O Evangelho Proibido de Judas verdadeiro ou falso?

Verdadeiro
2
40%
Falso
1
20%
Tenho dúvidas
0
Sem votos
Não sei
2
40%
 
Total de votos: 5

  •  
     

O Evangelho Proibido de Judas - verdade ou mentira?





 
Eu assisti no dicovery, muito interessante...
 
interessante
 
É engraçado como o capitalismo não respeita nada, nem mesmo a religião. Afinal de contas todo o “mistério” envolvendo o evangelho de Judas não passa de um marketing comercial aonde pessoas aproveitadoras querem mesmo ganhar muito dinheiro – é lamentável! A ciência fidedigna não merece ser explorada de maneira tão vulgar, deixando a verdade em segundo plano e colocando acima de tudo interesses comerciais.

Devemos trazer a memória que a mídia tem lucrado muito com essa temática. O ano passado foi o Evangelho de Tomé. Uma suposta sepultura de Jesus, uma inscrição antiga contendo o nome de Tiago, irmão de Jesus, e outras “descobertas” arqueológicas, fizeram a festa da mídia e encheram os bolsos de muitos espertinhos – As revistas brasileira batem recordes de vendas quanto a esses assuntos e agora não será diferente.

Quem seria o autor desse evangelho?

A mídia tem nos informado que a autoria desse manuscrito é de Judas Iscariotes, contudo, não existe prova alguma disso. Segundo o relato dos quatro Evangelhos e dos documentos patrísticos, Judas suicidou-se após a traição. Como poderia ser o autor dessa obra? Irineu, no século II, atribuía a autoria do evangelho de Judas aos gnósticos. No códice descoberto e agora publicado, não consta somente o evangelho atribuído a Judas, mas duas obras a mais: a “Carta a Filipe” atribuída ao apóstolo Pedro e “Revelação de Jacó”, relacionado com o patriarca hebreu. A presença do evangelho de Judas em meio a essas duas obras apócrifas é mais uma prova da autoria espúria desse evangelho. Chega a ser irritante o preconceito da mídia, que sempre veicula matérias que negam a autoria tradicional dos Evangelhos canônicos, mas que rapidamente atribui a Judas Iscariotes a autoria desse apócrifo.

E Daí?

Quero terminar esse breve comentário citando a conclusão de um outro trabalho sobre essa mesma temática:

Portanto, você pode até crer no "evangelho" de Judas e lançar fora tudo o que está escrito nos evangelhos canônicos. Mas seja coerente: não deixe de chamar de "gnosticismo", e não de cristianismo, o conjunto dos ensinamentos desse "evangelho". Quanto a mim, fico com o que o próprio Jesus disse, "Errais, por não compreender as Escrituras nem o poder de Deus" (Mateus 22:29), e com a advertência de um de seus apóstolos: "Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregue outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema" (Gálatas 1:8).




fonte:http://www.cacp.org.br/estudos/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=1152&menu=7&submenu=4