•  
     

Novas tecnologias de rede

As redes Ethernet são extremamente acessíveis, com placas de rede que chegam a custar 30 ou 35 reais, hubs de menos de 100 reais e cabos de rede com preços simplesmente irrisórios. A velocidade também é muito boa: 100 megabits são suficientes para quase todo tipo de aplicação, com exceção de redes muito congestionadas ou servidores de arquivos de alto desempenho.

Excluindo apenas as limitações em termos de flexibilidade, já que ainda é preciso sair passando cabos de rede pela casa, as redes Ethernet têm hoje um custo-benefício simplesmente imbatível.

Mas, atualmente, as opções de redes vão muito além das redes Ethernet. Padrões de redes sem fio como o IEEE 802.11b e o IEEE 802.11atrazem uma comodidade e facilidade de instalação atrativa principalmente em ambientes onde predominam os notebooks e portáteis em geral. O bluetooth é mais um padrão de rede sem fio que promete servir como complemento para as demais arquiteturas, permitindo interligar em rede pequenos aparelhos, como Palms, câmeras digitais, celulares, etc. Isso sem falar nos padrões Home PNA e HomePlug Powerline, que utilizam como mídia as extensões telefônicas e tomadas elétricas que todos temos em casa, facilitando a instalação da rede.

Além destes padrões, destinados ao mercado doméstico, temos padrões de rede muito mais rápidos que as redes Fast-Ethernet (100 megabits), destinadas principalmente a interligar servidores de arquivos de alto desempenho.

Claro, você não pode deixar de conhecer em primeira mão todas estas tecnologias. Vamos então analisar as características de cada opção:


IEEE 802.11b

Esta é a tecnologia de rede sem fio mais difundida atualmente e a que tem maiores chances de tornar-se padrão nos próximos um ou dois anos, passando a rivalizar com as redes Ethernet que já estão tão bem estabelecidas.

A topologia das redes 802.11b é semelhante a das redes de par trançado, com um Hub central. A diferença no caso é que simplesmente não existem os fios ;-) Existem tanto placas PC-Card, que podem ser utilizadas em notebooks e em alguns handhelds, quanto placas para micros de mesa.

Não existe mistério na instalação das placas. Basta deixar que o Windows detecte o novo hardware e fornecer os drivers da placa, ou executar o utilitário de configuração. O Windows XP possui drivers para algumas placas, facilitando a tarefa. As placas 802.11b são detectadas como placas Ethernet, apenas uma forma que os fabricantes encontraram para facilitar a compatibilidade com os vários sistemas operacionais.

Existem muitos casos de fabricantes que optaram por produzir apenas placas PC-Card (presumindo que a maior parte das vendas seria feita para usuários de notebooks) e que oferecem como complemento um adaptador opcional que pode ser usado para encaixar os cartões em micros de mesa. Lembre-se que o padrão PC-Card dos notebooks e o barramento PCI dos desktops são muito semelhantes, por isso basta um adaptador simples.

O Hub é chamado de ponto de acesso e tem a mesma função que desempenha nas redes Ethernet: retransmitir os pacotes de dados, de forma que todos os micros da rede os recebam.


Ponto de acesso

Não existe limite no número de estações que podem ser conectadas a cada ponto de acesso mas, assim como nas redes Ethernet, a velocidade da rede decai conforme aumenta o número de estações, já que apenas uma pode transmitir de cada vez.

A maior arma do 802.11b contra as redes cabeadas é a versatilidade. O simples fato de poder interligar os PCs sem precisar passar cabos pelas paredes já é o suficiente para convencer algumas pessoas, mas existem mais alguns recursos interessantes que podem ser explorados.

Sem dúvidas, a possibilidade mais interessante é a mobilidade para os portáteis. Tanto os notebooks quanto handhelds e as futuras webpads podem ser movidos livremente dentro da área coberta pelos pontos de acesso sem que seja perdido o acesso à rede.

Esta possibilidade lhe dará alguma mobilidade dentro de casa para levar o notebook para onde quiser, sem perder o acesso à Web, mas é ainda mais interessante para empresas e escolas. No caso das empresas a rede permitiria que os funcionários pudessem se deslocar pela empresa sem perder a conectividade com a rede e bastaria entrar pela porta para que o notebook automaticamente se conectasse à rede e sincronizasse os dados necessários. No caso das escolas a principal utilidade seria fornecer acesso à Web aos alunos. Esta já é uma realidade em algumas universidades e pode tornar-se algo muito comum dentro dos próximos anos.

Vamos então às especificações e aos recursos desta arquitetura.

A velocidade das redes 802.11b é de 11 megabits, comparável à das redes Ethernet de 10 megabits, mas muito atrás da velocidade das redes de 100 megabits. Estes 11 megabits não são adequados para redes com um tráfego muito pesado, mas são mais do que suficientes para compartilhar o acesso à web, trocar pequenos arquivos, jogar games multiplayer, etc. Note que os 11 megabits são a taxa bruta de transmissão de dados, que incluem modulação, códigos de correção de erro, retransmissões de pacotes, etc., como em outras arquiteturas de rede. A velocidade real de conexão fica em torno de 6 megabits, o suficiente para transmitir arquivos a 750 KB/s, uma velocidade real semelhante à das redes Ethernet de 10 megabits.


tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (2.99 KiB) Visto 1474 vezes
 
Mas, existe a possibilidade de combinar o melhor dos dois mundos, conectando um ponto de acesso 802.11b a uma rede Ethernet já existente. No ponto de acesso da foto acima você pode notar que existe um conector RJ-45:
tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (1.99 KiB) Visto 1472 vezes


Isto adiciona uma grande versatilidade à rede e permite diminuir os custos. Você pode interligar os PCs através de cabos de par trançado e placas Ethernet que são baratos e usar as placas 802.11b apenas nos notebooks e aparelhos onde for necessário ter mobilidade. Não existe mistério aqui, basta conectar o ponto de acesso ao Hub usando um cabo de par trançado comum para interligar as duas redes. O próprio Hub 802.11b passará a trabalhar como um switch, gerenciando o tráfego entre as duas redes.

O alcance do sinal varia entre 15 e 100 metros, dependendo da quantidade de obstáculos entre o ponto de acesso e cada uma das placas. Paredes, portas e até mesmo pessoas atrapalham a propagação do sinal. Numa construção com muitas paredes, ou paredes muito grossas, o alcance pode se aproximar dos 15 metros mínimos, enquanto num ambiente aberto, como o pátio de uma escola o alcance vai se aproximar dos 100 metros máximos. Se você colocar o ponto de acesso próximo da janela da frente da sua casa por exemplo, provavelmente um vizinho distante dois quarteirões ainda vai conseguir se conectar à sua rede.

Você pode utilizar o utilitário que acompanha a placa de rede para verificar a qualidade do sinal em cada parte do ambiente onde a rede deverá estar disponível. O utilitário lhe fornecerá um gráfico com a potência e a qualidade do sinal.

tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (6.52 KiB) Visto 1472 vezes
 
A potência do sinal decai conforme aumenta a distância, enquanto a qualidade decai pela combinação do aumento da distância e dos obstáculos pelo caminho. É por isso que num campo aberto o alcance será muito maior do que dentro de um prédio por exemplo.

Conforme a potência e qualidade do sinal se degrada, o ponto de acesso pode diminuir a velocidade de transmissão a fim de melhorar a confiabilidade da transmissão. A velocidade pode cair para 5.5 megabits, 2 megabits ou chegar a apenas 1 megabit por segundo antes do sinal se perder completamente. Algumas placas e pontos de acesso são capazes de negociar velocidades ainda mais baixas, possibilitando a conexão a distâncias ainda maiores. Nestes casos extremos o acesso à rede pode se parecer mais com uma conexão via modem do que via rede local.

As redes sem fio, sejam baseadas no 802.11b ou em qualquer outro padrão, apresentam um grande potencial para o futuro. Uma mudança mais interessante que eu vejo é o estabelecimento de pontos de acesso à Web em lojas, supermercados, shoppings, restaurantes, escolas, etc. onde o acesso à Web será oferecido como conveniência aos clientes armados com notebooks e palmtops, que dentro dos próximos anos se tornarão muito mais populares e já virão com interfaces de rede sem fio. Será uma forma de acesso muito mais barata (e mais rápida) que a através dos celulares 2.5G ou mesmo 3G e ao mesmo tempo será algo muito barato de implantar para os comerciantes que já tiverem um PC com acesso à Web.

Já que na maior parte do tempo em que não estamos em casa ou no trabalho estamos em algum destes lugares, estas pequenas redes públicas diminuirão muito a necessidade de usar o acesso via celular, que mesmo com o 2.5G continuará sendo caro, já que não haverá mais cobrança por minuto, mas em compensação haverá tarifação pela quantidade de dados transferidos. Será uma grande conveniência, já que você poderá acessar a Web em praticamente qualquer lugar. O velho sonho de muitos educadores de escolas onde cada aluno tem um computador conectado à rede da escola também poderá tornar-se realidade mais facilmente.

O alcance de 15 a 100 metros do 802.11b é mais do que suficiente para uma loja, escritório ou restaurante. No caso de locais maiores, bastaria combinar vários pontos de acesso para cobrir toda a área. Estes pontos podem ser configurados para automaticamente dar acesso a todos os aparelhos dentro da área de cobertura. Neste caso não haveria maiores preocupações quanto à segurança, já que estará sendo compartilhado apenas acesso à web.


Segurança

A maior dúvida sobre o uso de redes sem fio recai sobre o fator segurança. Com um transmissor irradiando os dados transmitidos através da rede em todas as direções, como impedir que qualquer um possa se conectar a ela e roubar seus dados? Como disse acima, um ponto de acesso instalado próximo à janela da sala provavelmente permitirá que um vizinho a dois quarteirões da sua casa consiga captar o sinal da sua rede, uma preocupação agravada pela popularidade que as redes sem fio vêm ganhando.

Alguns kits permitem ainda conectar antenas Yagi, ou outras antenas de longo alcance nas interfaces de rede, o que aumenta ainda mais o alcance dos sinais, que com as antenas especiais pode chegar a mais de 500 metros. Veremos isto com mais detalhes logo adiante.

Para garantir a segurança, existem vários sistemas que podem ser implementados, apesar de nem sempre eles virem ativados por default nos pontos de acesso.

Neste caso, qualquer PC da rede (um um intruso que se conecte a ela) pode acessar a ferramenta de configuração. Para se proteger você deve alterar a senha de acesso default e se possível também alterar a porta usada pelo serviço. Assim você terá duas linhas de proteção. Mesmo que alguém descubra a senha ainda precisará descobrir qual porta o utilitário está escutando e assim por diante.

Em outros casos será necessário instalar um programa num dos micros da rede para configurar o ponto de acesso, mas valem as mesmas medidas de alterar a senha default e se possível a porta TCP utilizada pelo serviço.

Dentro do utilitário de configuração você poderá habilitar os recursos de segurança. Na maioria dos casos todos os recursos abaixo vem desativados por default a fim de que a rede funcione imediatamente, mesmo antes de qualquer coisa ser configurada. Para os fabricantes, quanto mais simples for a instalação da rede, melhor, pois haverá um número menor de usuários insatisfeitos por não conseguir fazer a coisa funcionar. Mas, você não é qualquer um. Vamos então às configurações:

ESSID
A primeira linha de defesa é o ESSID (Extended Service Set ID), um código alfanumérico que identifica os computadores e pontos de acesso que fazem parte da rede. Cada fabricante utiliza um valor default para esta opção, mas você deve alterá-la para um valor alfanumérico qualquer que seja difícil de adivinhar.

Geralmente estará disponível no utilitário de configuração do ponto de acesso a opção "broadcast ESSID". Ao ativar esta opção o ponto de acesso envia periodicamente o código ESSID da rede, permitindo que todos os clientes próximos possam conectar-se na rede sem saber préviamente o código. Ativar esta opção significa abrir mão desta camada de segurança, em troca de tornar a rede mais "plug-and-play". Você não precisará mais configurar manualmente o código ESSID em todos os micros.

Esta é uma opção desejável em redes de acesso público, como muitas redes implantadas em escolas, aeroportos, etc. mas caso a sua preocupação maior seja a segurança, o melhor é desativar a opção. Desta forma, apenas quem souber o valor ESSID poderá acessar a rede.

WEP
Apenas o ESSID, oferece uma proteção muito fraca. Mesmo que a opção broadcast ESSID esteja desativada, já existem sniffers que podem descobrir rapidamente o ESSID da rede monitorando o tráfego de dados.

Eis que surge o WEP, abreviação de Wired-Equivalent Privacy, que como o nome sugere traz como promessa um nível de segurança equivalente à das redes cabeadas. Na prática o WEP também tem suas falhas, mas não deixa de ser uma camada de proteção essencial, muito mais difícil de penetrar que o ESSID sozinho.

O WEP se encarrega de encriptar os dados transmitidos através da rede. Existem dois padrões WEP, de 64 e de 128 bits. O padrão de 64 bits é suportado por qualquer ponto de acesso ou interface que siga o padrão WI-FI, o que engloba todos os produtos comercializados atualmente. O padrão de 128 bits por sua vez não é suportado por todos os produtos. Para habilitá-lo será preciso que todos os componentes usados na sua rede suportem o padrão, caso contrário os nós que suportarem apenas o padrão de 64 bits ficarão fora da rede.

Na verdade, o WEP é composto de duas chaves distintas, de 40 e 24 bits no padrão de 64 bits e de 104 e 24 bits no padrão de 128. Por isso, a complexidade encriptação usada nos dois padrões não é a mesma que seria em padrões de 64 e 128 de verdade.

Além do detalhe do número de bits nas chaves de encriptação, o WEP possui outras vulnerabilidades. Alguns programas já largamente disponíveis são capazes de quebrar as chaves de encriptação caso seja possível monitorar o tráfego da rede durante algumas horas e a tendência é que estas ferramentas se tornem ainda mais sofisticadas com o tempo. Como disse, o WEP não é perfeito, mas já garante um nível básico de proteção.

O WEP vem desativado na grande maioria dos pontos de acesso, mas pode ser facilmente ativado através do utilitário de configuração. O mais complicado é que você precisará definir manualmente uma chave de encriptação (um valor alfanumérico ou hexadecimal, dependendo do utilitário) que deverá ser a mesma em todos os pontos de acesso e estações da rede. Nas estações a chave, assim como o endereço ESSID e outras configurações de rede podem ser definidas através de outro utilitário, fornecido pelo fabricante da placa.

Um detalhe interessante é que apartir do início de 2002 os pontos de acesso devem começar a suportar o uso de chaves de encriptação dinâmicas, que não exigirão configuração manual. Ao adquirir um ponto de acesso agora é importante verificar se ele pode ser atualizado via software, para que mais tarde você possa instalar correções e suporte a novos padrões e tecnologias.

RADIUS
Este é um padrão de encriptação proprietário que utiliza chaves de encriptação de 128 bits reais, o que o torna muito mais seguro que o WEP. Infelizmente este padrão é suportado apenas por alguns produtos. Se estiver interessado nesta camada extra de proteção, você precisará pesquisar quais modelos suportam o padrão e selecionar suas placas e pontos de acesso dentro desse círculo restrito. Os componentes geralmente serão um pouco mais caro, já que você estará pagando também pela camada extra de encriptação.

Permissões de acesso
Além da encriptação você pode considerar implantar também um sistema de segurança baseado em permissões de acesso. O Windows 95/98/ME permite colocar senhas nos compartilhamentos, enquanto o Windows NT, 2000 Server ou ainda o Linux, via Samba, já permitem uma segurança mais refinada, baseada em permissões de acesso por endereço IP, por usuário, por grupo, etc.

Usando estes recursos, mesmo que alguém consiga penetrar na sua rede, ainda terá que quebrar a segurança do sistema operacional para conseguir chegar aos seus arquivos. Isso vale não apenas para redes sem fio, mas também para redes cabeadas, onde qualquer um que tenha acesso a um dos cabos ou a um PC conectado à rede é um invasor em potencial.

Alguns pontos de acesso oferecem a possibilidade de estabelecer uma lista com as placas que têm permissão para utilizar a rede e rejeitar qualquer tentativa de conexão de placas não autorizadas. O controle é feito através dos endereços MAC das placas, que precisam ser incluídos um a um na lista de permissões, através do utilitário do ponto de acesso. Muitos oferecem ainda a possibilidade de estabelecer senhas de acesso.

Somando o uso de todos os recursos acima, a rede sem fio pode tornar-se até mais segura do que uma rede cabeada, embora implantar tantas camadas de proteção torne a implantação da rede muito mais trabalhosa.


Como os dados são transmitidos e interferência

As redes 802.11b transmitem sinais de rádio na faixa dos 2.4 GHz utilizando um modo de transmissão chamado Direct Sequence Spread Spectrum, onde o transmissor escolhe uma frequência onde não existam outras transmissões e se mantém nela durante o período de operação, a menos que o nível de interferência atinja um ponto crítico. Neste caso os transmissores procurarão outra frequência disponível. O padrão 802.11b utiliza frequências entre 2.4 e 2.48 GHz, com um total de 11 canais disponíveis (2.412, 2.417, 2.422, 2.427, 2.432, 2.437, 2.442, 2.447, 2.452, 2.457 e 2.462 GHz).

Os transmissores podem utilizar qualquer uma das faixas em busca da banda mais limpa, o que já garante alguma flexibilidade contra interferências. Apesar disso, as redes 802.11b possuem pelo menos quatro inimigos importantes: os transmissores bluetooth, telefones sem fio que operam na faixa dos 2.4 GHz, aparelhos de microondas e outros pontos de acesso 802.11b próximos.

Em nenhum dos quatro casos existe o risco da rede chegar a sair fora do ar (mesmo em casos extremos), mas existe a possibilidade de haver uma degradação de desempenho considerável.

O Bluetooth costuma ser o mais temido, pois também é um padrão de redes sem fio e também opera na faixa dos 2.4 GHz. Mas, na prática, o Bluetooth é o menos perigoso dos quatro, pois utiliza um modo de transmissão diferente do 802.11b, chamado Frequency Hop Spread Spectrum, onde os transmissores mudam constantemente de frequência, dentro do conjunto de 79 canais permitido pelo padrão. Esta é uma forma de evitar interferência com outros transmissores Bluetooth próximos, já que a sequência é conhecida apenas pelos dispositivos envolvidos e, em consequência, também evita uma interferência direta com transmissores 802.11b.

Na prática, os transmissores Bluetooth podem causar uma pequena perda de desempenho nos momentos em que tentarem transmitir na mesma frequência dos transmissores 802.11b. Mas, como o chaveamento é muito rápido, isto só chega a ser um problema nas transmissões de vídeo ou outros tipos de mídia via streaming, onde qualquer pequena pausa já atrapalha a visualização.

Os modelos de telefone sem fio que operam na faixa dos 2.4 GHz são um pouco mais perigosos, já que ao contrário do bluetooth operam a uma frequência fixa. Neste caso o telefone pode invadir a frequência utilizada pela rede, prejudicando a velocidade de transmissão enquanto estiver sendo usado.

Os aparelhos de microondas também utilizam ondas de rádio nesta mesma faixa de frequência e por isso também podem atrapalhar, embora apenas caso fiquem muito próximos dos transmissores. Caso o microondas fique a pelo menos 6 metros, não haverá maiores problemas.

Finalmente, chegamos ao problema final. O que acontece caso todos os seus vizinhos resolvam utilizar redes 802.11b, ou caso você precise utilizar vários pontos de acesso na mesma rede?

Como disse acima, os dispositivos de cada rede podem utilizar qualquer um dos 11 canais permitidos pelo padrão. Mas existe um porém: dos 11, apenas 3 canais podem ser utilizados simultâneamente, pois os transmissores precisam de uma faixa de 22 MHz para operar.

Se existirem até 3 transmissores na mesma área, não haverá problemas, pois cada um poderá utilizar um canal diferente. Com 4 ou mais pontos de acesso você terá perda de desempenho sempre que dois tentarem transmitir dados simultâneamente.

Na prática, o cenário é parecido com o que temos numa rede Ethernet. Como o Hub encaminha todos os pacotes para todas as estações, apenas uma estação pode transmitir de cada vez. Sempre que duas estações tentam transmitir ao mesmo tempo, temos uma colisão de pacotes e a rede fica paralisada por alguns milessegundos, até que as estações possam voltar a retransmitir, uma de cada vez.

No 802.11b temos um cenário parecido. Com vários pontos de acesso operando no mesmo canal, as transmissões precisam ser feitas de forma alternada. Na melhor das hipóteses, você não terá 11 megabits para cada um, mas 11 megabits para todos. Naturalmente isso só se aplica nos momentos em que ambos transmitirem ao mesmo tempo.

Mais uma curiosidade é que é possível aproveitar os três canais simultâneos para utilizar dois ou três pontos de acesso no mesmo local, como uma forma de aumentar a performance da rede (no caso de redes muito movimentadas, com muitas estações), dividindo os usuários entre os pontos de acesso disponíveis. Existem alguns casos de pontos de acesso que trabalham simultâneamente nas três frequências, como se fosse três pontos de acesso distintos.


Aumentando o alcance

Assim como em outras tecnologias de transmissão via rádio, a distância que o sinal é capaz de percorrer depende também da qualidade da antena usada. As antenas padrão utilizadas nos pontos de acesso, geralmente de 2 dBi são pequenas e práticas, além de relativamente baratas, mas existe a opção de utilizar antenas mais sofisticadas para aumentar o alcance da rede.


tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (5.87 KiB) Visto 1472 vezes
 
Alguns fabricantes chegam a dizer que o alcance dos seus pontos de acesso chega a 300 metros, usando as pequenas antenas padrão. Isto está um pouco longe da realidade, pois só pode ser obtido em campos abertos, livres de qualquer obstáculo e mesmo assim o sinal ficaria tão fraco que a velocidade de transmissão mal chegaria a 1 megabit.

Mesmo assim, a distância máxima e a qualidade do sinal (e consequentemente a velocidade de transmissão) pode variar bastante de um modelo de ponto de acesso para outro, de acordo com a qualidade do transmissor e da antena usada pelo fabricante.

Existem basicamente três tipos de antenas que podem ser utilizadas para aumentar o alcance da rede.

As antenas Yagi, são as que oferecem um maior alcance, mas em compensação são capazes de cobrir apenas a área para onde são apontadas. Estas antenas são mais úteis para cobrir alguma área específica, longe do ponto de acesso, ou então para um usuário em trânsito, que precisa se conectar à rede. Em ambos os casos, o alcance utilizando uma antena Yagi pode passar dos 500 metros.


tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (2.89 KiB) Visto 1472 vezes


A segunda opção são as antenas ominidirecionais, que, assim como as antenas padrão dos pontos de acesso, cobrem uma área circular (ou esférica, caso o ponto de acesso esteja instalado acima do solo) em torno da antena. A vantagem é a possibilidade de utilizar uma antena com uma maior potência. Existem modelos de antenas ominidirecionais de 3dbi, 5 dBi, 10 dBi ou até mesmo 15 dBi, um grande avanço sobre as antenas de 2 dBi que acompanham a maioria dos pontos de acesso.

tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (1.37 KiB) Visto 1472 vezes

tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (1.36 KiB) Visto 1472 vezes


Assim como as Yagi, as antenas ominidirecionais podem ser usadas tanto para aumentar a área de cobertura do ponto de acesso, quanto serem instaladas numa interface de rede, em substituição à antena que a acompanha, permitindo captar o sinal do ponto de acesso de uma distância maior.

Mais uma opção de antena são as mini-parabólicas, que também captam o sinal em apenas uma direção, como as Yagi, mas em compensação podem ter uma potência ainda maior, dependendo do modelo usado.


tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (5.51 KiB) Visto 1472 vezes


Estas antenas podem custar de 30 a mais de 200 dólares, dependendo da potência. As antenas Yagi estão entre as mais caras, vendidas por US$ 150 ou mais. Além do problema do preço, existe um aumento no risco de uso indevido na rede, já que o sinal irá propagar-se por uma distância maior, mais uma razão para reforçar a segurança.
 
Modo Ad-hoc

Assim como é possível ligar dois micros diretamente usando duas placas Ethernet e um cabo cross-over, sem usar hub, também é possível criar uma rede Wireless entre dois PCs sem usar um ponto de acesso. Basta configurar ambas as placas para operar em modo Ad-hoc (através do utilitário de configuração). A velocidade de transmissão é a mesma, mas o alcance do sinal é bem menor, já que os transmissores e antenas das interfaces não possuem a mesma potência do ponto de acesso.

Este modo pode servir para pequenas redes domésticas, com dois PCs próximos, embora mesmo neste caso seja mais recomendável utilizar um ponto de acesso, interligado ao primeiro PC através de uma placa Ethernet e usar uma placa wireless no segundo PC ou notebook, já que a diferenças entre o custo das placas e pontos de acesso não é muito grande.



A questão do custo

O custo ainda é uma questão delicada em se tratando de redes sem fio. Mais delicada ainda para tratar aqui, já que vou ter que usar minhas capacidades mediúnicas e tentar fazer um exercício de futurologia :-)

Mas falando sério, o mercado de redes sem fio ainda está em expansão. Existe um grande interesse por parte dos fabricantes em popularizar a tecnologia pois os periféricos para redes Ethernet já estão tão baratos que a margem de lucro dos fabricantes, mesmo dos que vendem soluções mais caras, como a Intel e 3Com é irrisória. Além disso, eles só conseguem vender novos componentes para quem ainda não tem redes, já que placas de rede e Hubs são componentes bastante duráveis, na maioria das vezes aproveitados em vários upgrades.

As redes sem fio são a chance de conseguir convencer os usuários a trocar boa parte da base instalada.

Enquanto escrevo (Dezembro de 2001) os pontos de acesso ainda custam de 150 e 250 dólares e as interfaces de rede custam de 100 a 150 dólares, em média. Nos EUA os valores já estão um pouco mais baixos que isto e no Japão os pontos de acesso e interfaces chegam a ser vendidas por 100 e 60 dólares respectivamente.

Sem dúvida, os componentes para redes sem fio vão continuar sendo mais caros que os para redes Ethernet por muito tempo. Além dos controladores existem os transmissores e as antenas, que aumentam bastante o custo total do conjunto. Mas o futuro parece promissor.

Conforme a tecnologia for se popularizando e os fabricantes começarem a produzir os componentes em maior quantidade, os preços devem cair para algo próximo de 70 dólares pelos pontos de acesso e 50 dólares pelas interfaces de rede ao longo de 2002.

Outro detalhe importante é que vários fabricantes de placas mãe vêm apresentando projetos de placas com interfaces 802.11b onboard. A primeira foi a Intel, com uma placa de referência apresentada durante a Comdex (a Americana) em Novembro de 2001.

As placas com interfaces onboard serão sem dúvidas muito mais baratas do que o conjunto de placas mãe e uma placa 802.11b separada e passarão a representar uma percentagem considerável do total de placas vendidas até a segunda metade de 2002, o que poderá ser decisivo para a popularização da tecnologia.

Mas, como vimos, as redes sem fio podem ser usadas como complemento para as redes cabeadas que já existem. Esta é a aplicação ideal, considerando que a velocidade é mais baixa e o custo é mais alto. O melhor custo benefício seria então usar uma rede cabeada para interligar todos os desktops, ligar um ponto de acesso ao hub e usar placas wireless apenas nos notebooks e outros aparelhos portáteis. Se a preocupação for a segurança, é possível incluir ainda um firewall entre a rede cabeada e a rede sem fio.

Mas, não existe garantia que o 802.11b seja mesmo o padrão definitivo. O maior concorrente é o 802.11a, que é menos susceptível a interferências é mais rápido.


IEEE 802.11a

O 802.11b utiliza a frequência de 2.4 GHz, a mesma utilizada por outros padrões de rede sem fio e pelos microondas, todos potenciais causadores de interferência. O 802.11a por sua vez utiliza a frequência de 5 GHz, onde a interferência não é problema. Graças à frequência mais alta, o padrão também é quase cinco vezes mais rápido, atingindo respeitáveis 54 megabits.

Note que esta é a velocidade de transmissão "bruta" que inclui todos os sinais de modulação, cabeçalhos de pacotes, correção de erros, etc. a velocidade real das redes 802.11a é de 24 a 27 megabits por segundo, pouco mais de 4 vezes mais rápido que no 802.11b.

Outra vantagem é que o 802.11a permite um total de 8 canais simultâneos, contra apenas 3 canais no 802.11b. Isso permite que mais pontos de acesso sejam utilizados no mesmo ambiente, sem que haja perda de desempenho.

O grande problema é que o padrão também é mais caro, por isso a primeira leva de produtos vai ser destinada ao mercado corporativo, onde existe mais dinheiro e mais necessidade de redes mais rápidas.

Além disso, por utilizarem uma frequência mais alta, os transmissores 8021.11a também possuem um alcance mais curto, teoricamente metade do alcance dos transmissores 802.11b, o que torna necessário usar mais pontos de acesso para cobrir a mesma área, o que contribui para aumentar ainda mais os custos.

A diferença de custo vai se manter por um ou dois anos. É de se esperar então que as redes de 11 megabits continuem se popularizando no mercado doméstico, enquanto as de 54 megabits ganhem terreno no mercado corporativo, até que um dia o preço dos dois padrões se nivele e tenhamos uma transição semelhante à das redes Ethernet de 10 para 100 megabits.

Ao contrário do que o nome sugere, o 802.11a é um padrão mais recente do que o 802.11b. Na verdade, os dois padrões foram propostos pelo IEEE na mesma época, mas o 802.11b foi finalizado antes e por isso chegou ao mercado com mais de 6 meses de antecedência. Os primeiros periféricos 802.11a foram lançados em Novembro de 2001.


IEEE 802.11g

Este é um padrão recentemente aprovado pelo IEEE, que é capaz de transmitir dados a 54 megabits, assim como o 802.11a.

A principal novidade é que este padrão utiliza a mesma faixa de frequência do 802.11b atual: 2.4 GHz. Isso permite que os dois padrões sejam intercompatíveis. A idéia é que você possa montar uma rede 802.11b agora e mais pra frente adicionar placas e pontos de acesso 802.11g, mantendo os componentes antigos, assim como hoje em dia temos liberdade para adicionar placas e hubs de 100 megabits a uma rede já existente de 10 megabits.

A velocidade de transferência nas redes mistas pode ou ser de 54 megabits ao serem feitas transferências entre pontos 802.11g e de 11 megabits quando um dos pontos 801.11b estiver envolvido, ou então ser de 11 megabits em toda a rede, dependendo dos componentes que forem utilizados. Esta é uma grande vantagem sobre o 802.11a, que também transmite a 54 megabits, mas é incompatível com os outros dois padrões.

Os primeiros produtos baseados no 802.11g devem chegar ao mercado apartir do final de 2002, um ano depois da primeira leva do 802.11a, que é o concorrente direto. Isso significa que a popularidade do 802.11g será determinada pelo sucesso do concorrente. Se o 802.11a for rapidamente adotado e chegar a substituir o 802.11b até lá, os periféricos 802.11g terão pouca chance e talvez nem cheguem a ser lançados, já que seria uma guerra perdida.

Se por outro lado a maioria dos usuários preferir os dispositivos 802.11b, então o 802.11g terá chances de dominar o mercado.


Home PNA

Este é um padrão para transmissão de dados através de cabos telefônicos comuns a curtas distâncias. A idéia é que os usuários interessados em montar uma rede doméstica mas que não tenham como passar cabos de rede pela casa, possam aproveitar as extensões telefônicas já existentes para ligar seus micros em rede. Existem duas versões deste padrão: a versão 1.0, já obsoleta, transmite a apenas 1 mbps, muito pouco se comparado às redes Ethernet, enquanto a versão 2.0 já transmite a 10 mbps, uma velocidade próxima à das redes 802.11b.

Os dispositivos Home PNA utilizam uma arquitetura de rede ponto a ponto, sem a necessidade de usar nenhum tipo de hub ou concentrador e os sinais não interferem com as ligações de voz, nem com os serviços de acesso via ADSL, já que ambos utilizam frequências diferentes.

A distância máxima entre os pontos é de 330 metros e é possível utilizar montar redes de até 50 PCs. É possível conectar mais PCs caso necessário, mais quanto maior o número de PCs, maior o número de colisões de pacotes e pior o desempenho.

O uso do Home PNA só é viável caso você já possua extensões telefônicas para todos os PCs, caso contrário, fio por fio seria mais vantajoso usar as velhas redes Ethernet, que são mais rápidas e mais baratas.

Em termos de custo, temos uma faixa intermediária entre as redes Ethernet e as redes Wireless. Nos EUA cada placa PCI custa de 40 a 60 dólares, dependendo do modelo, menos da metade do preço das placas 802.11b, mas ainda um pouco salgado. Aqui no Brasil estes produtos ainda não são muito comuns, mas os preços não são muito mais altos que isto. Além dos PCI, existem também alguns modelos USB, que são um pouco mais caros.

Como esta é uma tecnologia destinada a usuário domésticos, o mais comum é os fabricantes oferecerem os produtos na forma de kits, com duas placas de rede, ao invés de vendê-los de forma unitária:


tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (19.17 KiB) Visto 1472 vezes


Fora a praticidade de poder utilizar as extensões telefônicas, as redes Home PNA não oferecem vantagens sobre as redes Ethernet e por isso não são difundidas quanto as redes sem fio. Apesar disso, as placas são relativamente baratas, o que deve garantir a sobrevivência do padrão pelo menos até que as redes sem fio tornem-se mais acessíveis.

Caso você se decida por este padrão, não deixe de prestar atenção se está comprando placas de 1 ou de 10 megabits. Apesar de não serem mais produzidas, ainda existe oferta de placas de 1 megabit, que são suficientes apenas para compartilhar a conexão com a Internet e transferir pequenos arquivos, caso você não tenha pressa. É possível misturar placas de 1 e 10 megabits na mesma rede mas, neste caso, as placas de 10 megabits passarão a trabalhar a apenas 1 megabit para manter compatibilidade com as placas mais lentas.
 
HomePlug Powerline

Este é mais uma tecnologia que segue a idéia de utilizar os cabos que já temos em casa ao invés de instalar mais cabos para a rede.

Mas, enquanto o HomePNA permite usar as extensões telefônicas, o HomePlug permite utilizar a própria fiação elétrica da casa, algo ainda mais prático.

Apesar dos cabos elétricos não serem exatamente um meio adequado para a transmissão de dados, o HomePlug permite velocidades mais altas que o 802.11b e o HomePNA, 20 megabits no total ou 14 megabits reais, descontando o protocolo de correção de erros utilizado para garantir a confiabilidade das transmissões através de um meio tão hostil quanto os cabos elétricos.

Descontando todas as perdas com as várias camadas de modulação e protocolos, temos velocidades de transmissão de dados de 8 a 9 megabits, uma marca respeitável, que supera por uma boa margem os 7 megabits reais das redes Ethernet de 10 megabits.

O padrão HomePlug 1.0 foi estabelecido em Julho de 2001 e os primeiros produtos começaram a ser lançados em Novembro ou seja, estamos falando de um padrão bastante novo.

Não existe um número máximo de dispositivos que podem ser adicionados à rede, mas a banda é compartilhada entre todos os dispositivos. Quanto mais dispositivos, pior será o desempenho.

O maior problema do HomePlug é que os sinais da rede se propagam por toda a instalação elétrica até o transformador da rua. Isto é um problema sobretudo em apartamentos e conjuntos residenciais, onde é comum cada prédio ou bloco compartilhar o mesmo transformador. Caso um número grande de moradores resolvesse usar redes HomePlug, sem dúvida a velocidade de transmissão decairia bastante.

Para garantir pelo menos a privacidade dos usuários, o padrão utiliza o algoritmo de encriptação DES, que utiliza chaves de 56 bits, razoavelmente seguras para os padrões atuais.

Cada interface HomePlug custa em média 100 dólares, apesar de haver perspectiva de queda para os próximos meses, já que o padrão ainda é muito novo. A tendência é que o sistema se mantenha mais barato que o 802.11b, já que não é necessário utilizar pontos de acesso, os transmissores são mais baratos e não é necessário usar a antena que responde por boa parte dos custo das placas 802.11b.

Ainda é muito cedo para dizer se o HomePlug será capaz de conquistar seu espaço competindo diretamente com as redes sem fio, mas sem dúvida o padrão tem potencial para tornar-se uma alternativa viável, principalmente considerando que já está em desenvolvimento o padrão 2.0, que aumentará a velocidade de transmissão para 100 megabits.


HomeRF

O HomeRF é mais um padrão de redes sem fio que utiliza a faixa dos 2.4 GHz, mas que acabou levando a pior com o lançamento do 802.11b.

O Home RF utiliza um protocolo chamado Shared Wireless Access Protocol, onde as interfaces de rede se comunicam diretamente, sem o uso de um ponto de acesso. Isto diminui o custo da rede, mas também compromete o alcance do sinal, que é de (em condições ideais) apenas 50 metros. É possível criar redes HomeRF com até 127 nós, mas como o mesmo canal é compartilhado por todos, quanto mais nós mais baixa será a velocidade. O ideal seria criar redes com no máximo 10 nós, segundo o recomendado pelos próprios fabricantes.

A idéia original era que o HomeRF fosse um padrão de redes sem fio de baixo custo, o que não se concretizou, já que no auge do padrão as placas não custavam menos de 100 dólares a unidade. Até aí não temos nenhuma grande desvantagem, já que mesmo hoje em dias as interfaces 802.11b custam nesta faixa de preço (sem incluir o ponto de acesso), o grande problema é que além de tudo o padrão HomeRF também é mais lento. Apenas 1.6 megabits.

Na época em que foi lançado esta era uma boa marca, já que a versão original do IEEE 802.11 transmitia a apenas 1 megabit e a segunda versão, que já utilizava modo DSSS atingia apenas 2 megabits. Como o preço das placas 802.11 era mais alto na época, o HomeRF tinha tudo para conquistar seu espaço. Foi então que surgiu o padrão 802.11b, que além de ser mais rápido, conseguiu uma razoável aceitação, permitindo que os fabricantes produzissem os componentes em maior quantidade e baixassem os preços.

O HomeRF é um padrão quase esquecido, mas que pode voltar a ser usado em aparelhos de telefone sem fio e outros dispositivos de comunicação, já que o padrão permite a transmissão de 4 chamadas de voz simultâneas.


Bluetooth

O Bluetooth é uma tecnologia de transmissão de dados via sinais de rádio de alta freqüência, entre dispositivos eletrônicos próximos, que vem sendo desenvolvida num consórcio, que originalmente incluía a Ericsson, IBM, Nokia, Toshiba e Intel.

A distância ideal é de no máximo 10 metros e a distância máxima é de 100 metros. Um dos trunfos da é a promessa de transmissores baratos e pequenos o suficiente para serem incluídos em praticamente qualquer tipo de dispositivo, começando por notebooks, celulares e micros de mão, passando depois para micros de mesa, mouses, teclados, joysticks, fones de ouvido, etc. Já tem gente imaginando um "admirável mundo novo Bluetooth" onde tudo estaria ligado entre sí e à Internet, onde a cafeteira poderia ligar para o seu celular para avisar que o café acabou, ou a geladeira te mandar um mail avisando que está sem gelo... sinceramente acho que existem usos mais úteis para essa tecnologia, mas tem louco pra tudo... :-)

A grande vantagem do Bluetooth é o fato de ser um padrão aberto e livre de pagamento de royalties, o que vem levando muitos fabricantes a se interessar pela tecnologia.

As especificações técnicas do padrão são as seguintes:

Alcance ideal: 10 metros
Alcance máximo: 100 metros (em condições ideais e com ambos os transmissores operado com potência máxima)
Freqüência de operação: 2.4 GHz
Velocidade máxima de transmissão: 1 Mbps
Potência da transmissão: 1 mW a 100 mW
A demora
O Bluetooth foi originalmente anunciado em 1998, como um padrão de transmissão sem fio que poderia ser usado universalmente. De fato, o padrão oferece grandes possibilidades, o problema é que, três anos depois do lançamento do padrão, os dispositivos bluetooth não chegaram às lojas. Afinal, o que houve com o Bluetooth?

Inicialmente imaginava-se que o Bluetooth poderia ser usado para quase tudo, desde redes sem fio até para conectar periféricos como mouses, teclados, e até mesmo eletrodomésticos entre sí.

Mas, atualmente os fabricantes vêm considerando seu uso para tarefas um pouco mais modestas. A probabilidade de utilizar o Bluetooth como um padrão universal para redes sem fio caiu por terra com o IEEE 802.11b, que é capaz de manter taxas de transferência de 11 megabits e é capaz de cobrir distâncias maiores, sem falar nos dois sucessores, o 802.11a e o 802.11g

O 802.11b pode ser utilizado para conectar PCs, notebooks e também outros dispositivos de médio porte. O problema fica por conta dos Handhelds, celulares e outros aparelhos pequenos, alimentados por baterias. Os transmissores 802.11b trabalham com um sinal bastante intenso e por isso também consomem muita energia.

O Bluetooth perde feio para o trio em termos de velocidade, pois o padrão é capaz de transmitir a apenas 1 megabit, isto em teoria, já que a velocidade prática cai para apenas 700 Kbits graças aos sinais de controle e modulação. Em compensação, o Bluetooth é uma tecnologia mais barata que o 802.11b. Atualmente os transmissores já custam, para os fabricantes, cerca de 20 dólares por unidade, um quinto do preço de uma placa de rede 802.11b. Outra diferença é que os transmissores bluetooth trabalham com uma potência mais baixa e são menores. Isso permite que eles consumam menos energia, permitindo que sejam usados também em pequenos aparelhos. Os transmissores são bastante compactos, o da foto abaixo por exemplo têm o comprimento de um palito de fósforos. Atualmente existem transmissores ainda menores, com menos de 1 centímetro quadrado.


tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (6.22 KiB) Visto 1472 vezes


Com estes dados ja dá para entender por que os fabricantes não estão mais citando o uso do bluetooth em redes sem fio, simplesmente o padrão não tem condições de competir neste segmento. A idéia agora é usar as redes Ethernet ou o 802.11b para ligar os PCs e notebooks em rede e o bluetooth como um complemento para conectar periféricos menores, como Handhelds, celulares, e até mesmo periféricos de uso pessoal, como teclados, mouses, fones de ouvido, etc.

O Bluetooth serviria então como uma opção às interfaces USB, seriais e paralelas para a conexão de periféricos. De fato, a velocidade permitida pelo Bluetooth é bem mais baixa que a das interfaces USB, estamos falando de 12 megabits contra apenas 1 megabit.

Mais um dado interessante é que a Intel vem tentando incentivar os fabricantes a abandonar o uso das interfaces seriais, paralelas, PS/2 e até mesmo do bom e velho drive de disquetes, substituindo todos estes periféricos por similares USB ou bluetooth. Esta mudança poderia finalmente possibilitar a adoção em massa do bluetooth, o que de certa forma seria bem vindo já que seria um meio muito mais simples de sincronizar dados com o palm, transferir as fotos da câmera digital, etc. não seria mais preciso instalar cabos, apenas deixar o periférico próximo do PC.

Mas, para isso ainda faltam resolver dois problemas.

Em primeiro lugar, falta a padronização definitiva do Bluetooth. O padrão 1.0 possuía vários problemas o que levou os fabricantes a trabalharem no padrão 1.1, que promete ser o definitivo. O padrão 1.1 foi estabelecido recentemente e não oferece compatibilidade com periféricos do padrão antigo. Para complicar, não existe a certeza de que não haverão novas mudanças no padrão.

Além disso, existe o problema do preço. Atualmente os transmissores bluetooth ainda custam na casa dos 20 dólares. Segundo os fabricantes, seria necessário que o valor caísse para algo próximo de 5 dólares por transmissor para que fosse viável incluir transmissores bluetooth em todos os periféricos. O valor vai continuar caindo conforme a tecnologia avança, mas pode demorar mais dois anos até que chegue até este patamar.
 
Usos para o Bluetooth
Esta é a parte futurista deste tópico. Imagine que aplicações poderão surgir ao combinarmos a natural miniaturização dos componentes e a possibilidade de conectá-los sem fios uns aos outros.

Cada aparelho têm uma certa função, mas ao interligá-los novas utilidades podem surgir, da mesma forma que novas idéias surgem quando várias pessoas trabalham em conjunto.

O celular permite realizar chamadas de voz e acessar a Internet. Mas, sua funcionalidade não é perfeita. Para atender uma chamada é necessário tirá-lo do bolso e o acesso à Web é extremamente limitado, graças ao pequeno tamanho da tela e da pequena capacidade de processamento do aparelho.

Um Palm (ou outro Handheld qualquer) tem bem mais recursos que o celular, mas ao mesmo tempo não tem acesso à Web. Existem alguns aparelhos que tentam juntar as duas coisas, o que acaba resultando num celular bem maior que o habitual que traz um Palm embutido.

Mas, caso os dois aparelhos viessem equipados com transmissores bluetooth seria possível acessar a Web através do Palm, com muito mais recursos que no celular, utilizando sem precisar tirar o celular do bolso. Como apartir dos próximos meses teremos celulares 2.5G (e no futuro os 3G) que ficarão continuamente conectados à Web, a parceria seria muito bem vinda.

Imaginando que este Palm do futuro tivesse memória suficiente, ele poderia ser usado também para gravar as chamadas de voz, servir como secretária eletrônica e outros recursos semelhantes.

Podemos agora adicionar um terceiro dispositivo, um fone de ouvido. Este fone, estaria ligado tanto ao celular quando ao Palm. Existem transmissores bluetooth pequenos o suficientes para serem usados num fone de ouvido sem fio. Já existem até alguns produtos, como o da foto:

tecnologia.jpg
tecnologia.jpg (5.12 KiB) Visto 1472 vezes


Este fone de ouvido com microfone permitiria adicionar mais recursos aos outros dois aparelhos. Seria possível tanto ouvir músicas em MP3 e gravar notas de voz através da conexão com o Palm, quanto usá-lo para atender as chamadas no celular. É possível imaginar mais funções, como por exemplo acessar dados na agenda de compromissos do Palm através de comandos de voz. Seria estranho sair falando sozinho no meio da rua, mas é mais uma possibilidade, enfim.

Temos aqui o que pode ser chamada de PAN ou Personal Area Network, uma rede pessoal, entre os dispositivos que carrega nos bolsos.

Ao chegar em casa, o Palm automaticamente formaria uma rede com o PC. Isso permitiria configurá-lo para automaticamente fazer o sincronismo periodicamente, sem a necessidade do velho ritual de colocá-lo no cradle, apertar o botão e esperar. Seria possível também programar outros tipos de tarefas.

Se você tivesse uma câmera digital existiria a possibilidade de transferir automaticamente as fotos para o PC ou o Palm, ou mesmo enviá-las via e-mail ou salvá-las num disco virtual usando a conexão do celular.

Estes claro são alguns exemplos, existem muitas outras aplicações possíveis aqui. A idéia seria fazer todas as conexões que seriam possíveis utilizando fios mas de uma forma bem mais prática. Se realmente conseguirem produzir transmissores bluetooth por 5 dólares cada um, isto tem uma grande possibilidade de acontecer.

Veja que entre as aplicações que citei, não estão planos de criar redes usando apenas o bluetooth, o padrão é muito lento para isto. Ele serviria no máximo para compartilhar a conexão com a Web entre dois PCs próximos e compartilhar pequenos arquivos. Para uma rede mais funcional seria preciso apelar para os cabos de rede ou um dos padrões de rede sem fio que citei a pouco, que são mais rápidos e têm um alcance maior que o bluetooth.

Finalmente, outra área em que o Bluetooth será muito útil é nas Internet Appliances. Se você nunca ouviu o termo, estes são periféricos que oferecem alguma funcionalidade relacionada à Web. O conceito pode ser usado para adicionar recursos à maioria dos eletrodomésticos, mas algum tipo de conexão sem fio é essencial para tudo funcionar.

Na casa do futuro é fácil imaginar um PC servindo como servidor central, concentrando recursos que vão desde espaço em disco e conexão à web até poder de processamento. Todos os outros dispositivos podem utilizar os recursos do servidor.

Veja o caso do aparelho de som por exemplo. Ao ser conectado ao PC passa a ser possível reproduzir as músicas em MP3 armazenadas nele, sem a necessidade de transferi-las antes para o aparelho. Com isso, cortamos custos, já que o aparelho de som não precisará de memória flash ou muito menos de um HD para armazenar as músicas. Com a centralização, todos os eletrodomésticos poderão ser controlados remotamente. Se o PC ficar conectado continuamente à Web (quem sabe via fibra óptica, já que estamos imaginando alguns anos à frente) será possível controlar tudo de qualquer lugar, usando o celular ou outro dispositivo com conexão à web.

O interessante é que não estamos falando de um grande aumento no custo do aparelhos. Como eles não precisarão nem de muita memória nem de um processador sofisticado, já que tudo será processado pelo PC central, bastarão os sensores necessários, um chip de controle simples e o transmissor bluetooth. Presumindo que o transmissor custe os 5 dólares prometidos pelos fabricantes, teríamos um aumento de preço em torno de 15 dólares por aparelho, algo aceitável se alguém tiver boas idéia para adicionar funcionalidade à cada um.

Como funciona o Bluetooth
Numa rede Bluetooth, a transmissão de dados é feita através de pacotes, como na Internet. Para evitar interferências e aumentar a segurança, existem 79 canais possíveis (23 em alguns países onde o governo reservou parte das freqüências usadas). Os dispositivos Bluetooth têm capacidade de localizar dispositivos próximos, formando as redes de transmissão, chamadas de piconet. Uma vez estabelecida a rede, os dispositivos determinam um padrão de transmissão, usando os canais possíveis. Isto significa que os pacotes de dados serão transmitidos cada um em um canal diferente, numa ordem que apenas os dispositivos da rede conhecem.

Isto anula as possibilidades de interferência com outros dispositivos Bluetooth próximos (assim como qualquer outro aparelho que trabalhe na mesma freqüência) e torna a transmissão de dados mais segura, já que um dispositivo "intruso", que estivesse próximo, mas não fizesse parte da rede simplesmente não compreenderia a transmissão. Naturalmente existe também um sistema de verificação e correção de erros, um pacote que se perca ou chegue corrompido ao destino será retransmitido, assim como acontece em outras arquiteturas de rede.

Para tornar as transmissões ainda mais seguras, o padrão inclui também um sistema de criptografia. Existe também a possibilidade de acrescentar camadas de segurança via software, como novas camadas de criptografia, autenticação, etc.

Consumo elétrico
Os dispositivos Bluetooth possuem um sistema de uso inteligente da potência do sinal. Se dois dispositivos estão próximos, é usado um sinal mais fraco, com o objetivo de diminuir o consumo elétrico, se por outro lado eles estão distantes, o sinal vai ficando mais forte, até atingir a potência máxima.

Dentro do limite dos 10 metros ideais, o consumo de cada transmissor fica em torno de 50 micro ampères, algo em torno de 3% do que um celular atual, bem menos do que outras tecnologias sem fio atuais. O baixo consumo permite incluir os transmissores em notebooks, celulares e handhelds sem comprometer muito a autonomia das baterias.






Fonte: http://www.guiadohardware.net/tutoriais ... parte.html