•  
     

O pastor que ajudou a salvar militares perdidos na serra

O pastor que ajudou a salvar militares perdidos na serra

Um pastor de Varzigueto, Mondim de Basto, ajudou a resgatar dois militares instrutores dos Comandos do Exército perdidos nas fisgas de Ermelo.

1.jpg

Sérgio Alves conhece bem o terreno das fisgas do Ermelo

A operação durou toda a madrugada de ontem, segunda-feira, e acabou bem para todos.

Ao fim da tarde de ontem, Sérgio Alves, 42 anos, mal acabara de recolher o seu rebanho de cabras e já se queixava de cansaço. Não o do costume - que guardar cabras irrequietas não é o mesmo que cuidar de ovelhas - mas porque tinha feito uma directa. Das zero às seis da manhã andou envolvido nas buscas dos dois militares numa zona que ele conhece desde miúdo.

"Ainda estava na cama quando a GNR de Mondim de Basto me veio perguntar se podia ir ajudar e eu aprontei-me logo", recorda o pastor. Chegado ao local, acompanhado também dos bombeiros de Mondim e de Vila Real, começou a percorrer os carreiros íngremes. Quando não mais podiam avançar (o local está cheio de escarpas) Sérgio pediu para que telefonassem para os militares, de modo a que eles tentassem localizar as lanternas dos bombeiros. "Eles estavam abrigados numa rocha e só quando telefonámos é que saíram". A operação de resgate envolveu a colocação de cordas e durou algumas horas. A noite, a chuva, o solo resvaladiço, o frio, tudo foi obstáculo aos salvadores dos militares. Mas não fosse o pastor de Varzigueto, o desfecho poderia ter sido bem pior. "Eles estavam enregelados, todos molhados e só com uma camisola de manga curta. Não sei se resistiriam ali muito tempo".

O porta-voz do Exército, tenente-coronel Hélder Perdigão, salientou que os dois militares tinham ido fazer o reconhecimento de um percurso na zona das Fisgas de Ermelo e que acabaram por ser surpreendidos pelo intenso nevoeiro. Como não conheciam o terreno e não possuíam equipamento adequado, optaram por pedir ajuda à GNR.

Sérgio Alves aconselha que aquela zona das Fisgas de Ermelo não deve ser calcorreada por quem não a conhece. "Aquilo até é perigoso de dia quanto mais de noite…" Já não lhe chegam os dedos das mãos para contar as cabras que já lhe caíram das escarpas abaixo. "Elas são muito ágeis, habituadas a andar em cima dos penedos e às vezes também caem. Até já lá morreram pessoas". "O meu marido é um herói. Arriscou a vida para salvar outras duas", orgulha-se a mulher, Maria Manuela. Ele é mais modesto: "Estou contente, tudo acabou bem".

Autor: Eduardo Pinto
Fonte: http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/co ... id=1441197
 
um gesto de solidariedade a uma pessoa