•  
     

A cabala explicada às criancinhas!

Não resisto, a aqui colocar um excelente artigo de João Miguel Tavares, publicado no DN de hoje.
Pessoalmente acho que este artigo, resume em poucas palavras, o proteccionismo «pulhítico» cá do antro:

«Ah, como eu teria ficado mais feliz se José Sócrates, em vez de clamar contra os “poderes ocultos”, tivesse dito que desocultava as suas contas bancárias.

Era tão fácil. Estou a imaginá-lo a aproximar-se do microfone, na sua última conferência de imprensa, e em vez de falar em “insídias” e “ignomínias”, dizer simplesmente:
“Portugueses, nada tenho a esconder. Abdico voluntariamente do meu sigilo bancário. As minhas contas estão à disposição da Polícia Judiciária e do Ministério Público.”
Era tão fácil, não era?Mas não.
Sócrates preferiu deitar mão ao velho discurso da cabala, como se fosse um treinador de futebol no rescaldo de um jogo com arbitragem desfavorável. E não contente, despachou para as televisões os ministros que por ele nutrem a mais platónica das paixões, para sessões de gritinhos histéricos em directo, perorando enviesadamente sobre a ZPE e fazendo os portugueses passar por parvos, como se não existissem dúvidas inteiramente legítimas neste caso. Augusto Santos Silva e Pedro Silva Pereira não são o Bobby e o Tareco de José Sócrates. São dois ministros do Estado português.
Convinha que se comportassem como tal.
Só que, infelizmente, no meio desta triste história, não há uma alminha sobre a qual possamos dizer “ora aqui está, este pelo menos agiu bem”.
De uma ponta à outra, a imoralidade atravessa todas as instituições que deviam sustentar o Estado em que vivemos.
A reacção de Sócrates foi inaceitável.
O comunicado da Procuradoria foi inacreditável, e mais parecia ter sido escrito por um assessor do primeiro-ministro no intervalo de um Portugal-Inglaterra, conseguindo o prodígio de ser desmentido pelas notícias do dia seguinte.
E o que dizer da entrevista da procuradora Cândida Almeida, onde ela quebrou mais do que uma vez o segredo de justiça (por exemplo, na história do suspeito que não é muito suspeito mas apenas um bocadinho suspeito), ao mesmo tempo que informava ir abrir um inquérito sobre quebras do segredo de justiça?
Seria hilariante, se não fosse tão triste.
Alguém, por amor de Deus, que tome a iniciativa de repensar o sistema de justiça de cima a baixo, que isto está a tomar dimensões insustentáveis.
O que se passou está à vista de todos: após as chatices de 2004, a investigação entrou alegremente em banho-maria até os ingleses virem melgar com aquela carta rogatória, que colocou a polícia e o Ministério Público em cheque.
Vai daí, aplicou-se uma velha técnica:
isto é muito aborrecido de tratar, o mais provável é não haver provas suficientes para incriminar, porque é que não deixamos a comunicação social tratar disso? Assim foi. E assim vai continuar a ser.
Até o País bater no fundo.»


Se não fosse sério, seria no mínimo hilariante!

Fonte: http://globpt.com/2009/02/04/a-cabala-e ... iancinhas/