•  
     

‘A polícia só pensa em matar’, diz pai de soldado morto em p

Família de uma das vítimas chegou a encontrá-la viva no local do crime.
Comando Militar do Leste abriu sindicância para apurar morte de militar.


O clima é de revolta e impotência entre as famílias do soldado Rafael Oliveira dos Santos, de 28 anos, e Paulo Marcos da Silva Leão, 26. Os dois foram mortos na terça-feira (23), em Brás de Pina, no subúrbio do Rio, depois de uma perseguição policial a assaltantes que mantinham as vítimas reféns num seqüestro-relâmpago.

No Instituto Médico Legal para liberar o corpo do filho, José Antonio Bezerra dos Santos não se conformava com a perda de Rafael, que era soldado do Exército. “Estava no trabalho quando soube e fui até lá. Meu filho estava morto e estavam retirando o corpo dele. Os policiais estão atirando sem noção e agora morreram inocentes. A polícia só pensa em matar”, desabafou.

A família de Paulo, que trabalhava como vigilante, chegou a encontrá-lo com vida no valão onde o carro caiu após a perseguição policial.

“Ele chegou a ir para o hospital, mas não resistiu. Foi tudo muito rápido. Foram três tiros, um no ombro, um na nuca e um na lombar”, contou o primo Vítor Hugo Mesquita. Segundo ele, a mãe da vítima precisou ser internada no hospital e tomar sedativos.

Delegacia fechada

Imagem

Ainda de acordo com Vítor, quando a família foi registrar queixa na delegacia da região, a 38ª DP (Irajá), foi informada que as investigações seriam conduzidas pela Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae), a mesma onde trabalham os policiais que participaram da ação.

Nesta quarta-feira (24), no entanto, quem ia a delegacia encontrava um cadeado na porta e um número de celular de plantão pregado na porta. Ao ligar para o telefone, o G1 foi informado de que não haveriam novas informações sobre o inquérito nesta quarta e que a polícia apenas aguarda o resultado da perícia no carro.

Exército investiga morte de cabo

O Comando Militar do Leste informou que já pediu a abertura de uma sindicância para apurar as circunstâncias da morte do soldado morto na perseguição. Em nota, o órgão afirma que a família do militar está recebendo assistência do Exército. A nota diz ainda que Rafael servia no 2º Batalhão de Infantaria, tinha 21 anos e estava no Exército desde março de 2006. Morador de Brás de Pina, ele deixou companheira e um filho.

Como foi:

Segundo testemunhas, os amigos Paulo e Rafael ouviam música no carro, quando foram abordados por três homens que os obrigaram a entrar no veículo. Uma pessoa viu a ação e chamou uma patrulha da políicia civil que passava próximo ao local.

Durante a perseguição, houve troca de tiros e todos os integrantes do carro roubado foram mortos, inclusive as vítimas.

Segundo a polícia, os criminosos atiraram primeiro e os inocentes teriam sido atingidos quando tentaram fugir pela porta traseira do carro. Aparentemente, não há marcas de tiros no carro da polícia.

PM absolvido

Essa não é a primeira vez que inocentes morrem em tiroteios. No início do mês, um dos policiais acusados de ter matado o menino João Roberto, de 3 anos, na Tijuca, Zona Norte do Rio, foi absolvido .

O crime aconteceu depois que ele e o companheiro de equipe abriram fogo contra o carro em que o menino estava com a mãe e o irmão caçula. Os policiais alegaram que, numa perseguição, confundiram o veículo em que a família estava com o dos criminosos em fuga.

Em julho, um administrador foi feito refém num seqüestro-relâmpago. Uma patrulha policial desconfiou dos assaltantes e perseguiu e atirou no carro em que estavam a vítima e os suspeitos. A PM alegou que os tiros disparados foram uma reação ao ataque dos criminosos.


Fonte: G1
 
raça de _______ eles sao piores que bandidos
 
SSHAUSAU ISSO MEMO
 
tem uns q naum prestam msm
 
ums monte neh
 
Pode Cre Esses cara Ai São Td Doido ...

________________________________________



By : Xandinhoo = FAMILIA ACEMPROL