•  
     

Brasil mantém 89ª posição em ranking internacional de banda larga

Imagem

Um estudo conduzido pela companhia norte-americana de internet Akamai, constatou que a velocidade média da banda larga fixa no Brasil, durante o primeiro trimestre de 2015, foi de 3,4 Mbps.

Houve crescimento em relação ao período anterior, quando a média foi de 2,9 Mbps. O Brasil, no entanto, manteve a 89ª posição no ranking da companhia, mesma marca de 2014.

O ranking global de velocidade média de internet fixa foi novamente liderado pela Coreia do Sul, com 23,6 Mbps. Na vice-liderança, o estudo aponta a Irlanda com a segunda melhor conexão mundial, com 17,4 Mbps, seguida por Hong Kong, com 16,7 Mbps, Suécia, que tem 15,8 Mbps. Na quinta posição ficou a Holanda, onde os cidadãos utilizam redes com velocidade média de 15,3 Mbps.

Na América do Sul, o Brasil apresenta velocidade inferior a países de economias menores como o Uruguai, com 6,7 Mbps, Chile, 5,7 Mbps, Argentina, 4,6 Mbps, Colômbia e Peru, ambos com 4,5 Mbps e o Equador 4,1 Mbps. Ainda assim, os números brasileiros ultrapassaram os de Bolívia, com conexão de 1,5 Mbps, Venezuela, com 1,5 Mbps e Paraguai, com 1,4 Mbps.

Outra métrica aplicada pelo estudo é a que analisa os picos de velocidade e para isso utiliza parâmetros do tráfego das conexões mais rápidas de um país ou região. O Brasil alcançou nesse quesito 24,2 Mbps, índice abaixo da média mundial, de 29,1 Mbps.

Assim como na velocidade global, o líder é um país asiático. Cingapura detém a liderança de picos de velocidade, com 98,5 Mbps. é seguida por Hong Kong, 92,6 Mbps, Coreia do Sul, 79 Mbps, Kuwait, 76,5 Mbps e Romênia, com 71,6 Mbps.

Os indicadores são resultado da avaliação de redes de internet em aproximadamente 62 países.

Ainda que os números brasileiros não sejam animadores, o governo federal, por meio de estudos realizados pelo Ministério das Comunicações, indicou o desejo de alcançar uma velocidade média nacional, da ordem de 25Mbps, até o ano de 2018.

fonte: Bitmag
 
É mano... estamos precisando de um Up geral no páis inteiro começando na infra estrutura, porque, o que adianta investir sistematicamente, se a infra esta velha e obsoleta !