•  
     

Contradição em termos

Contradição em termos.jpg
Contradição em termos
Contradição em termos.jpg (15.49 KiB) Visto 64 vezes


Permita-me fazer uma proposta modesta, gentil leitor. Toda vez que alguém se disser contra a teoria da evolução porque é criacionista e, portanto, “acredita na criação descrita na Bíblia”, pergunte educadamente ao seu interlocutor: qual criação? Nosso criacionista hipotético pode nem ter reparado, mas há DUAS criações diferentes da Terra e dos seres humanos, uma depois da outra, no livro do Gênesis. Aliás, elas se contradizem.

OK, talvez a minha proposta modesta não seja tão modesta assim. Indo mais adiante com ela, arrisco-me a dizer, com base no dado acima, que o criacionismo literalista, aquele que supostamente segue “ao pé da letra” o texto bíblico, não só é inviável do ponto de vista lógico como talvez vá diretamente CONTRA as intenções dos gênios israelitas anônimos que escreveram e compilaram os primeiros capítulos do Gênesis. O alto grau de simbolismo e esquematização adotado por esses autores deixa mais ou menos claro que eles não teriam problema nenhum com uma leitura não-literalista de seus textos cosmogônicos – e possivelmente até tivessem essa intenção desde o início. É o que pretendo demonstrar nos parágrafos a seguir.

Nomes divinos
Qualquer pessoa que tenha em mãos uma boa tradução da Bíblia e esteja um pouquinho atenta vai perceber que, durante as narrativas da Criação, parece haver uma mudança de pronome de tratamento. Do começo do Gênesis até o versículo 4 do capítulo 2 (a primeira narrativa), Deus é simplesmente “Deus”; daí em diante, até o começo do capítulo 3 (fim da segunda narrativa), ele se torna o “Senhor Deus”. Essa mudança não tem nada de casual: representa, em hebraico, a transição do termo Elohim (literalmente “deuses”, mas na verdade uma espécie de plural majestático que designa o Deus único) para o termo Yahweh Elohim (ou “Javé Deus”, como vemos em algumas traduções atuais). Yahweh, ou Javé, parece ter sido o “nome próprio” (por falta de palavra melhor) da divindade de Israel antes que os judeus, por respeito, deixassem de pronunciar a palavra.

O mero fato de as duas designações serem usadas de maneira consistentemente separada nos capítulos que abrem a Bíblia é sugestivo, mas não prova muita coisa. Bem mais reveladora é a estrutura dos relatos. Os defensores do literalismo bíblico às vezes argumentam que o segundo relato é apenas a explicação e a ampliação do primeiro, partindo do geral para o particular. Boa tentativa, mas a leitura do texto sem preconceitos pega essa interpretação de calças curtas.

A primeira narrativa, por exemplo, diz que Deus criou as plantas no terceiro dia de seu trabalho, as aves no quinto dia e os animais terrestres no sexto dia, pouco antes dos humanos. (Aliás, a divisão do trabalho divino em dias só aparece no primeiro relato.) Já o Senhor Deus (lembre-se, são nomes divinos diferentes), de acordo com o texto, criou o homem “quando ainda não havia nenhum arbusto do campo sobre a terra e ainda não tinha brotado a vegetação, porque o Senhor Deus ainda não tinha enviado chuva sobre a terra, e não havia ninguém para cultivar o solo”. O Senhor Deus primeiro forma o homem com o barro da terra e só então planta um jardim no Éden, onde coloca o humano primordial. Mas as plantas não surgiram antes das pessoas? Não de acordo com a segunda versão da Criação.

A narrativa número 2 prossegue: “Então o Senhor Deus formou da terra todos os animais selvagens e todas as aves do céu, e apresentou-os ao homem para ver como os chamaria; cada ser vivo teria o nome que o homem lhe desse. E o homem deu nome a todos os animais domésticos, a todas as aves do céu e a todos os animais selvagens”. Novamente, não há como harmonizar as duas histórias, já que os animais existiam antes dos seres humanos, segundo o que diz o relato número 1.

O caráter independente das duas narrativas da Criação fica ainda mais claro no clímax de ambas as histórias, a criação do homem e da mulher. Você obviamente se lembra do uso da costela do primeiro membro do sexo masculino como matéria-prima para a produção do primeiro membro do sexo feminino. (Não estou usando “Adão” e “Eva” porque, nesses relatos primevos, eles não têm nome próprio.) Pois a narrativa número 1 da Criação aparentemente nunca ouviu falar em costela. Deus usa apenas a palavra (com verbos, aliás, na segunda pessoa do plural; ele parece estar deliberando com seus conselheiros angélicos) como matéria-prima: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança” (o humano de barro da outra versão aparentemente não é a imagem e semelhança de Deus…). E o texto continua: “Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou, macho e fêmea ele os criou”. Sim, ambos os sexos surgem simultaneamente nessa versão.

Sacerdotal
Após ler sobre essa fieira de incongruências, talvez você esteja achando que eu compartilho do escárnio e da pena que tanta gente gosta de destilar sobre as narrativas da Criação. Pois não o faço. Ambas as histórias estão cheias de poesia e beleza, representando insights importantes sobre a relação do homem com a natureza e com Deus. Mas essas lições poderosas só ficam realmente claras quando deixamos de lado a mania de ler tais textos como manuais de ciência planetária, biologia e história e nos damos conta de que eles são formas narrativas de expressar uma visão de mundo.

Para ficar restrito apenas à história número 1 (minha favorita, devo confessar), não é por acaso que a maioria dos estudiosos do texto bíblico a atribui a um membro da casta sacerdotal israelita. A estrutura altamente ritmada e simétrica do texto faz do Cosmos inteiro um gigantesco templo e retrata Deus como o sacerdote.

Como os celebrantes no Templo de Salomão, Deus abençoa a Criação e consagra o sétimo dia, o sábado, como o dia santo para celebrar a conclusão de sua obra. (Curiosamente, o mandamento de guardar o sábado, na maioria dos textos bíblicos, como em Deuteronômio 5, 12-15, não usa a Criação como justificativa, o que parece indicar que a ideia foi introduzida de forma tardia na cultura israelita.)

O número sete, símbolo da completude no antigo Oriente Próximo, não aparece só quando falamos do número de dias da Criação. A frase “e Deus viu que era bom” (referindo-se a algum elemento criado) surge sete vezes no texto; a palavra “Deus” aparece exatas 35 vezes (pois é, sete vezes cinco); e a descrição do sétimo dia tem, em hebraico, exatas 35 palavras. E os três pares de dias em que Deus trabalha ativamente são unidos por simetrias que vão do geral para o particular, em geral com três dias de separação entre si. A luz, por exemplo, é criada no primeiro dia; já o Sol e a Lua surgem no quarto dia. O céu é criado no segundo dia, enquanto as aves surgem no quinto dia, e assim por diante.

Deixe-me frisar novamente: isso não é história, é poesia, e o autor bíblico sabia que era poesia. É uma forma de expressar a crença de que o desejo de Deus para a humanidade e para toda a natureza é um mundo harmônico – tanto que humanos e animais são imaginados como vegetarianos, para desespero dos que gostam de atribuir os atuais desastres ambientais à influência ideológica do Gênesis.

Chegamos a um caso curioso de “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”. Não é possível honrar a complexidade – e a letra – do texto bíblico sem reconhecer seu caráter polifônico e simbólico. Paradoxalmente, quem se diz criacionista se recusa a fazer isso. Além de se recusar a apreciar o quadro em expansão que a ciência está pintando sobre as origens da vida e do Universo, pode muito bem ser que os criacionistas estejam negligenciando o melhor do seu próprio texto sagrado.

Fonte: http://colunas.g1.com.br/visoesdavida/