•  
     

Mugabe diz que negociará com oposição se Governo for reconhe

Mugabe diz que negociará com oposição se Governo for reconhecido

Harare, 4 jul (EFE) - O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, afirmou hoje que só negociará com a oposição se essa o reconhecer primeiro como o legítimo governante do país.



"Eu sou o presidente do Zimbábue e todos terão que aceitar isso se quiserem que dialoguemos", disse Mugabe perante milhares de seus seguidores que o receberam à sua chegada do Egito, onde participou, no início da semana, de uma cúpula da União Africana (UA).



Mugabe foi eleito para um sexto mandato consecutivo no segundo turno das eleições presidenciais, em 27 de junho.



Ele participou do pleito sozinho, após o líder do opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC, em inglês), Morgan Tsvangirai, retirar sua candidatura devido à onda de ataques e assassinatos contra os partidários da oposição.



O MDC diz que 103 de seus simpatizantes foram assassinados, 1.500 detidos, entre eles 20 de seus deputados eleitos ao Parlamento, e outros cinco mil desapareceram, desde o primeiro turno das eleições presidenciais e legislativas, realizadas conjuntamente em 29 de março.



A comunidade internacional não reconheceu o Governo de Mugabe, já que a segunda rodada não foi livre nem justa, e só considera válidos os resultados do primeiro turno.



Tsvangirai venceu na primeira fase das eleições presidenciais, mas, segundo a Comissão Eleitoral do Zimbábue (ZEC), organismo nomeado por Mugabe, não obteve o número de votos para uma maioria direta e era necessário um segundo turno.



Na 11ª Cúpula da UA, realizada entre segunda e terça-feira em Sharm el-Sheikh (Egito), os chefes de Estado e de Governo africanos analisaram a crise política no Zimbábue e recomendaram que o Governo de Mugabe e o MDC entrem em negociações para limar as diferenças e resolver os problemas do país.



Tsvangirai afirma, no entanto, que as condições que vigoram atualmente no país não são favoráveis a uma negociação, pois as milícias do partido governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF) e as forças de segurança continuam atacando os simpatizantes do MDC.



"Se desejam iniciar um diálogo, é essencial que a Zanu-PF coloque fim à violência e à perseguição contra os líderes e seguidores do MDC", disse Tsvangirai na quarta-feira em entrevista coletiva em Harare após analisar as recomendações da UA.



O MDC, que obteve maioria parlamentar nas eleições legislativas, afirma que continua "comprometido com negociações" que tenham como base os resultados da votação de março.



No entanto, em seu pronunciamento de hoje, Mugabe rejeitou taxativamente a exigência de que Tsvangirai e o MDC, como partido majoritário no Parlamento, devem liderar esse Governo de transição.



"Tsvangirai e seu grupo devem se esquecer de suas pretensões de poder, nós estamos abertos ao diálogo, mas a realidade é a realidade e tem que ser aceita", disse Mugabe, que especificou que a oposição "se engana se pensa que os resultados de 27 de junho serão anulados e que nós renunciaremos à Presidência". EFE



Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,M ... 02,00.html