•  
     

Hino no basquete - em vez de vaias, aplausos

Em 2003, a jovem Natalie Gilbert, então com 13 anos, engasgou ao cantar o hino dos Estados Unidos antes da partida entre o Portland Trail Blazers e o Dallas Mavericks pelos playoffs da NBA. Mas antes que a situação piorasse, Maurice "Mo" Cheeks, treinador dos Blazers, ajudou Natalie a cantar o hino até o fim. O resultado? 20 mil pessoas de pé, cantando e aplaudindo.





Maurice treinador dos Blazers em vez de rir foi ajudar Natalie a cantar e 20 mil pessoas aplaudiram os dois.
 
Viram, em vez de criticar as pessoas, tente ajudar.