•  
     

ELES MANDAM: AGORA OTAN LIDERA OS ATAQUES À LÍBIA. GOVERNO M

Imagem

Se há um governo mundial e um exército mundial, o que falta mais? Um líder mundial?
Agora desta vez não são os Estados Unidos, nem França, e nem outros país, mas quem está à frente da operação é o próprio governo mundial!
A OTAN é o exército mundial dirigido pela ONU (Lê-se elite illuminati)!
Mas Obama não autorizou o início dos ataques à Líbia?
Sim! Mas Obama não representa mais o governo americano em si, ao contrário, ele está lá para o destruir, ele representa a elite globalista!
Não é atoa que a autorização dos ataques não partiu do Congresso americano (como devia ser de costume quando os EUA está à frente da decisão), mas apenas de Obama. Ele demonstrou que foi uma decisão independente dos EUA. Uma decisão da Elite, obedecida por ele, que é o fiel marionete!
Só a atitude de autorizar o ataque dento do território brasileiro (será que ainda é?), foi uma prova de que ele não se importa com a soberania política do país. Quem manda é "ele" e pronto!
É isso que eles querem... O termo "país" para os globalistas não existe mais! São eles que mandam, independente do lugar!
Veja a notícia:
A crise se que instalou na Líbia se espalha para os países de coalizão que ataca as tropas do ditador Muammar Gadafi. O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan disse nesta sexta-feira que acha positivo a entrada da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para que a França perca o comando da operações na Líbia.

Em entrevista coletiva, Erdogan aparentou uma satisfação pelo fato de que a Otan assuma o comando. As operações militares contra forças leais a Gadafi, iniciadas pela França no último sábado, originiou um novo atrito entre os os franceses e turcos.
A Otan havia anunciado que um plano de operação já está pronto e que deve assumir a lideranças dos ataques em breve. Na última semana, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou resolução que define o estabelecimento de uma zona de exclusão aérea e "medidas necessárias" para evitar que Gadafi ataque os rebeldes.