•  
     

Freiras mumificadas achadas juntas em tumba do Mosteiro da L

Freiras mumificadas achadas juntas em tumba do Mosteiro da Luz morreram em épocas diferentes

SÃO PAULO - As duas freiras enterradas na mesma tumba, em uma parede de taipa do Mosteiro da Luz, morreram em épocas diferentes. Esta, pelo menos, é a conclusão preliminar da equipe que estuda a descoberta das múmias.


28_MHG_sp_mumias3.jpg


Um dos principais indícios é a posição dos corpos. A freira que está junto da parede, de lado, morreu primeiro. Ela encontra-se em posição anormal e improvável para uma urna funerária - explica o arqueólogo Sergio Francisco Monteiro da Silva, professor de arqueologia forense da Academia de Polícia e do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP.

Sergio Francisco observa que só um corpo mumificado ficaria naquela posição.

- Quando morreu a segunda freira, o corpo da primeira, já mumificado, foi empurrado para o lado.

Segundo o professor, por causa do peso da camada de terra fresca jogado sobre ele, o corpo sofreu ligeira inclinação, e as pernas caíram para o lado esquerdo.

Outro indício é o molde do corpo na terra. Sergio Francisco diz que a primeira freira tinha 1,55m de altura e compleição física mais cheia. Quando ela foi retirada do local para a colocação da outra freira, as impressões ficaram no barro.

Sergio Francisco acredita que as freiras já estavam bem velhinhas quando morreram. A que se encontra com as mãos unidas, segurando um terço de contas vegetais, tinha apenas um dente no maxilar.

O fato de ela estar com a boca aberta é conseqüência do ressecamento natural. Na opinião do professor, a mumificação dos corpos ocorreu por um processo natural, já que, em uma primeira análise, nenhuma das múmias apresentava sinais de produtos utilizados para preservação.

Segundo o especialista, é possível até que algum órgão interno esteja conservado. Para o professor José Luís de Moraes, diretor do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, o encontro das múmias é de vital importância para historiadores, arqueólogos e cientistas do país.

- O estado de conservação dos corpos interessa à arqueologia. A cena do sepultamento dá indicações do significado da morte para as irmãs, do ritual. Além disso, há várias possibilidades de fazer ensaios com análises - afirmou.


fonte: http://oglobo.globo.com/sp/mat/2008/02/... 999156.asp
 
são corpos incorruptiveis,levaram uma vida santa 8-)