•  
     

Ex-presidente da Nasdaq é preso por fraude bilionária nos EU

Por Edith Honan



NOVA YORK (Reuters) - Bernard Madoff, trader de Wall Street e fundador da Bernard L. Madoff Investment Securities LLC, foi preso e acusado na quinta-feira de estar por trás de um esquema multibilionário e fraudulento de pirâmide financeira conhecido como Ponzi, informaram autoridades dos EUA.



Procuradores federais acusam Madoff, ex-presidente da bolsa de empresas de tecnologia Nasdaq, de comandar uma pirâmide, na qual se prometem retornos muito altos a investidores iniciais, que são remunerados com o dinheiro de quem adere ao esquema posteriormente.



Madoff, que estimou perdas de cerca de 50 bilhões de dólares para os investidores, informou a funcionários de sua empresa de consultoria na quarta-feira que "isso é uma grande mentira" e que se trata "basicamente, de um gigantesco esquema Ponzi", de acordo com uma queixa criminal contra ele.



Madoff, 70 anos, supostamente comandava a pirâmide a partir da empresa que leva seu nome. Ele é acusado de fraude e pode pegar uma pena de até 5 anos na prisão e uma multa de até 5 milhões de dólares, disseram os procuradores.



"Madoff afirmou que o negócio era insolvente e que vinha sendo assim por anos. Madoff também declarou estimar que as perdas com essa fraude seriam de pelo menos aproximadamente 50 bilhões de dólares", disse Lev Dassin, procurador dos Estados Unidos para o distrito sul de Nova York, em um comunicado.



Autoridades disseram que, de acordo com um documento entregue por Madoff à Securities and Exchange Commission (SEC, principal órgão regulador do mercado de capitais dos EUA) em 7 de janeiro de 2008, ele afirma servir entre 11 e 25 clientes e gerenciar um total de 17,1 bilhões de dólares em ativos.



"Bernard Madoff é há muito um líder da indústria de serviços financeiros. Nós vamos lutar para superar essa lamentável sucessão de eventos", disse o advogado de Madoff Dan Horwitz a jornalistas do lado de fora de um tribunal onde ele foi formalmente acusado.



O próprio Madoff parecia abalado e abatido quando foi bombardeado com perguntas feitas por jornalistas na saída. Ele foi libertado após ter reconhecido a fraude e ter apresentado uma apólice no valor de 10 milhões de dólares, dando seu apartamento em Manhattan como garantia.



A SEC também prestou queixas civis contra Madoff.



"Nossa queixa alega uma fraude impressionante. Tanto em relação ao escopo quanto à sua duração. Nós estamos nos mexendo rápida e decisivamente para deter o esquema e proteger os ativos remanescentes dos investidores", disse Scott Friestad, diretor adjunto da Divisão de Investigações da SEC.



(Reportagem adicional de Christian Plumb, Phil Wahba, Michelle Nichols, em Nova York, e Rachell Younglai, em Washington)



Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Economia_N ... 56,00.html