•  
     

Brasil será o 7º maior consumidor de energia em 2030, mostra

Brasil será o 7º maior consumidor de energia em 2030, mostra estudo

SÃO PAULO - Nos próximos 22 anos, o Brasil passará da 11ª para a 7ª posição entre os maiores consumidores de energia do mundo, segundo apontou um estudo divulgado hoje pela consultoria Ernst Young, em parceria com a FGV Projetos, da Fundação Getúlio Vargas. Os dados apresentados mostram que, no intervalo mencionado, o consumo brasileiro passará das 223,2 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (tep), consumidas em 2007, para 468,7 milhões de tep em 2030.



No período, o Brasil irá ultrapassar países como Coréia do Sul, Grã-Bretanha, França e Alemanha, que atualmente consomem mais energia. À frente do Brasil em 2030 permanecerão Canadá, Japão, Índia, Rússia, Estados Unidos e China. Aliás, os chineses ultrapassarão os americanos, figurando como os maiores consumidores mundiais em 2030, com 5,347 bilhões de tep.



Um dos organizadores do estudo, o coordenador do Núcleo de Economia da FGV Projetos, Fernando Garcia, disse que a escalada do Brasil no ranking dos maiores consumidores será incentivada principalmente pelo potencial hidrelétrico do país e pela utilização cada vez maior do etanol produzido a partir da cana-de-açúcar, além do crescimento da economia.



O estudo mostra que a demanda brasileira por energia crescerá 3,3% ao ano até 2030, acima da média mundial, estimada em 2,6%. Para suprir essa demanda, serão necessários investimentos da ordem de US$ 750 bilhões nos próximos 22 anos, especialmente na ampliação da oferta de petróleo e gás natural, além de geração de energia elétrica. O montante representará cerca de 3,8% dos investimentos mundiais em energia do período.



No contexto mundial, a China deverá assumir a posição de maior consumidora do mundo já em 2010. Com uma imensa reserva de carvão, ao redor das 96 bilhões de toneladas, o país asiático deverá utilizar intensamente esse combustível para gerar eletricidade, o que acarretará em uma "pressão crescente da comunidade internacional para que o país reduza os níveis de emissão de gás carbônico", ranking que a China deverá passar a liderar em 2015, de acordo com o estudo.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Economia_N ... 56,00.html