•  
     

A Valorização da Mulher

O número de mulheres presentes no mercado de trabalho vem crescendo demasiadamente. Cada novo dia vemos mais e mais mulheres dominando o mundo dos negócios. Mas é exatamente aí que surge o problema. Alguém já reparou que a maioria dessas mulheres não é de usar muitos apetrechos femininos? Não falam meigo, na maioria não planejam filhos e seu grande sonho nunca foi casamento.

É aí que está o propósito da minha matéria hoje, as mulheres que deixaram a essência do que é ser mulher para trás, para poder competir no mercado de trabalho. Essa grande selva que é o mundo hoje faz com que as pessoas tornem-se cada vez mais competitivas, e isso inclui o lado feminino. A mulher hoje em dia luta por valores iguais, mas ao mesmo tempo deixa os seus próprios valores.

Onde foi deixada a mulher que trabalha e faz o dever de casa com os filhos quando chega? Onde fica a personalidade daquelas que se transformam completamente no trabalho? Quando não deixam o lado feminino, e trabalham no meio de diversos homens, acabam por ganhar funções ou nomeações inadequadas, como aquela que faz o café, aquela que tem mais jeito para fazer o arroz na hora que organizam um churrasco…

As mulheres dia após dia ganham espaço, mas para isso se tornaram mais masculinas, mais brutas e agressivas. Será mesmo que uma mulher, não tem nada a adicionar em uma empresa a não ser que mude e se torne cada vez mais um homem?

Não digo para vocês que todas as mulheres são meigas e fofinhas, ou que brincaram de boneca quando eram criança, pois isso varia de personalidade. Porém, a questão toda é: Por que lutamos tanto por direitos iguais como mulheres, mas ainda somos nós que mudamos para nos adequar?

Lutar por décadas em prol de um ideal, no qual mulheres são como homens no trabalho, têm o mesmo valor e tudo o mais, e depois se tornar tão “homem” quanto qualquer outro no trabalho, é jogar toda uma luta fora!

Organicamente podemos dizer que eles têm mais força física, resistência para certas situações e tudo o mais, assim como uma mulher pode ter filhos e o homem não possuir essa estrutura corporal. Portanto, são hipoteticamente diferentes. Mas em uma empresa, no qual os dois têm a mesma qualificação, o sexo não interfere no seu desempenho. Então pra que tentar ser como outro qualquer?

Devemos valorizar o que temos, e isso inclui o nosso sexo. Ser mulher pode ser doloroso às vezes, e ainda somos vítimas de uma sociedade machista, mas parte de nós a mudança. De que adianta reclamar que não temos vez se não lutarmos por ela? E quando temos essa chance, lidamos de uma forma no qual esqueçam que somos mulheres, e nos igualem. Me digam, adianta de alguma coisa?

Valorizar o que temos é sempre a melhor pedida. Dê sempre o seu melhor, mas não tente ser igual ao restante, de cópias o mundo já está cheio, o que nos falta é originalidade.

Fonte: http://makaehcult.com/posts/a-valorizacao-da-mulher/