•  
     

Os padrões de desenvolvimento

Nassif, fico admirado com comentários baseados em visões de pensamento único, de paradigmas que se supõem eternos, definitivos.

Alguns comentam que a era da industria Brasileira de carros passou porque estamos na “globalização”, veja, uma coisa é alguem colocar objeções a nacionalização da filial da GM por conta de aspectos técnicos, jurídicos, comerciais etc, embora eu torça a favor, pode ser que seja inviável mesmo, outra coisa é a idéia de uma industria 100% Brasileira ser descartada por principio, de forma genérica por conta de estarmos na “globalização”.

Estamos, hoje, amanha podemos não estar mais, o que existe é uma aguda falta de pensamento geo-politico, geo-estratégico , de olharmos a historia e vermos o que funcionou para as grandes nações no passado , o que as ajudou a superar suas dificuldades, a vencer guerras( e como é feio falar esta palavra, não? Imagine, guerras não vão acontecer mais nesta era de “livre comercio”).

Portanto, Nassif, em detrimento do pensamento estratégico temos uma profusão de idéias fatalistas, de inevitabilidades históricas, conceitos mal explicados, não seria melhor falar em comercio justo ao invés de livre comercio, alguem realmente acredita em livre comercio?

Outro dia foi aniversario da Internet, o Caio Blinder colocou sua visão sobre o tema na sua coluna e alguem comentou, indignado, que o Caio Blinder não falou sobre a “revolução” que foi a internet.

Porque alguem é obrigado a achar que a internet é revolucionaria e, nada contra, eu sou profissional da areá, sou programador a vinte anos e a cinco só uso software livre, desenvolvo sistemas para Linux, uso a internet para tudo e nem por isso uso com tanta facilidade a palavra “revolução”, fosse assim a Internet já teria provocado um Nirvana budista na cabeça de todos, um Samadhi em massa e não estaríamos aqui falando em conflitos e guerras.

Não, o ser Humano continua essencialmente o mesmo de dez mil anos atrás, a internet é só mais uma ferramenta tecnológica e mais Nassif, você se lembra da tal “Terceira Onda” do Alvin Toffler, bem para mim estamos na segunda, porque a informática é só um coadjuvante no processo industrial, que só substituiu o carvão e o vapor por petróleo.

Não fosse assim, diversas analises e previsões estratégicas dos tempos que estamos vivendo não estariam apontando para a emergência de um mundo multi-polar, a semelhança do final do seculo dezenove até a primeira guerra mundial.

Sera que num mundo multipolar, com diversas potencias antagônicas, é possível falar em livre comercio e globalização, porque sera que a Rússia e a China não tem planos para entrar em nenhuma união comercial tipo União Européia ou Merco Sul.

Mais interessante procurarmos referencias mais profundas de pensamento antes de cairmos na armadilha do pensamento único, do historicismo determinista que acometeu a esquerda messiânica e xiita por um seculo e hoje parece estar acometendo os liberais, outro dia dei uma dica aqui de um artigo, escrito por um liberal que colabora com um site declaradamente de direita, portanto alguem insuspeito criticando os liberais por estarem caindo na armadilha do pensamento único,

http://www.heitordepaola.com/publicacoe ... artigo=101

artigo onde ele cita Karl Popper, que se baseou no teorema da incompletude de Kurt Godel que demoliu as esperanças de uma base totalmente racional para a matemática, de axiomas 100% seguros e sempre demonstráveis, quem se interessar veja a edição especial da Scientific Americam Brasil intitulada “A Vanguarda da Matemática e os Limites da Razão”.

Nessa linha tem Thomas Kuhn e a sucessão dos paradigmas, o filosofo John Gray e sua idéia de historia ciclica e a ilusão do progresso, Domenico de Masi e seu questionamento sobre nossa relação com o trabalho, mais radical e fora do mundo academico, o pensador Indiano Jiddu Krishnamurti, o maior demolidor de ilusões que conheci.

Nassif, outro dia passou um documentário no Discovery Channel sobre uma ilha noPacifico onde uma especie de papagaio não voa , a teoria é de que seus ancestrais migraram para a ilha a alguns milhões de anos, como na ilha não a predadores, eles “evoluíram” para não mais voar, já que segundo o documentário, o vôo tem um alto custo para as aves.

Pelo paradigma da “evolução” e “melhoria” constante das coisas e dos seres deveríamos ter aves supersônicas daqui a alguns milhões de anos.

Nas indas e vindas, nos ciclos da historia, o que fica como lição é que certas coisas tem importância estratégica sim, estas não mudam, como independência cientifica, tecnológica e industrial.

Fonte: http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/ ... olvimento/