•  
     

Contran padroniza placas que indicam vagas preferenciais

A necessidade em deixar as regras mais claras veio da falta de cidadania de muita gente, que põe o interesse individual acima do coletivo. Hoje cedo, o DFTV encontrou várias irregularidades.



Já é lei há muito tempo: 5% das vagas dos estacionamentos devem ser exclusivas para idosos e 2% para pessoas com deficiência ou dificuldade de locomoção.

A equipe de reportagem do DFTV até encontrou exemplos de gente que pára corretamente, com permissão do Detran, ou de motoristas como Gilvandro, que preferem parar em fila dupla a usar a vaga de um idoso.

“Prefiro deixar solto, já que os flanelinhas levam o carro de um lado para o outro. Assim, não atrapalha ninguém”, diz o comerciante Gilvandro Ramalho.

Mas casos de desrespeito são muito mais comuns. Mesmo sem a credencial e a idade exigida, um motociclista ocupou uma vaga preferencial. Quando questionado, tentou justificar a falta: “eu só desci, fui ali e voltei. O direito do idoso é igual ao de todo mundo”.

Enquanto isso, o aposentado Desdede Oliveira, 68 anos, que tem direito à vaga especial tanto pela idade quanto pela dificuldade de andar, procurava lugar. “Já dei várias voltas. Isso é muito complicado. Em todo o Brasil, não existe respeito ao idoso nem ao deficiente”, reclama.

Desdede também reclama de algo pior: ser multado, apesar de estar cumprindo a lei. “Foi o rapaz da portaria que me avisou: ‘multaram o seu carro’. Na hora eu reclamei: ‘eu tenho o adesivo’. Não adiantou. Veio a multa e ficou por isso mesmo”.

Para facilitar a fiscalização das vagas especiais, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), publicou duas resoluções para padronizar as placas no país inteiro, tanto as dos idosos quanto as dos deficientes físicos. Uma novidade é designar a posição delas: paralelas à calçada, de frente ou enviesadas.

As credenciais, emitidas pelo Detran de cada cidade, também mudaram. Elas, que devem ficar no painel do carro, bem à vista, passam a ter validade em todo o território nacional. “Você pode sair com ela daqui, ir para Goiânia ou pra qualquer outro lugar. Só espero que a fiscalização e o respeito também melhorem. Creio que é possível”, comenta o comerciante Gilvan Leite.

“Não acho que isso vai mudar. O que muda mesmo é a educação. É a educação que faz a diferença. É isso que vai fazer com que as pessoas passem a respeitar o direito dos outros”, opina o aposentado Silvano Gianni.

As novas resoluções do Contran já foram publicadas, mas os Departamentos de Trânsito estaduais têm um prazo para se adequar às novas regras: até o fim do ano. De acordo com o diretor de segurança do Detran-DF, Deverson Lettieri, na capital federal as novas placas vão ser instaladas o mais rápido possível.

“A determinação do governo do Distrito Federal, por meio do Detran, é começar a instalação o quanto antes. As próximas credenciais já serão emitidas dentro do novo padrão determinado pelo Contran. Quem tem interesse em adquirir uma credencial deve procurar o setor do Detran que lida com esse tipo de documento. Nós estaremos aptos a fornecer credenciais para deficientes e idosos”, garante Lettieri.

Fonte: http://dftv.globo.com/Jornalismo/DFTV/0 ... 39,00.html
 
Boa Tarde,

Tomei conhecimento dess ato pelo informativo que recebi no Manaus Plaza Shopping. Tenho 65 anos e meio e vejo que aqui em Manaus (AM) a falta de respeito com o idos é muito grande, seja ela por parte das pessoas ou por parte das empresas. Vejam que no Amazonas Shopping só existe uma placa indicativa informando do estacionamento para idoso, mas não existe demarcação no solo ou espaço reservado para tal fim, de modo que as pessoas chegam e estacionam seus carros em qulquer vaga, como exemplo na sexta-feita dia 18/03/2011 um casal simplesmente chegou e colocou o carro numa vaga demarcada para deficiente físico apesar de ter uma placa na vertical e sinalização no solo. De que adianta ter essas sinalizações todas se não existe espaço reservado para tal fim e também não existem vigilantes para evitar tal abuso. Com a palavra o CONTRAN ou quem de direito.
Carlos Magno Gonçalves Reis.
Manaus - AM.