•  
     

ESTRÉIA-Julia Roberts e Willem Dafoe estrelam drama familiar

ESTRÉIA-Julia Roberts e Willem Dafoe estrelam drama familiar

SÃO PAULO (Reuters) - Um trágico acidente é o estopim para uma problemática família conseguir superar os conflitos que os perseguem pelo tempo. Com esse tema, supostamente autobiográfico, o diretor e roteirista Dennis Lee constrói seu primeiro longa-metragem, "Um Segredo entre Nós".



Na história, intercala-se o passado e presente da família Waetcher. Num primeiro plano, mostra-se a infância traumática de Michael (Cayden Boyd, de "Sobre Meninos e Lobos"), dominado pelo pai emocionalmente abusivo, Charles (Willem Dafoe, de "O Aviador"). O rapaz apenas consegue tolerar as frequentes provocações graças ao apego de sua mãe Lisa (Julia Roberts, de "Jogos do Poder") e da companhia da jovem tia Jane (Hayden Panettiere, do seriado de TV "Heroes").



No tempo presente, 22 anos depois, Michael (agora interpretado por Ryan Reynolds, de "Três Vezes Amor") chega à sua cidade natal para reencontrar a família. No entanto, enquanto desembarca, seus pais sofrem um acidente de carro, em que Lisa não sobrevive. Com a morte da matriarca que unia a família, resta aos demais membros resolverem os dilemas e tensões que os separam.



Com um elenco mais do que afinado, com especial destaque para a atriz Emily Watson (de "Dragão Vermelho"), que interpreta Jane adulta, e para Cayden Boyden, o filme consegue ser sutil. Combinando drama e humor, providenciado pelo ator Ryan Reynolds, "Um Segredo entre Nós" é sensível o bastante para emocionar sem o pieguismo e clichês habituais do gênero.



No entanto, há dois pontos críticos, não explicados (ou mal formulados) no roteiro. O primeiro é a misteriosa - mas sugestiva - relação entre Jane e Michael. No início do filme, os personagens discutem sobre um suposto segredo entre eles, que não é revelado até o final.



Supõe-se, assim, que o título em português tenha vindo dessa desinformação, já que o original, em inglês, é "Fireflies in the Garden" (Vaga-lumes no Jardim), título de um famoso poema do americano Robert Frost (1874 - 1963), presente em toda a história.



Um segundo ponto se refere ao personagem vivido por Willem Dafoe. Embora realmente seja cruel em várias cenas, não é permanente a figura do "monstro que traumatizou seu filho". Sob esse ponto de vista, os conflitos psicológicos de Michael tornam-se menores e pouco convincentes.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/PopArte/0, ... 84,00.html