•  
     

Ancestral do homem comia nozes com casca e tudo, sugere anál

Equipe de pesquisadores estudou crânio do Australopithecus africanus.
Biomecânica e marcas nos dentes indicam consumo de frutos muito duros.


Utensílios para quebrar nozes provavelmente seriam supérfluos para o Australopithecus africanus, ancestral da humanidade que viveu há mais de 2 milhões de anos na África do Sul. Um estudo coordenado por David Strait, da Universidade de Albany (Costa Leste dos EUA) usou simulações biomecânicas do crânio da criatura, bem como análises do desgaste de seus dentes, para mostrar que o A. africanus era capaz de quebrar nozes, castanhas e outros frutos duros com os próprios dentes. A capacidade pode ter dado a ele um recurso alimentar importante em tempos difíceis. A pesquisa está na edição desta semana da revista científica americana "PNAS".

Crânio de hominídeo Australopithecus africanus, junto com modelo de computador que indica áreas submetidas a estresse durante mordidas.jpg
Crânio de hominídeo Australopithecus africanus, junto com modelo de computador que indica áreas submetidas a estresse durante mordidas


Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0, ... ALISE.html