•  
     

Filme sobre a vida de Lula começa a ser rodado

Dirigido por Fabio Barreto, 'Lula, o filho do Brasil' deve estrear este ano.
Cinebiografia tem como cenário Garanhuns, no agreste de Pernambuco.


No interior de Pernambuco, numa região massacrada pela seca, a perspectiva maior dos seus personagens se limita a permanecer vivo no dia seguinte. Ao enxergar tal região, onde a pouca água que há é barrenta e precisa ser compartilhada com animais, entende-se a razão da falta de esperança.

Lula-o-filho-do-Brasil.jpg
Cena de 'Lula, o filho do Brasil', dirigido por Fabio Barreto (Foto: Otávio de Souza/Divulgação)


Quando se convive com essa realidade, até mesmo por poucos dias, é difícil acreditar que foi desse local que uma pessoa saiu e conseguiu se tornar presidente do maior país da América Latina. É justamente isso que o cineasta Fábio Barreto pretende com o filme "Lula, o filho do Brasil", que começou a ser rodado esta semana no município de Garanhuns, Agreste de Pernambuco, a 225 quilômetros da capital.

“O Luiz Inácio Lula da Silva que fundou o PT e que se tornou presidente todo mundo conhece. O que as pessoas não conhecem, tanto no Brasil como fora, é onde esse homem nasceu, em que condições ele migrou para São Paulo, o que ele estudou, como ele viveu e virou operário, como ele virou um líder sindical”, explica.

Lula-o-filho-do-Brasil2.jpg
O longa-metragem deve estrear ainda este ano (Foto: Otávio de Souza/Divulgação)


Adaptação

De acordo com o diretor, o filme é baseado no livro homônimo da historiadora Denise Paraná e pretende levar essa realidade às telas do cinema ainda este ano. “Começamos a gravar esta semana em Pernambuco, finalizamos até julho e fazemos a estréia em setembro ou outubro, no máximo”, revela o diretor.

O filme vai abordar a trajetória de vida de Luiz Inácio Lula da Silva, desde o seu nascimento até a morte da sua mãe, a dona Lindu. No período, Lula estava preso e teve a permissão de sair

Para contar a história, a produção deve consumir aproximadamente R$ 12 milhões. “É um filme que vai de 1945, que é o nascimento dele, a 1980. Nós passamos por várias fases do Brasil. Fazer um filme que atravessa todas essas épocas com fidelidade custa muito caro. Por isso, é um filme que tem um orçamento alto para os padrões de um filme brasileiro. Comparar isso com um padrão orçamentário de um filme produzido em Hollywood não é absolutamente nada”, afirma Barreto.

O livro que guia o diretor foi publicado em 1996. A autora, Denise Paraná, que foi assessora de Lula quando ele perdeu as eleições presidenciais para Fernando Collor de Mello, colheu depoimentos de Lula, na época apenas um candidato derrotado, e de seus irmãos, amigos e companheiros de lutas sindicais.

Antes mesmo de começar e escrever, ela percebeu que a história daquele homem que saiu em busca da sobrevivência num pau-de-arara e tinha acabado de conseguir milhões de votos se encaixaria perfeitamente num roteiro de cinema. Esse roteiro começou a sair do papel, com as cenas gravadas num cenário de pobreza cruel, entre os municípios vizinhos de Garanhuns e Caetés - este último, onde nasceu o personagem principal.

Além de Denise Paraná, assinam o roteiro o próprio diretor Fábio Barreto, Daniel Tendler e Fernando Bonassi, com a colaboração ainda de Marcelo Santiago.

Família Silva

Lula-o-filho-do-Brasil23.jpg
Atores no set de 'Lula, o filho do Brasil' (Foto: Otávio de Souza/Divulgação)


O filme "Lula, o filho do Brasil" narra a história da família Silva, que abandona o sofrimento do Nordeste e vai para São Paulo ao reencontro de Aristides, o chefe da família que está em Santos, trabalhando como estivador no Porto. Aristides já havia constituído uma outra família ao lado da nova mulher, dona Mocinha, com quem havia fugido do sertão de Pernambuco, deixando dona Lindu grávida, às vésperas do parto de seu sexto filho, Luiz Inácio.

Em Santos, a família Silva se deparou com precárias condições de vida. Lula, então com sete anos, e seus irmãos Vavá, Ziza (Frei Chico), Zilma, Marinete e Maria precocemente começam a trabalhar como ambulantes, engraxates e empregadas domésticas para ajudar no sustento da casa. Nesse contexto de vida, dona Lindu era a âncora que mantinha a família unida e íntegra. Sempre confiante no futuro, especialmente do filho caçula, Lula, único que teve a oportunidade de estudar.

Liderados pela força da mãe, a família Silva foi sobrevivendo. Vavá, Ziza, Frei Chico e Lula se tornaram operários qualificados, enquanto Jaime manteve sua atividade de estivador e as moças, Marinete, Maria e Sebastiana, se casaram.

De Santos, a família seguiu para o ABC paulista, onde Lula passou a exercer a profissão de torneiro-mecânico na indústria automobilística.

É na cidade que Lula perde a primeira mulher, Lurdes, com oito meses de gravidez. Após a depressão, Lula se volta para a militância sindical e passa a exercer uma liderança dentro da classe operária. É quando passa a ser visto como uma força renovadora, que vai transformar os rumos políticos do País, provando que sua mãe, dona Lindu, não estava enganada quando dizia: "Este aqui vai ser gente. Vai ter uma profissão".

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Cinema/0,, ... ODADO.html
 
Legal, esse filme eu vou assistir
 
Ouvir dizer que ouve um insvetimente de 17 milhões de Reais para esse filme !!

Pouquinho heim ??