mesmos profetas foram dadas inspirações sobre o que o Messias ensinaria; aos profetas foi facultado vislumbrar os eventos da história humana que está agora disparada e descontrolada e o que ainda virá nos encontrar, preparando-nos assim para acompanhar, após as turbulências, um mundo novo, a Era de Paz mundial”.


Texto traduzido da obra em inglês: Everything you Wanted to Know about Kabbalah but Had no One to Ask (Tudo o que você queria saber sobre a Cabala, mas não tinha a quem perguntar)
Autoria: Rabbi Ariel Bar Tzadok
Copyright 1995 – 2003
 
Visitante
porque o rei deste século cegou o entendimento dos homens.
 
Visitante
Porque eles ACREeditam que só ha um Deus. existe uma religião cristâ chamada igreja Cristianista, mais conhecida como Cristandade Santa. Nós não acreditamos na trindade, acreditamos que deus e Yeshua(Jesus) são diferentes, e acreditamos na unidade do espírito santo(deus e o messias enviam seus espíritos, os quais se unem para formar o espírito santo. Jesus era possúido pelo espírito santo. Então ele é Deus? Não! seu pai enviou parte de seu espírito para o ajudar. Yeshua(Jesus) não veio para criticar a lei de Moisés, e sim para revelar seu sentido e a complementar, elae não queria acabar com a Torá,ele mesmo disse. Ele não mudou uma palavra da Torá, nem os cristãos. Por isso existe algo chamado antigo testamento seu ______! Yeshua(Jesus) não é um deus, é um semi-deus, por isso ele morreu, pois é mortal, mas deus lhe deu poder e glória. Para o cristianismo Deus não tem nome. Para nós ele se chama YAHVEH.
 
André Pasquali
Jesus fêz milagres por que ele é bondoso. E obrigado por me ofender!
 
Visitante
O salmo 22 prediz o sofrimento do Messias (Yeshua) Isaias 53 Diz Quem deu credito a´nossa pregação?eaquemse manifestou o braço do Senhor?verdadeiramnete ele tomou sobre si as nossas enfermidadesa,eas nossas dores levou sobresi: e nós o reputamos por aflito,ferido de Dseus e oprimido,Mas ele foi ferido pelas nossas iniquidades: o castrigo que nos traz a paz estava sobre ele,e pelass suas pisaduras fomos sarados, ele foi oprimido mas não abriu a sua boca como a ovelha muda perante os seus tosquiadores ,ele não abriu a sua boca Pelo que lhe darei,parte de muitoss,e com os poderosos repartirá ele o despojo:porquanto derramou a sua alma na morte,e foi contado com os trangressores;mas levou sobre si o pecado de muitos,e pelos trangressores intercede.

O PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VER, AS PROFECIAS QUE FALAM SOBRE O MESSIAS (YESHÁA)CERTAMENTE ELE VIRA ,E TODO OLHO VERÁ PORQUE NÃO PISARA MAIS NESTA TERRA IMUNDA,TODOS VERÃO ELE VINDO NAS NUVENS COM OS SEUS SANTOS ANJOS,E LEVARA TODOS AQUELES QUE ACREDITAM EM SUA SALVAÇÃO.AMÉM
 
Visitante
Não sou judeu, mas gostaria de seguir a Mitsvá Tefilin.
Eu posso? Acredito que estando escrito é direito de todos seguirem.
A fé não pode ser restrita a um grupo.
O que me diz?
 
Visitante
Judeus não acreditam em Jesus porque ele não é o messias. Veja os motivos: http://retorne.wordpress.com/2010/05/22 ... os-judeus/
.
Cada um é livre para acreditar no que quiser. Mas quem leva o Tanakh (Torah, Neviim, Ketuvim) a sério é obrigado a admitir que as profecias ainda não foram cumpridas. Aos que têm dúvidas, recomendo abrir os livros sagrados e ler. Ler jornal também ajuda, pois todos os dias temos notícias de guerra, morte, fome... coisas que não deveriam existir se o messias já tivesse vindo!!
.
Alguma dúvida?
.
Abraços,

  • Similar Topics
    Autor
    Respostas
    Visualizações
    Última Mensagem

Voltar para “Brasil”

  •  
     

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Crawler Bot, Yahoo [Bot] e 10 visitantes