•  
     

Os segredos do YouTube

Os segredos do YouTube

O JG conversou com os criadores do YouTube. Eles contaram como venderam o site, um dos maiores fenômenos da internet, para o Google por mais de um bilhão de dólares.

A idéia atrás de um dos sites mais populares do mundo era dar a milhões de pessoas a possibilidade de ver vídeos produzidos por outras milhões de pessoas. Idéia acolhida com entusiasmo, mas que nunca deu lucro. Mesmo assim, ela foi vendida por 1,6 bilhão de dólares, fazendo de seus dois jovens criadores milionários da noite para o dia.

Se você pensa que já viu de tudo nessa vida, veja o YouTube. E não só porque dez novas horas de vídeos são acrescentadas diariamente, desafiando a racionalidade humana. Se você procura algo ainda mais incrível, não pare nos vídeos, clique na história do próprio YouTube.

O site criado pelos risonhos Steve Chen e Chad Hurley é a prova de que nem toda a matemática seria capaz de explicar o mundo dos negócios do século XXI. Aliás, os fundadores do YouTube poderiam escrever um livro com o título."Como arrancar mais de um bilhão de dólares do Google com um produto que não dá lucro".

Na entrevista exclusiva ao Jornal da Globo, os fundadores do site contaram que pretendem desenvolver novas ferramentas, novas tecnologias para expandir o alcance do YouTube.

Mas não demonstraram a menor preocupação com dinheiro. "Nós sentimos bem, porque ainda estamos nos divertindo", diz Chad.

Quem falou do assunto a sério foi o presidente do Google, numa outra entrevista exclusiva ao Jornal da Globo. A empresa que comprou o YouTube há quase dois anos ainda estuda uma forma de ganhar dinheiro com ele. "Por enquanto ainda não estamos ganhando nada, muito pouco", conta o presidente do Google, Eric Schmidt.

E quando questionado se ele pretende manter o YouTube, mesmo que nunca dê lucro. "Claro, o YouTube tem milhões de usuários", diz.

O YouTube acaba de se mudar para um prédio enorme e envidraçado. Bem mais amplo e luxuoso do que a sede anterior. Imensamente maior do que o pequeno escritório em cima de uma pizzaria onde eles trabalharam por pouco mais de um ano entre a criação do site e a venda para o Google.

Agora, quando visitamos o site, em San Bruno, a quinze minutos de São Francisco, Steve e Chad estavam orgulhosos das novas instalações. Fizeram questão de saber se tínhamos gostado e se aquele era um bom cenário para nossa entrevista. E em meia hora de conversa, revelaram os bastidores da negociação que deu início a uma nova era de fusões e aquisições na internet. "Foi uma decisão difícil pra nós", diz Chad.

"Tudo aconteceu muito rápido, nunca quisemos vender, mas precisávamos conseguir mais dinheiro, mais equipamentos para armazenar os vídeos, precisávamos de mais funcionários. Éramos apenas dezesseis e tínhamos que contratar bons cérebros de forma rápida para manter o ritmo de crescimento da empresa", lembra Chad.

Quando acertaram a venda, Steve e Chad foram para um restaurante perto do escritório, passaram boas horas comemorando a espera do fechamento do mercado financeiro. Na hora marcada, gravaram um vídeo anunciando ao mundo que eles já não eram mais os donos do site que mudou a história da internet.

Já houve quem dissesse que o YouTube era a nova televisão. Mas aos poucos foi ficando claro que a vocação do site eram os vídeos caseiros, o imediatismo e aquilo que por uma razão ou por outra, não aparece na televisão.

Na empresa que venderam a preço de ouro, ocupam cargos executivos. Um é o presidente. O outro, uma espécie de vice, super poderoso. E os dois se divertem com a fama e a fortuna que guardaram no bolso.

Steve tem todo jeito de americano, passou a infância nos Estados Unidos, mas nasceu no Oriente. "Eu fico envergonhado quando vou a Taiwan. As pessoas me tratam como se eu fosse um herói. É uma sensação estranha andar pelas ruas e todo mundo apontar pra você", conta.

Steve acha que o site que ele inventou pode ajudar a diminuir conflitos, como a complicada questão política entre Taiwan e a China. "Muitos problemas provavelmente são causados porque não existem canais de comunicação nesses lugares. O YouTube oferece uma forma de as pessoas, pela primeira vez, mandarem mensagens para fora de lá. Se você pensar direito, sem o YouTube, como eles vão dizer o que pensam?", acredita.

Agora que eles deram sua pequena contribuição para mudar o mundo e embolsaram algumas centenas de milhões de dólares, será que não estão pensando em aposentadoria? “Ah, não. Ainda não está na hora”, diz Chad.




Fonte: http://jg.globo.com/JGlobo/0,19125,VTJ0 ... 22,00.html
 
queria ser como eles ganhar tudo isto de dinhiro da noite para o dia e criar um belissimo site igual ao YOUTUBE!
 
Muito estudo, competência e sorte.
 
Anderson Escreveu:Muito estudo, competência e sorte.

é, um dia eu consigo.