•  
     

Construção de escultura gigante de João Paulo 2º gera polêmi

A construção de uma escultura de 13,5 metros de altura do papa João Paulo II, a maior no mundo com a figura do pontífice, está gerando polêmica no Chile entre a Prefeitura de Recoleta, organismos oficiais e a sociedade civil.
A colossal obra recebeu duras críticas de arquitetos e vizinhos que a rejeitam por suas dimensões e denunciam a intenção de privatizar o espaço público.

"É escandaloso e inaceitável esse tipo de condução nos espaços públicos. São áreas de socialização, é preciso gerenciá-las com outros critérios ou valores", disse à Agência Efe Ezio Mosciatti, presidente do comitê de patrimônio do Colégio de Arquitetos do Chile.

A divergência começou em janeiro de 2008, quando a Prefeitura de Recoleta, ao norte de Santiago, concedeu a uma construtora o projeto urbanístico para remodelar a praça localizada em frente à Faculdade de Direito da Universidade do Chile, batizada no final de 2007 como praça João Paulo II.

A empresa repassou o desenho do projeto à Universidade San Sebastián, um centro privado que recentemente instalou uma sede junto à praça, no boêmio bairro Bellavista.

O projeto inclui a construção de um estacionamento subterrâneo, a instalação de uma feira artesanal (até agora tendas de lona) e a escultura do papa, a novidade mais vistosa da iniciativa.

A estátua, de 7,5 metros de altura, será colocada sobre uma base de 6 metros, e mostra o ex-pontífice apoiado em seu habitual bastão com o crucifixo na mão esquerda, e o braço direito alçado com o dedo indicador de sua mão estirado.
Sol Letelier, prefeita de Recoleta, lembra a visita do papa Wojtyla ao Chile, em 1983, e destaca que o país deve muito por sua mediação no conflito com a Argentina pelo canal de Beagle, que em 1978 esteve a ponto de tornar-se um conflito armado.

"João Paulo II representa valores que atravessam o mundo. Nós somos privilegiados por termos uma estátua dele na praça que leva seu nome", explicou à Efe Letelier.

No entanto, a prefeita reconhece que ainda não existe autorização do Conselho de Monumentos Nacionais (CMN), requisito indispensável para qualquer obra no Chile.

"Diante da polêmica, pedi à universidade que nos forneçam todos os antecedentes técnicos para remetermos ao Conselho o mais rápido possível. Precisamos votá-lo em 15 de novembro, na última reunião dos integrantes do conselho no ano", acrescentou.

O presidente do Conselho de Monumentos Nacionais, Oscar Acuña, declarou à Efe que ficou sabendo da escultura do papa pela imprensa, e declarou não ter recebido a documentação do projeto, embora tenha conversado a respeito com a prefeita.

Formado por 19 conselheiros, o CMN é o organismo responsável pela análise dos projetos de monumentos com critérios como os valores que representam ou sua inserção no espaço público, e tem o poder de aprovar, rejeitar ou fazer modificações.

No caso da estátua de João Paulo II, Acuña prefere não se pronunciar até conhecer bem o caso, embora antecipe que as dimensões da figura devem centrar as discussões na resolução do Conselho, assim como a proximidade à faculdade de Direito da Universidade do Chile, um prédio de grande valor arquitetônico.

A prefeita afirmou que a resolução do CMN será acatada, embora o escultor Cordero esteja disposto a enfrentar todas as consequências pessoais para de fato construir a estátua.

A Universidade San Sebastián não quis se pronunciar e divulgou um comunicado no qual assegura que "seguirá todos os caminhos regulares que a Prefeitura definir".

A polêmica informação ganhou força no âmbito acadêmico, mas agora já tomou à rua e à internet, com a criação de vários grupos na rede social Facebook contrários à escultura do pontífice na cidade.

O Colégio de Arquitetos do Chile, por meio do presidente do comitê de patrimônio, Ezio Mosciatti, mostrou sua preocupação pela estátua, e considera inaceitável a execução sem a autorização do Conselho de Monumentos Nacionais.

"Temos sérias dúvidas sobre suas dimensões e os critérios para defini-las", explicou Mosciatti, que criticou a proximidade com a Faculdade de Direito da Universidade do Chile, do arquiteto Juan Martinez e inaugurada em 1938.

"É um prédio muito importante para os arquitetos", reafirma Mosciatti, que reivindica ainda uma discussão com os moradores do bairro.


FONTE SI TE UOL
 
Legal
 
otenn veio vc soh sabe flodar colega para com isso coloka
shauhusahu
XD

ou se nao legal
bom
daora veio opina se vc leu

pergunta .. sei lah nao precisa soh coloka legal sahuhsau sei ... issso ai eu axo errado