•  
     

Obesos têm mais complicações com a Gripe Suína

Já se sabe que o índice de mortalidade da gripe A (H1N1), conhecida como Gripe Suína, é baixo (0,5%), semelhante ao da gripe comum. O que estudiosos descobriram é que a Obesidade é um fator de risco para as complicações clínicas da gripe suína.

Um estudo feito pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), em Atlanta, Estados Unidos, verificou uma frequência de obesidade entre os casos mais severos da gripe suína.

Os obesos, mesmo sem ter uma doença estabelecida, costumam ter a ventilação do pulmão prejudicada. Ou seja: a quantidade de ar inspirada é menor do que a inspirada por indivíduos com peso normal.

Como o vírus H1N1 prefere se instaler nos pulmões, isto está levando uma maior complicação respiratória nos obesos.

O risto é alto em obesos porque, além das complicações respiratórias a obesidade traz algumas doenças associadas como diabetes, hipertenção, triglicerídeos elevados e colesterol alto que podem afetar o sistema imunológico.

As pessoas que possuem o Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30 são as que correm mais risco.

Calcule o seu IMC através desta fórmula:

Imagem

Gestantes também são grupos de risco para a gripe suína. As alterações em seu metabolismo e a retenção de líquidos causada pela gravidez pode dificultar a chagada das células de defesa e isso facilita a multiplicação do vírus.

Ir atrás de um atendimento médico rápido é fundamental. Portanto, procure um médico caso tenha os seguintes sintomas: Febre alta, dor de cabeça, irritação nos olhos e narinas, tosse, dores no peito, dor muscular e nas articulações e coriza.