•  
     

EUA não devem reduzir missão no Afeganistão, diz Kerry

O senador americano John Kerry, do Partido Democrata, afirmou nesta segunda-feira que os Estados Unidos não devem reduzir sua missão no Afeganistão porque isso levaria a uma guerra civil e afetaria a estabilidade no vizinho Paquistão.

O senador também dispôs condições para um eventual aumento das tropas americanas na região.

Durante uma apresentação de pouco mais de uma hora no Council on Foreign Relations (CFR), ONG americana de discussão sobre política externa, Kerry falou sobre a evolução do conflito no Afeganistão e as condições que devem existir no local para que os EUA enviem mais tropas.

Presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, ex-candidato presidencial e veterano da Guerra do Vietnã, Kerry visitou Afeganistão e Paquistão na semana passada e se tornou um dos principais assessores do atual Governo americano sobre o conflito.

O senador sugeriu que não apoia por enquanto o envio de mais tropas ao Afeganistão - como propõe o responsável pelas tropas dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no país, general Stanley McChrystal - porque esse plano é precipitado demais levando em conta a falta de garantias de governabilidade.

"Estou convencido, após minhas conversas com o general Stanley McChrystal, que entende a necessidade de realizar uma contra-insurgência eficaz em uma área geográfica limitada, mas também acho que seu plano atual vai longe demais, rápido demais", afirmou o democrata.

Kerry lamentou que a politização da estratégia adequada no Afeganistão reduziu o debate de uma situação tão complexa "a uma simples questão sobre o número de tropas".

Em paralelo à apresentação do senador, o presidente dos EUA, Barack Obama, fez hoje sua sexta reunião com seus principais assessores políticos e militares enquanto continua a avaliar qual seria a estratégia a seguir no Afeganistão e no Paquistão.

Uma das propostas em estudo por Obama é o pedido do envio de até 40 mil soldados ao Afeganistão feito por McChrystal.

Para Kerry, "os custos de um fracasso são muito reais" e o Paquistão, "sede da Al Qaeda", corre o perigo de se tornar o "epicentro do extremismo global" caso os EUA não consigam estabilizar o Afeganistão.

Nesse sentido, Kerry esboçou três condições para o envio de mais tropas: maior capacitação das forças de segurança afegãs para que possam assumir as tarefas de defesa; estreita colaboração com líderes locais para a entrega de serviços e o restabelecimento da confiança no Governo afegão; e o apoio da sociedade civil às tarefas de desenvolvimento.