•  
     

Mistérios na Origem do Homem

Quando Charles Darwin, na metade do século passado, percebeu o alcance de sua teoria sobre o mecanismo da evolução das espécies, ele ficou literalmente paralisado de medo. A conseqüência lógica e irrefutável de tudo o que ele tinha descoberto era que a espécie humana não teria sido criada separadamente dos outros seres vivos, como afirmavam as Escrituras das três maiores religiões monoteístas, mas sim evoluído a partir de espécies inferiores e já extintas, antecessoras dos macacos antropóides, como o chimpanzé, o gorila e o orangotango.

Na época, este era um conceito muito difícil de ser aceito. Primeiro, porque ia contra os dogmas religiosos, que ainda ocupavam um lugar central no comando das sociedades ocidentais, especialmente a Inglaterra. Darwin tinha tido uma educação teológica em Cambridge, estava destinado a ser um pároco da Igreja Anglicana, e descendia de uma próspera família de proprietários rurais, profissionais liberais e industriais. Seus amigos eram todos conservadores ou ligados à religião e ao governo, fortemente opostos à noção da evolução das espécies como um mecanismo independente do Criador. Segundo, porque temia-se que, ao aceitar esse conceito, o homem perderia seu lugar especial na Criação, rebaixando-se a ser mais um animal entre os animais, e "liberando os instintos mais baixos" da população, que poderia se revoltar contra o governo, e instaurar a anarquia tão temida pelos governantes (não devemos nos esquecer que a influência da Revolução Francesa ainda se fazia sentir, e que o socialismo acabava de nascer como movimento político e social, ameaçando tirar o poder dos velhos privilégios da monarquia, da elite econômica, etc.).

Em terceiro lugar, porém, havia um argumento científico sólido contra a hipótese avançada por Darwin e seus seguidors: até então não havia nenhuma evidência concreta de que o registro fóssil mostrasse ter havido essa progressão de proto-homens ("hominídeos").

O castelo cuidadosamente montado pelos opositores a Darwin começou a desmoronar quando descobriram-se os primeiros esqueletos de um ser evidentemente muito mais primitivo que o Homo sapiens sapiens (a espécie moderna do ser humano), o Homem de Neandertal. Descoberto por escavações em minas no vale do rio Neander, na Alemanha (Tal significa vale em alemão), as observações mostravam um ser com postura ereta, corpo e membros praticamente iguais aos nossos, mas com um crânio com semelhanças aos de um gorila. Essa descoberta, embora tenha sido refutada na época como possivelmente pertencendo a seres humanos deformados ou aleijões, acabou se consolidando com achados em várias outras partes da Europa e Oriente Médio, e provocou uma enorme polêmica. Mostrou, pela primeira vez, que havia o registro histórico de um ser muito semelhante ao homem, que não mais existia, e que podia ser um passo intermediário entre macacos e homens. Deu um grande impulso à aceitação das teorias de Darwin pelos cientistas e incentivou a busca desenfreada por homens cada vez mais primitivos, o que veio a acontecer somente no século XX, primariamente na África, mas também na Ásia e Oceania.

Crânio do Australopithecus afarensis, um dos mais antigos hominídeos encontrados

1.jpg
1.jpg (36.86 KiB) Visto 4301 vezes


Crânio do Australopithecus africanus, um hominídeo mais recente que o afarensis.

2.jpg
2.jpg (36.82 KiB) Visto 4334 vezes


Crânio do Homo habilis, uma das primeiras espécies africanas do gênero
Homo


3.jpg
3.jpg (38.63 KiB) Visto 4208 vezes


Crânio de um Homem Neandertal (que já era um Homo sapiens)

4.jpg
4.jpg (37.01 KiB) Visto 4142 vezes


A ciência chegou à conclusão que realmente o homem evoluiu gradativamente a partir de espécies que hoje sabemos terem se originado na África sub-equatorial, entre 5 a 6 milhões de anos atrás. A imaginação fértil dos vitorianos elaborou o conceito do "elo perdido", ou seja, a espécie que teria sido comum aos homens aos demais antropóides, gerando duas linhas de "primos" muito próximos. Esse homem-macaco ainda não foi encontrado até hoje, mas descobertas recentes feitas pelos cientistas na África têm empurrado cada vez mais para o passado a existência dessa espécie. Por outro lado, descobriu-se que o Neandertal não é nosso antepassado, mas sim uma sub-espécie que surgiu em paralelo com o Homo sapiens sapiens (também chamado de Cro-Magnon, a partir de uma localidade da França onde se acharam fósseis), e que se extinguiu cerca de 60 mil anos atrás, por motivos desconhecidos. Ambos descendem de duas espécies de homens mais primitivos, que entre um milhão a 500 mil anos atrás começaram a emigrar da África para outros continentes, o Homo erectus e o Homo habilis. O Homo sapiens sapiens provavelmente tem apenas 100 mil anos de existência como espécie independente, um período extremamente curto em termos geológicos ou mesmo para a idade total do gênero Homo. Estamos há muito pouco tempo na superfície deste planeta...

5.gif
5.gif (13.61 KiB) Visto 4045 vezes


Árvore genealógica do Homo sapiens. O Ardipithecus ramidus é o hominídeo mais antigo encontrado. O ponto de interrogação marca o que seria a espécie tronco comum entre macacos antropóides e o gênero Homo.

Uma conclusão muito impactante do estudo dos hominídeos é que provavelmente existiram muitas espécies de nossos antecessores que se extingüiram sem deixar marcas. A linha sobrevivente, em determinadas épocas históricas, chegou a ter um número extremamente reduzido de indivíduos. Um estudo recente do RNA mitocondrial (um tipo de ácido nucleico que é transmitido apenas através da linha feminina, diferentemente do DNA, que tem componentes maternos e paternos) mostrou que houve uma época no passado que existiam apenas cerca de 40.000 seres humanos em toda a face da Terra. Qualquer grande desastre climático ou epidemia teria inviabilizado essa espécie e eu não estaria escrevendo hoje no Correio, ou vocês lendo minhas colunas... Essa é uma noção simplesmente fascinante para mim. Esses estudos de biologia molecular também evidenciaram que toda a humanidade descende provavelmente de não mais do que seis indivíduos, que habitaram a África meridional, sendo que uma dessas mulheres (que poderiamos chamar, apropriadamente, de Eva), é responsável por 60% de todos os genomas da humanidade atual), enquanto que outras cinco são responsáveis pelos 40% restantes!

Chegaremos um dia a descobrir o "elo perdido". Não se sabe. Quanto menor o número de indivíduos que chegaram a existir dessa espécie, mais raro é o registro fóssil, e menores as chances de o descobrirmos. Existem limites para a preservação desses fósseis por tantos milhões de anos. Mas, se for feita, será uma descoberta fundamental para a recuperação da nossa história como espécie.
 
A ciência diz que o homem veio do macaco e o cristianismo diz que Deus criou o homem.

E você o qual a sua opnião sobre esse assunto?
 
Na minha opinião foi Deus que criou o homem :!: :!: ...
Se o homem veio do macaco, poque os macacos de hoje não vira homem :?: :?: :?:
 
Esses crânios são fictícios, e muitas as vezes fruto de imaginação, por isso não lhes dou crédito.
 
Como você afirma isso com tanta certeza, tem alguma provas que possa desmentir a existência desses crânios?
 
esses cranios se evoluiram muitos desde da idade da pedra nem parece q o cranio do ser humano mudou tanto de la pra ka
 
xD..., interessante..
 
Pode até ser mais eu não acredito...
 
Concordo com o kabral
 
Isabel Escreveu:Pode até ser mais eu não acredito...

[2]