•  
     

'Fenômeno das chuvas em Santa Catarina é anômalo, mas natura

Nos últimos 47 anos, nunca choveu tanto no Estado de Santa Catarina durante o mês de novembro quanto neste ano. Desde que o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) começou a fazer medições em Florianópolis, em 1961, este é o mês de novembro que registrou a maior quantidade de chuvas: 535,8 milímetros em 24 dias, quase três vezes a média histórica do mês, que é de 140 milímetros (cada milímetro equivale a um litro de água por um metro quadrado).


"Se chover mais, será o caos final",
diz governador de Santa Catarina

Veja mais imagens dos estragos
Litoral paranaense registra volume recorde de chuvas

Para Gustavo Carlos Juan Escobar, coordenador de previsão de tempo do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec/Inpe), a grande quantidade de chuvas é um fenômeno anômalo, embora natural, que acontece de tempos em tempos. "O que ocorreu está dentro do que chamamos de variabilidade natural do clima", explica.

Segundo Escobar, as causas das chuvas anômalas são múltiplas e complexas, mas dois elementos foram preponderantes. "O primeiro elemento foi a formação de um anticiclone - sistema de alta pressão -, que se estacionou no Oceano Atlântico durante vários dias, provocando ventos moderados (entre 25 e 40 km/h), que atingiram perpendicularmente a costa de Santa Catarina e Paraná. Esses ventos do leste persistiram em atingir o continente durante quatro dias e passaram a trazer muita umidade", afirma o coordenador.

"O outro elemento foi a presença de um sistema de baixa pressão, situado há cerca de 4.000 ou 5.000 metros de altitude, sobre os Estados de Santa Catarina e Paraná. Esse sistema fez com que massas de ar subissem e formassem nuvens carregadas chuva. A combinação destes dois elementos foi a principal causa das chuvas em grande quantidade", esclarece.

A dinâmica das chuvas em Santa Catarina

24infochuvas.jpg


Escobar afirma que as chuvas foram previstas com antecedência pelo Cptec/Ipec e que a Secretaria Nacional de Defesa Civil foi alertada na quarta-feira (19). "Avisamos as autoridades competentes sobre a incidência das chuvas mais intensas três dias antes. As massas de ar ficaram estagnadas e apresentaram o mesmo comportamento por vários dias. Situações como estas são fáceis de serem previstas", diz.

Para Escobar, a tendência é que as chuvas percam a intensidade nos próximos dias. "O pior já passou. As chuvas devem prosseguir, com menor intensidade, até terça ou quarta-feira (26). O problema é que, com o tamanho do dano que já foi causado, qualquer chuva é capaz de fazer muitos estragos."

Guilherme Balza
Do UOL Notícias
Em São Paulo (SP)
 
eu queria saber como se explica o fenomino da chuva em quimica????????