•  
     

iPhoto'09 organiza o "quem" e o "onde" nas suas fotos

Recursos Faces e Places ampliam os conceitos de ordenação de imagens no programa, mas essas não são as únicas novidades do iPhoto.

Dos cinco aplicativos do pacote iLife, o iPhoto tem o maior apelo ao consumidor final. Afinal, quase todo mundo tem fotos no seu Mac e, conforme nossas bibliotecas de imagem crescem, também fica mais difícil gerenciar as fotografias.

Com o iPhoto’08, a Apple tentou simplificar o gerenciamento de fotos ao introduzir o conceito de eventos, que arruma as fotos automaticamente baseado em quando elas foram tiradas. No iPhoto’09, a Apple adicionou dois novos componentes à equação – onde e quem – ajudando a dar mais contexto às imagens, além de ampliar as opções de compartilhamento, com sites como Facebook e Flickr. Apesar de apresentar alguns problemas pontuais, o iPhoto’09 é, na média, um bom upgrade.

A Apple não fez muitas modificações na interface do iPhoto’09. O painel de organização (chamado de Source List) agora traz itens para os recursos Faces e Places, e a área Projects se chama agora Keepsakes. De resto, a estrutura continua quase idêntica à versão anterior.

Faces
O Faces, sem dúvida, é a novidade mais atraente do iPhoto’09 com sua tecnologia de reconhecimento de faces. Conforme você adiciona novas fotos à biblioteca, o programa busca por áreas que lembram rostos. Se encontra um (ou mais de um), o iPhoto tenta encontrar outras com as mesmas características - formato, olhos, boca, nariz, entre outros – em rostos similares na biblioteca.

Já falamos do Faces em outro artigo, mas é bom trazer o recurso à realidade. O reconhecimento de face não é algo sexy que você vê em programas de TV, quando todo mundo é descoberto instantaneamente e de forma correta. O iPhoto ignorou muitos rostos, e chegou até a considerar alguns objetos inanimados como pessoas. E, apesar de alguns relatos na web, o iPhoto nunca reconheceu meus gatos, mesmo quando eu tentei forçar a barra.

E lidar com o Faces é um trabalho contínuo. O iPhoto não faz nenhuma idéia, mesmo conforme cresce sua biblioteca, que uma nova imagem tem seu tio ou seu pai. Você precisa usar o botão Name na janela Faces para verificar e esclarecer.

Conforme inseri novas fotos à biblioteca em alguns dias (ultrapassando 10 mil imagens), o iPhoto ficou cada vez melhor para reconhecer as pessoas mais importantes nas minhas fotos. Isso faz bastante sentido, já que havia mais referências daquelas pessoas entre as fotos. Apesar dos pequenos problemas, o Faces impressiona.

Places
Depois do “quem”, a Apple refinou o “onde” das suas fotos com o Places. Se você tem uma câmera com GPS integrado, como um iPhone 3G, uma Nikon Coolpix P6000 (ou até mesmo o iPhone original, com seu recurso de localização por triangulação de Wi-Fi), quando importar as imagens para o iPhoto os dados de localização serão incluídos e armazenados na base de dados Places do programa. Se você não tem uma câmera com GPS, pode inserir os locais manualmente pela caixa de diálogo MyPlaces, que usa o Google Maps para buscar e marcar os pontos.

Quando você tem vários locais configurados nas suas fotos, a janela Places mostra mapas das suas fotos, e você navega pelo painel Browse para ver onde elas foram tiradas.

O Places também tem seus probleminhas: não existe um modo de desfazer (Undo) quando se modifica um local – isso pode causar danos se você selecionou e modificou um grupo de imagens já perfeitamente localizadas.

Seria bom poder copiar e colar dados de uma foto para outra, e se você adiciona locais na Ásia, alguns mapas aparecem com caracteres localizados (Kanji, por exemplo), embora o Google Maps mostre ruas e nomes de locais em inglês (quando você acessa o mapa pelo navegador do Mac). A Apple já reconheceu o problema, dizendo que isso envolve a comunicação com o Google Maps – mas não tem previsão para uma solução imediata.

Compartilhamento
O iPhoto’08 trouxe um novo recurso de compartilhamento na web, mas era preciso ter uma conta paga no .Mac (atual MobileMe) para enviar as fotos. Agora, a Apple reconhece que existem outros locais que as pessoas querem compartilhar imagens, e permite o envio direto para o Facebook e para o Flickr.

A interface para criar álbuns nos dois sites vai direto ao ponto. Digite seu nome de usuário e senha, selecione um grupo de fotos, um álbum ou evento e clique no ícone do Facebook ou do Flickr na barra de ferramentas do topo da tela.

Aparecem, então, opções para quem pode ver a foto e, no caso do Flickr, o tamanho da imagem o iPhoto envia automaticamente a galeria. Quando o upload termina, você pode ver e editar as fotos no serviço online, designando tags e títulos. O iPhoto irá sincronizar as mudanças feitas, baixando novas imagens ou apagando outras (mas só da galeria, não da biblioteca).

Como o Facebook também tem um mecanismo de marcação de rostos, quaisquer nomes que você identificar via Faces vão aparecer nas fotos do Facebook. E o Facebook também sincroniza rostos identificados com suas galerias do iPhoto.

Ainda no compartilhamento de imagens, a Apple aprimorou o recurso de slideshows do iPhoto. Agora o programa traz novos temas, oferece mais controle sobre as transições (incluindo criar listas de música instantaneamente) e um melhor mecanismo para exportar os álbuns para múltiplos formatos.

Edição
A Apple também fez pequenas melhorias nos recursos de edição do iPhoto, com algumas novidades vindas do Aperture – como os controles Vibrancy e Definition. O último ajusta o contraste de um modo mais refinado que o Contrast, e o Vibrancy ajusta a saturação, mas minimiza o efeito nos tons de pele de uma foto.

O Aperture, pelo visto, também influenciou os controles Shadow e Highlight, e o pincel Retouch tem melhor detecção de bordas (não é um substituto para um editor completo como o Photoshop, mas faz um bom trabalho para pequenos pontos).

E agora, ao clicar no botão Enhance da barra de ferramentas, as mudanças feitas à imagem aparecem no painel Adjust: você consegue ver exatamente quais controles foram modificados – é bom para entender o que aconteceu e ajuda a voltar atrás em uma ou outra configuração.

Pontos fracos
Embora o iPhoto funcione muito bem, ainda tem alguns pontos fracos. O painel Effects, por exemplo, não oferece efeitos compensadores. As conversões para preto e branco são limitadas, e as ferramentas de vinheta e mate ainda criam resultados forçados.

E quem pensa em integrar o Faces e o Places a fluxos de trabalho do Automator ou do Apple Script (para importar fotos de outros programas ou usar dados de localização e fotos com outros aplicativos para Mac), a Apple inexplicavelmente deixou de fora a compatibilidade com esses recursos no iPhoto’09.

O programa é bastante estável, mas encontramos algumas falhas aqui e ali. Por exemplo, ao sair do modo de edição, as janelas de retoque e cor continuavam na tela, e alguns colegas de redação viram caixas com borda preta ao confirmar pessoas no painel Faces.

Recomendação de compra da Macworld
Ao focar nas pessoas e nos lugares presentes nas nossas fotos – e como nós compartilhamos essas imagens – a Apple tornou mais fácil categorizar, buscar e trocar fotos com o iPhoto’09. Gostaríamos de ver alguns desses recursos novos mais alinhados e automatizados, mas a versão mais recente é um sólido passo à frente.

Fonte: http://macworldbrasil.uol.com.br/review ... uas-fotos/