•  
     

Mosteiro aponta mistérios sobre cruz de Cristo

A apenas dois quilômetros da Cidade Antiga de Jerusalém há um mosteiro desconhecido para muitos aldeões e peregrinos, construído onde se acredita que cresceu a árvore da qual foi extraída a madeira para a cruz de Cristo.
Trata-se de um robusto edifício de pedra rosada que se assemelha a uma fortificação, localizado no chamado Vale da Cruz, onde há muita vegetação, e a poucos metros do Knesset (Parlamento) e do Museu de Israel.

"Sobre uma montanha perto de Jerusalém há um vale muito fértil e bem cultivado, no qual se situa uma igreja nobre (...). Ali em um altar pouco profundo, se faz reverência ao lugar em que se ergueu o tronco" do qual a cruz foi feita, relatava em seu guia um peregrino do tempo das Cruzadas.

Não há provas científicas que confirmem de qual madeira foi construída a cruz de Jesus, mas a tradição diz que foi de uma oliveira - típica da região desde épocas bíblicas - e que a árvore foi plantada há cerca de 35 séculos.

Construído entre os séculos V e VI no vale que, segundo algumas fontes, já havia sido descoberto por Santa Elena, mãe do imperador romano Constantino, o edifício foi reconstruído por um rei georgiano no século XI, e ao longo de sua história foi parcialmente saqueado, embora nunca destruído.


O mosteiro como o conhecemos hoje é de estilo bizantino e pertence à Igreja Greco-Ortodoxa desde o século XVII.

Uma porta de pequenas dimensões de madeira chapada em metal conduz ao interior do recinto, que da mesma forma que a Basílica da Natividade de Belém, obriga o visitante a se agachar.

Deixando para trás alguns pátios com árvores frutíferas e cantos de pássaros, chega-se à parte principal da igreja, ante-sala de um pequeno santuário sob uma abside.

O altar repousa sobre uma pequena gruta relacionada a uma lendária tradição que se manteve através dos séculos. Segundo a lenda, nesse local o patriarca Abraão plantou para seu sobrinho Lot três báculos que lhe foram deixados por três anjos que o visitaram antes do fatídico desenlace de Sodoma e Gomorra.

Após a destruição das cidades bíblicas, foi ordenado a Lot que os regasse com a água do rio Jordão como penitência por seus pecados.

"Lot regou a planta durante 40 anos e dela cresceu uma árvore com um só tronco e três bifurcações de onde se extraiu posteriormente a madeira com a qual se elaborou a cruz", explica à agência Efe o superior do mosteiro.

A tradição também diz que essa madeira foi rejeitada pelo rei Salomão para a construção do templo judeu de Jerusalém. Todas essas lendas chegaram aos peregrinos graças às pinturas, algumas de 300 e 400 anos atrás, que representam a vida de Cristo, figuras do Antigo Testamento e arcaicos santos cristãos.


As referências à cruz são constantes e o abade explica que "se trata do símbolo mais importante dos seguidores de Jesus, o selo distintivo para todo cristão, não importa se é ortodoxo, da Igreja Católica Apostólica Romana ou Protestante".

O mosteiro foi um seminário até 1910, com celas para 400 monges, embora atualmente seu único residente seja o superior, que lembra que o lugar foi sede "da primeira universidade de Teologia da Terra Santa".


A igreja foi restaurada recentemente e os mosaicos que pavimentam seu chão, assim como seus muros, se conservam em bom estado.

O vice-custódio da Terra Santa, o franciscano Artemio Vítores, reconhece que ao se tratar de um santuário ortodoxo, o lugar não é freqüentado pelos peregrinos pertencentes à Igreja Católica, "apesar de marcar um lugar tão importante relacionado com a cruz".

Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/inte ... 08,00.html
 
MANDA ESTE HOMENS TIRA AS ESCAMA DO ROSTO ELES ESTÃO CEGO