•  
     

Censo divulgado pelo MEC traz novo mapa do Ensino Superior

Dados do Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - revelam que os cursos que mais crescem são feitos à distância.



Doze por cento dos jovens brasileiros entre 18 e 24 anos cursam o Ensino Superior. Em 2007, o número de alunos matriculados aumentou 7% e passou dos cinco milhões.

Matrículas no Ensino Superior 2007:
5.250.147
+ 7%
93% fazem cursos presenciais

A grande maioria freqüenta aulas todo dia em faculdades e universidades, mas, proporcionalmente, os cursos à distância são os que mais se expandem no país:

As matrículas cresceram 78%, quase 20 vezes mais que nos cursos presenciais. Nos tecnológicos, que duram menos tempo, a expansão foi de 24%.

Matrículas no Ensino Superior 2007:
Cursos à distância: + 78%
Cursos presenciais: + 4%
Cursos tecnológicos: + 24%

“Evidentemente, eram áreas muito pouco desenvolvidas, o número de cursos era muito pequeno, e vem crescendo significativamente. Você tem uma preocupação de expandir a matrícula superior principalmente nas áreas públicas ou matrículas gratuitas através, por exemplo, do Prouni”, comenta Reynaldo Fernandes, presidente do Inep.

Ensino superior à distância:
Matrículas em 2007
Instituições estaduais: + 219%
Instituições privadas: + 66%
Instituições federais: + 47

Em 2007, as matrículas para cursos à distância nas instituições de ensino estaduais mais que triplicaram. Aumentaram bastante também nas instituições privadas e federais.

Zorag trocou o curso presencial para ter mais tempo livre. “Eu posso acordar de manhã estudar e trabalhar depois ou eu posso trabalhar primeiro e estudar depois”, fala Zorag Farias, estudante de Ciências Contábeis

Nessa modalidade de ensino, o aluno quase não vai à faculdade. Zorag só precisa fazer as provas em sala de aula. As três mil horas de conteúdo ele cumpre pela internet.

E é pelo computador que eles tiram dúvidas. Em um dos cursos, pra cada grupo de 80 estudantes, há um tutor de plantão.

“Se ele estivesse sozinho, eu acho que ele não daria conta de ir até o final do curso. Então, quebrar essa solidão do aluno é o grande desafio da educação à distância”, fala Stela Arnold, coordenadora pedagógica.

“O ensino à distância, mesmo que não seja a maravilha das maravilhas, ele obriga o aluno a trabalhar, ele não pode passar 20 horas por semana simplesmente assistindo aula e cochilando. Ele tem que ler, ele tem que escrever, ele tem que fazer exercícios. Ele tem muita coisa para fazer. Portanto, acaba sendo um ensino mais ativo”, afirma Cláudio de Moura e Castro, educador.

Fonte: http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MU ... ERIOR.html