•  
     

Empresas de ônibus não respeitam restrições para viagens de

Empresas de ônibus não respeitam restrições para viagens de crianças

Garoto de 12 anos conseguiu embarcar em ônibus interestaduais sem autorização dos pais.
Menino embarcou para Campinas e Pouso Alegre sem documentos.


Julho é mês de férias e de viagens. A reportagem do Jornal Hoje foi ao Terminal Rodoviário Tietê, na Zona Norte de São Paulo, conferir se as empresas estão cumprindo a lei que regulamenta o embarque de crianças em ônibus. Uma criança de 10 anos participou da realização da matéria, e conseguiu embarcar nos veículos sem documentação e sem autorização dos pais na maior rodoviária do país.

Veja o site do jornal Hoje

No guichê de uma empresa de ônibus do terminal, um produtor da TV Globo diz que quer comprar uma passagem para um menino de 10 anos. A funcionária responde que o motorista não permite o embarque de menores de 12 anos sem documento. "Provavelmente o motorista vai pedir. Ele não deixa embarcar menor sem documento. Quer tentar?", pergunta a funcionária ao produtor.

O garoto tentou e conseguiu. Com apenas 10 anos, o menino embarcou sem problemas num ônibus que seguiria para Campinas, a 95 km de São Paulo. O motorista recebeu a passagem das mãos do próprio menino sem pedir a identidade e autorização dos pais. Dentro do ônibus, o garoto localizou a poltrona 32, que estava registrado na passagem, e aguardou o veículo deixar a maior cidade do país.

O garoto fez uma nova tentativa, desta vez com destino à cidade de Pouso Alegre, no sul de Minas Gerais. Sem documentos, o menino também conseguiu embarcar. Em nenhum momento, ele foi questionado pelo motorista. Nos dois casos, o embarque não poderia ter sido permitido.

Segundo cartilha do Tribunal de Justiça de São Paulo, crianças e adolescentes com menos de 12 anos só podem viajar se estiverem acompanhados dos pais, tutores ou parentes que tenham o mesmo sobrenome comprovado por documentos.

Se não houver parentesco entre o menor de 12 anos e o acompanhante, a pessoa precisa apresentar uma autorização escrita pelos pais ou responsáveis com firma reconhecida num cartório.

Nos dois flagrantes registrados pelo produtor da reportagem, a negligência dos motoristas foi ainda mais grave porque o menino embarcou como se estivesse sozinho, sem nenhum acompanhante. Nesses casos, o menor só pode embarcar num ônibus de viagem com a autorização de um juiz da Vara da Infância e da Juventude.

Vale ressaltar que não há postos do juizado nem nas rodoviárias nem nos aeroportos de São Paulo. Por isso, quem estiver pensando em mandar o filho passar férias em algum lugar e ele for viajar sozinho, a autorização do juiz precisa ser providenciada com antecedência, antes de o passageiro vir para a rodoviária.

A criança que participou da reportagem não chegou a viajar para Campinas nem para Pouso Alegre. Ele desembarcou antes que os ônibus deixassem a rodoviária. Durante todo o trajeto, o produtor do Jornal Hoje ficou com a criança, mas nenhum dos motoristas questionou o grau de relacionamento do nosso produtor com o menino.

As empresas Cometa e Transul Transporte Coletivo admitiram a falha na conduta dos motoristas e disseram que vão providenciar para que isso não ocorra mais.



Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0 ... 05,00.html
 
com migo não deu ,voltando de um batizado na capital SP, o carro ficou cheio pra vim embora pro litoral ,então fui pra rodoviária com minha filha de 10 anos, esqueci o documento dela, não deu outra não consegui embarcar,tive que ligar pro meu irmão voltar de carro e pegar ela. ;)