•  
     

Lenda da Árvore do Diabo

Conta-se que no centro da freguesia de São Jorge, próximo de uma nascente, havia um enorme carvalho tão velho que ninguém conseguia descortinar ao certo qual a sua idade. Nenhuma tempestade que assolava a freguesia conseguia abalar toda a sua imponência e resistência. Enquanto as aves evitavam construir nela os seus ninhos, os fregueses, por seu lado, nutriam por ele certo respeito e receio. Algumas pessoas, afirmavam a pés juntos, já terem visto pássaros sem sinal de vida junto do seu tronco e algumas luzes esquisitas a dançarem nos seus ramos, sobretudo, nas noites mais escuras. Para os fregueses, o carvalho era descendente do supremo ser maligno: o diabo.

carvalho-lenda.jpg
carvalho-lenda.jpg (39.86 KiB) Visto 2273 vezes


Os mais idosos afirmavam que outrora existira uma fonte nas suas proximidades que fora, progressivamente, por ele totalmente absorvida, privando os moradores daquele tão precioso líquido.
Também se dizia que o seu tronco apresentava estranhamente uma insondável concavidade que dava passagem para os medonhos abismos subterrâneos, embora insuficientes para abalar toda a sua envergadura. Perante tamanhas forças, acreditavam que ele ditava o oráculo relativamente à eternidade: quando alguém proferia o seu nome junto da concavidade e não obtinha resposta, isso significava que o seu nome estava escrito no céu, mas, se fosse novamente expelido, então era sinal que já fazia parte da lista dos condenados. Quando ocorria esta última possibilidade, a penitência purificadora tinha de ser redobrada.
Corre notícia que certo dia um caçador furtivo perseguia uma lebre que saltara para dentro da reentrância para escapulir-se da pontaria da caçadeira. No ensejo de apanhá-la com vida, o caçador também se enfiou pelo buraco adentro sem, todavia, nunca mais dar notícias do seu paradeiro. A passagem secreta que ligava os submundos sem fim tinha-se aberto e engolido o caçador e a lebre, que não era lebre, mas, sim, o tinhoso dissimulado.
Um dia, o carvalho carcomido pelo tempo, caiu estrondosamente para alívio de todos.






Fonte: http://jornale.com.br/wicca/?p=462