•  
     

Médica dá à luz trigêmeos idênticos no Paraná

Parto foi feito em 16 de abril e crianças ficaram internadas na UTI.
Chance do caso ocorrer é de um em 200 milhões, diz médico pediatra.


Médica dá à luz trigêmeos idênticos no Paraná.jpg
Médica dá à luz trigêmeos idênticos no Paraná


A médica Ana Cecília Spautz, 34 anos, deu à luz trigêmeos idênticos em 16 de abril deste ano, no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba. As crianças ficaram internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para ganhar peso e, nesta terça-feira (30), a última recebeu alta.

A primeira filha a nascer foi Ana Clara, com 1,250 quilo; a segunda foi Helena, com 945 gramas; e a terceira foi Laura, com 900 gramas.

Laura recebeu alta e foi para casa neste fim de semana. Ana Clara foi liberada da UTI em 4 de junho e Helena saiu do hospital no sábado (20). Laura foi a última a sair do hospital.

Ana Clara, Helena e Laura nasceram em 16 de abril deste.jpg
Ana Clara, Helena e Laura nasceram em 16 de abril deste


De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, o caso das trigêmeas vai entrar na história da medicina brasileira por se tratar de um caso de trigêmeos univitelinos, ou seja, idênticos.

Ainda segundo informações do hospital, o caso ocorre quando o óvulo é fecundado pelo espermatozóide e se divide em dois e em seguida há uma nova divisão. Os médicos do hospital informaram que a literatura médica descreve que esse tipo de fecundação ocorre na proporção de uma a cada 200 milhões.

A médica e mãe Ana Cecília teve uma gestação de 28 semanas e cinco dias, o equivalente a mais de sete meses. As meninas nasceram de cesariana. “A gestação de trigêmeos idênticos é considerada de alto risco e necessita de acompanhamento cuidadoso”, disse o ginecologista obstetra Carlos Miner Navarro, do Hospital Nossa Senhora das Graças.

Os pais, Ana Cecília e Cleverton Spautz, têm outra filha, Maria Luíza, de 2 anos e 9 meses. “Levamos um susto com a notícia, mas depois ficamos muito felizes”, disse a mãe, que utiliza leite especial para se adaptar à rotina de amamentação. “Elas mamam três vezes por dia e faço uma complementação”.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,, ... ARANA.html